Devo estudar matérias que não caíram no último edital de concurso?

Você provavelmente já se pegou pensando se durante a sua preparação deveria estudar matérias que não caíram no último edital de concurso, certo? Ou será que a melhor opção é focar nos conteúdos que estiveram no último edital? Esse é um dos maiores dilemas dos concursandos durante a maratona de estudos para concursos públicos.

A publicação do edital muda completamente a dinâmica do estudo, pois o candidato passa a ter certeza do conteúdo que será cobrado e quais devem ser seus pontos de atenção.

No entanto, um concurseiro que deseja ser aprovado jamais deve começar a estudar só após a publicação do edital. A preparação deve ocorrer meses e até mesmo anos antes!

Assim, muitas pessoas me perguntam como estudar e aprender todo o conteúdo, mesmo sem o edital.

“Devo me guiar e estudar matérias que não caíram no último edital do concurso? É recomendável estudar disciplinas que não constaram no último edital de concurso?” Essas são algumas dúvidas que vou esclarecer neste artigo. Continue a leitura!

O último edital de concurso é o seu melhor norte

Estudar com antecedência é, de certa forma, realizar uma verdadeira premeditação do que será realizado, para que se possa alcançar o objetivo almejado.

Para se preparar com o máximo de assertividade, a base para estudar para qualquer concurso deve ser o último edital.

Se o último edital publicado do concurso público desejado tiver sido veiculado em até alguns anos, guie-se por ele.

No entanto, se novos editais não foram lançados nos últimos 10 anos, pesquise quais disciplinas estão sendo cobradas por editais semelhantes, para também estudá-las.

E quando há diferenças entre as disciplinas nos dois últimos editais?

Pode ocorrer, por exemplo, do último edital ter apresentado 10 disciplinas, enquanto o anterior, ter exigido 13 conteúdos. O que fazer, nestes casos? É necessário estudar as matérias que foram “excluídas” no documento mais recente?

Eu diria que não, você não deve se dedicar às matérias excluídas no primeiro momento. Caso elas retornem, você terá tempo para absorvê-las após o edital e antes da prova.

Se houver novidades, estude após o edital e antes da prova

Para alguns estudiosos, um novo edital de concurso pode mudar até cerca de 20% em relação ao conteúdo apresentado no anterior, mas geralmente em matérias não tão grandes e importantes quanto as que são mais certas de cair.

Para estar apto a estudar eventuais novidades, é fundamental dominar o conteúdo do último edital antes do lançamento do novo.

Dessa forma, quando o novo edital de concurso for lançado, você identificará as novidades e poderá estudá-las no período que antecede a prova (de dois a quatro meses após a publicação do edital).

Ao ter acesso ao novo edital, examine atentamente o documento para identificar os tópicos novos em relação ao edital antigo e que não foram estudados.

Tenha atenção ao analisar pois, muitas vezes, os assuntos de uma disciplina ficam sob o título de outra e em alguns casos o nome da disciplina é mantido, mas o conteúdo cobrado sofre alterações.

Já estudo o último edital há anos, posso estudar novas disciplinas?

Se você já é um concursando veterano e domina o último edital de “cór e salteado”, pode ser interessante especular e estudar matérias relacionadas ao conteúdo geralmente cobrado.

No entanto, jamais dedique-se a disciplinas incertas se você ainda não domina bem o conteúdo tradicional.

Estudar com antecedência é a postura ideal para obter a tão sonhada aprovação! Por isso, mantenha uma rotina de estudos e busque dominar o conteúdo historicamente cobrado pela banca do certame desejado.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Saiba quando confiar que um concurso público está para sair

Muitos concursandos aguardam ansiosamente a publicação do edital de um concurso público, para então intensificarem seus estudos.

Nós sabemos que a espera pelo concurso desejado é angustiante e os boatos de que o certame está para sair só tornam a ansiedade maior.

Dessa forma, muitos concurseiros perguntam aqui no blog e no canal do Youtube quando, de fato, podem confiar que um concurso público está para sair.

Pensando em ajudar a driblar os boatos, separei alguns casos em que você poderá confiar na realização do concurso público desejado.

Mas lembre-se de que, quando um edital é publicado, o tempo de estudo restante não passa de contagem regressiva para a prova.

Quanto mais cedo os concursandos traçam suas metas e iniciam os estudos, melhor é o resultado.

Os concursandos que se preparam constantemente sempre estão à frente na corrida por uma vaga no serviço público. Já quem espera o edital precisa, muitas vezes, correr contra o tempo para conseguir a vaga.

Vamos às dicas para você estar antenado sobre a realização dos certames desejados!

Fuja dos boatos e opiniões de amigos do setor do público

Quando estudamos para concursos públicos, é normal que sempre haja boatos e conversas de colegas que conhecem algum funcionário público, da área desejada, que ouviram dizer que em breve haverá as provas.

Nesse caso, meu conselho de amigo é: não acredite nessas histórias! Muitas vezes, o funcionário está apenas expressando a opinião dele, sem base concreta sobre a realização do certame.

Essas conversas e boatos podem até funcionar como um jato de motivação para intensificação dos estudos, no entanto, não os tome como verdade.

O mesmo conselho vale para as notícias de que o sindicato da categoria almejada está solicitando a realização dos concursos.

Sindicatos sempre vão solicitar e exigir novos certames, no entanto, essas organizações não têm poder e autonomia para autorizar as provas.

A Receita Federal, a Polícia Federal e o Ministério do Trabalho são exemplos de órgãos que, há anos, têm atuação incisiva dos sindicatos solicitando concursos. No entanto, a exigência dessas lideranças não é garantia de que haverá a realização das provas.

4 indícios de que o concurso público pode estar para sair

Se você se mantém distante dos boatos, é fundamental ter atenção a alguns aspectos que podem deixá-lo preparado para o lançamento de um edital.

Separei quatro sinais de que o concurso público desejado por você possa vir ocorrer em breve. Confira!

O cargo desejado tem muitas vagas disponíveis

Eu já me deparei com alguns cursinhos preparatórios que anunciavam que um determinado concurso seria realizado, contudo, as vagas para o cargo estavam todas preenchidas.

É claro que, no cenário político e econômico atual, quase todos os cargos públicos estão com vagas sobrando.

Por esse e outros motivos, 2018 se mostra um ano favorável para a realização de concursos públicos!

No entanto, apenas se houver um número significativo de vagas disponíveis, poderá haver concurso. Certames de grande concorrência não são realizados diante de poucas vagas disponíveis.

Há previsão no orçamento

Outro indício de realização de um concurso público é se houver previsão no orçamento para nomeação de novos servidores.

Conforme for chegando o segundo semestre, se não tiver orçamento disponível, é necessário esperar para verificar se na próxima estimativa há indicativo de concurso para o próximo ano.

Data de validade do concurso anterior expirada

Quando houver o boato de realização de um concurso, verifique se o certame anterior já teve a sua validade ultrapassada. Se não, dificilmente haverá a realização de novas provas.

No caso dos tribunaisassim que a validade do concurso anterior expira, ou perto disso, já ocorre movimentação para um novo edital.

Isso porque a justiça não pode parar e é preciso ter aprovados em condições de nomeação, tão logo seja necessário.

Além disso, o processo de realização de concursos no judiciário é bem menos engessado que no executivo.

Notícias oficiais do órgão

A notícias e comunicados oficiais dos órgãos são as fontes mais confiáveis de que um concurso público será realizado.

Se houver, por exemplo, uma entrevista com diretores e superintendentes comunicando a realização do concurso, você poderá confiar na informação.

Esse é o caso do concurso da Polícia Federal. Na primeira quinzena de janeiro deste ano, o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, comunicou aos representantes da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) que o concurso da PF deverá ser realizado ainda este ano, para o preenchimento de 600 vagas.

Entrevistas dessas autoridades em portais como a Folha Dirigida e o Manual do Concurso, em geral são muito confiáveis, uma vez que esses veículos têm o costume de receber diretores e lideranças que se posicionam sobre a disponibilização de concursos.

A mera opinião dessas ou de qualquer outra mídia sobre novos concursos não vale de muita coisa, somente se for alguma autoridade que possa falar em nome da instituição.

Não espere o edital, antecipe seus estudos

A autorização formal para a realização do concurso é ato que dá início ao processo. No caso de um concurso federal, a autorização vem do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPOG).

Já no caso de um tribunal, do presidente do tribunal. Para concurso municipal, em geral é o prefeito que autoriza a realização do certame.

A partir da autorização, é criada a comissão para organização do concurso, que irá preparar a licitação e cuidar dos detalhes técnicos, como número de vagas e conteúdo a ser cobrado.

Depois, é realizada a licitação para escolha da banca examinadora ou publicada a dispensa de licitação e informada a banca escolhida.

Essas burocracias podem ser todas muito rápidas no caso de concursos que ocorrem com frequência e de bancas experientes. Esteja atento e estude com antecedência!

Quem começa a estudar para um concurso público antes, sai na frente dos outros candidatos e possui melhores chances do que a concorrência.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Como e por que registrar o tempo de estudo para concursos?

Para ser aprovado no concurso público dos sonhos, é fundamental ter uma rotina de estudos regrada e intensa. Por isso, é importante garantir que você esteja dedicando todo o tempo de estudo planejado e necessário para absorver o conteúdo!

Muitos concursandos sempre chegam até mim com a dúvida: é realmente necessário anotar o tempo de estudo?

Sim, colega! É indispensável registrar o tempo dedicado aos estudos diariamente. Dessa forma, é possível acompanhar o seu rendimento e garantir que você chegará com todo o conteúdo assimilado na hora da prova!

Neste artigo, vou explicar o método que sempre utilizei para registrar o meu tempo de estudo e apresentar outras alternativas para você anotar cada minuto. Confira!

Como anotar o tempo de estudo com eficiência?

Antes de começar a registrar o seu tempo de estudo, entenda que cada minuto gasto com o conteúdo deve ser registrado!

Anote ao máximo as suas HBCs (horas-bunda-cadeira), ou seja, o tempo em que você realmente está estudando de forma ativa e produtiva.

Pode ser que você tenha passado duas horas lendo um livro de Direito ou revisado uma lista de fórmulas matemáticas durante 15 minutos enquanto esperava na fila do banco – independente do tempo, essas HBCs devem ser registradas e levadas em consideração!

Você deve estar se perguntando como anotar cada minuto com eficiência. Pois bem, no meu tempo não havia aplicativos de gestão de tempo, logo, eu dedicava uma agenda inteira ao registro do tempo de estudo!

Se você quiser seguir o meu exemplo, pegue uma agenda do ano e anote o tempo de estudo dedicado em cada dia.

Anote o tempo dedicado para uma determinada disciplina, acompanhado de sua sigla! Por exemplo, suponha que você estudou 1h30 de matemática financeira:

14/03/2017

13h – 14h30 | 1h30 – MF

Ao registrar o tempo dedicado a cada disciplina, ao final do dia é possível somar com maior precisão o tempo de estudos do dia e verificar se você cumpriu a sua meta diária.

Repasse da agenda para o calendário do mês

Além da agenda tenha, separadamente, um calendário do mês. Você pode elaborar à mão ou imprimir modelos que você encontra na internet!

Assim, ao fim do dia, registre em cada quadradinho do seu calendário o número de horas dedicadas ao estudo no dia em questão.

É essencial também, ao final de cada semana, somar as horas dedicadas por dia e encontrar o total de horas de estudo da semana – isso também é importante para entender se você está cumprindo com a sua meta de estudo semanal.

Veja!

exemplo de calendário com horas estudadas

Ao somar o total de horas estudadas nas semanas, é possível fazer uma comparação entre o desempenho atingido entre uma semana e outra.

Se em uma semana você estudou 48h e na outra estudou 44h, é possível verificar quais fatores estão “roubando” suas horas de dedicação aos estudos!

Registrar o tempo de estudo é evitar a autossabotagem

É claro que a diferença de tempo de estudo observada entre os dias e semanas pode ser resultado de fatores externos e inevitáveis, como uma doença repentina, um problema de família ou até mesmo uma reunião no trabalho!

No entanto, registrar o tempo de estudo também permite que você identifique aspectos que estão sabotando o seu estudo.

Anotar o tempo de estudo permite que você repense as suas escolhas e se esforce ao máximo para cumprir as metas diárias, semanais e mensais de estudo!

Aplicativos recomendados para registrar horas de estudo

É claro que, na era dos smartphones, você não precisa ficar refém do papel para registrar o seu tempo de dedicação aos estudos!

Eu conheço dois aplicativos muito interessantes, que registram o tempo de estudo com muita eficiência. São eles:

Aprovado

O Aprovado é um aplicativo disponível na App Store e no Google Play e possibilita a você registrar seus estudos, analisar gráficos, manter histórico e ter controle total de sua dedicação e desempenho.

É possível acionar um cronômetro ao iniciar os estudos e registrar com exatidão o período dedicado.

A funcionalidade de gráficos permite que você analise gráficos e relatórios detalhados de toda a sua evolução e saiba exatamente em quais matérias e conteúdos você precisa melhorar para garantir sua aprovação.

Além disso, você pode visualizar o seu desempenho em qualquer dispositivo. É só utilizar a mesma conta de e-mail em outros aparelhos que você tiver o Aprovado instalado que tudo estará interligado.

Meu App de Estudos

O aplicativo do site Meu Cantinho de Estudos também é uma excelente alternativa para registrar o tempo de estudo!

O aplicativo possui uma taxa mensal de assinatura por R$ 6,90, que oferece acesso a todas as funcionalidades:

  • Contabilização do tempo líquido durante os estudos, com pausa e retomada;
  • Cadastro de estudos agrupados por matérias e temas;
  • Identificação do estudo organizado por teoria, revisão ou exercícios;
  • Estatísticas de desempenho por tipos de estudo, matérias, temas e exercícios;
  • Revisões de estudos geradas automaticamente pelo sistema;
  • Calendário de lembretes pessoais e anotações nos estudos efetuados;
  • Comparativo de estudos por período e contabilização geral de sua performance.

Vale ressaltar que você também pode elaborar uma planilha no Excel para controlar o tempo de estudo.

Na internet também é possível encontrar vários modelos de planilhas com funcionalidade de soma de tempo e diversas estatísticas.

Cuidado para não se render às distrações!

Mesmo utilizando aplicativos e tabelas virtuais, eu recomendaria que você anotasse primeiro no papel e, posteriormente apenas, preenchesse online.

Isso porque, no tempo para abrir o aplicativo e a planilha, você pode acabar desviando seu foco com notificações das redes sociais.

Se você optar por aplicativos ou tabelas online para registrar o seu tempo de estudo, tenha disciplina e resista à tentação de verificar notificações!

Evite o preciosismo com números

A última dica que tenho a oferecer é: evite preciosismo com os números ao anotar o seu tempo de estudo.

Se você contabilizou, por exemplo, 1h28 de estudo de uma determinada disciplina, registre como 1h30 de dedicação. Você não precisa ter tanto preciosismo com números quebrados – arredonde para mais ou para menos!

Para otimizar o tempo de estudo, também evite ficar esperando “dar a hora” exata para estudar – comece a estudar independente do relógio marcar 12h52 ou 13h.

Primeiro você senta para estudar e depois olha que horas são! 

 

Ter uma rotina de estudos bem definida e buscar cumprir as metas diárias e semanais de estudo é o caminho para a aprovação!

Respeite os seus horários como se estivesse indo a uma aula presencial com chamada ou a uma consulta médica. Se o seu compromisso fosse com outra pessoa, você não faltaria. Então, por que faltar um compromisso que você tem consigo mesmo?

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Devo estudar as disciplinas de exatas juntas ou uma após a outra?

Quando o concurso público a ser prestado cobra mais de uma matéria de exatas, é comum que o concurseiro tenha a seguinte dúvida: devo estudar as disciplinas de exatas juntas ou em paralelo?

A maior parte dos certames exige o raciocínio lógico como a principal ou única disciplina de exatas.

Em contrapartida, há concursos, como o de Auditor Fiscal da Receita Federal, em que o edital exige o domínio de até cinco disciplinas, como matemática financeira, estatísticas descritiva e avançada, matemática básica e raciocínio lógico.

Naturalmente, as disciplinas de exatas geram um temor nos candidatos. Quando numerosas, estudá-las parece ser um desafio ainda maior.

Mas deixe o medo de lado, colega. Estudar e dominar as disciplinas de exatas exige, além de foco, um bom gerenciamento do tempo!

Neste artigo, esclareci como você deve se organizar caso seu concurso exija apenas uma ou múltiplas disciplinas de exatas. Confira!

Tenho dificuldade em matemática. E agora?

Independente do concurso desejado, exigir uma ou mais disciplinas de exatas, se você tem dificuldade em matemática, é necessário estudar as lições básicas antes das disciplinas mais específicas.

Vejo muitos concursandos reclamando do grau de complexidade da matemática financeira e da estatística, por exemplo.

No entanto, o problema muitas vezes não está nessas disciplinas, mas na falha ou no esquecimento de lições da matemática básica.

Você pode estar apresentando resistência a alguns conteúdos por ter dificuldades em resolver operações básicas como frações, potências, radiciações e regra de três.

Essas lições precisam estar frescas e bem fixadas, pois são a base para um bom aprendizado de qualquer disciplina de exatas.

Entenda que não adianta começar a estudar matemática financeira sem lembrar como elevar uma potência, por exemplo.

Separe uma ou duas semanas para estudar a matemática básica. Há muitos vídeos gratuitos no próprio Youtube sobre o assunto – dessa forma, você não terá que adquirir aulas e materiais! Contudo, se esses assuntos básicos caírem no seu concurso, recomendo um bom material de estudo.

Obviamente, se você tiver uma boa formação em matemática ou dispuser de amplo conhecimento na área, pode pular essa etapa!

Estudando para concursos que exigem apenas uma disciplina de exatas

Há uma série de certames que exigem apenas uma disciplina de exatas – na maioria das vezes, trata-se de raciocínio lógico.

Se este for o seu caso, sugiro que você estude a disciplina em questão desde o primeiro dia de estudo até o último.

Mas Alex, por que me dedicar tanto à uma matéria que, muitas vezes, tem apenas peso um na prova?

Meu amigo, o bom desempenho nas provas de exatas pode ser muito decisivo para a sua aprovação ou não!

Nas provas de tribunais, por exemplo, a maioria dos candidatos têm grande aptidão em disciplinas de Direito e são capazes de tirar notas maiores que 80 nessa área.

Diante desse cenário de equilíbrio, um bom desempenho nas disciplinas de exatas torna-se um diferencial para desempatar e conquistar os primeiros lugares no certame. A mesma coisa acontece com alguns concursos da área policial.

Várias disciplinas de exatas? Estude em paralelo!

Se você irá prestar um concurso cujo edital cobra mais de uma disciplina de exatas, o mais indicado é que você estude-as paralelamente.

Vamos tomar como exemplo o concurso para Auditor Fiscal da Receita Federal. Para este cargo, em geral, caem cerca de quatro ou cinco disciplinas de exatas ao mesmo tempo, como:

  • Matemática básica;
  • Matemática financeira;
  • Raciocínio lógico;
  • Estatística descritiva;
  • Estatística inferencial.

Nesse caso, meu amigo, é importante ressaltar que, por mais que todas as disciplinas exijam inteligência lógica e matemática, tratam-se de conteúdos diferentes e independentes.

Se você tem dificuldade em matemática básica, como falei anteriormente, é necessário reservar algumas semanas para reforçar os conceitos.

No entanto, se você já possui aptidão, comece a estudar desde já mesclando pelo menos duas disciplinas de exatas.

Você não precisa pegar um material gigantesco e estudar sequencialmente a mesma disciplina.

Se as matérias de matemática financeira, estatística e raciocínio lógico não dependem uma da outra,  inclua duas delas paralelamente ao seu ciclo de estudos.

Busque intercalar as disciplinas de exatas com disciplinas mais teóricas, como Direito, atualidades, auditorias e legislações.

Se você optar por estudar as disciplinas de exatas em série, você ficará com poucas opções para intercalar com disciplinas teóricas no ciclo de estudos e consequentemente, ativar o seu cérebro. Fora que quando estiver estudando a terceira ou quarta da sequência, já terá esquecido muito das anteriores.

Não há diferença se o conteúdo é de exatas ou de humanas!

Se você estuda paralelamente Direito Penal e Direito Administrativo, por exemplo, qual problema teria em estudar Matemática Financeira e Lógica simultaneamente? Ou você começará a estudar Direito Penal só quando terminar Administrativo, que por sua vez só começará depois que terminar Constitucional?

Mesmo que no edital todo o conteúdo de exatas seja apresentado em conjunto, separe você mesmo e estude em paralelo.

Como já expliquei, uma boa dica é, primeiro, relembrar conceitos da matemática básica por algumas semanas  – como regra de três, porcentagem e juros simples e depois abrir o seu leque.

Após relembrar a matemática básica, busque estudar a matemática financeira – afinal, as operações estarão mais frescas na sua mente.

Quanto à Estatística, você pode deixar para o final, porque essa é uma disciplina mais difícil, principalmente se tratando da parte inferencial.

Outra boa alternativa é associar raciocínio lógico e matemática financeira, antes de embarcar na estatística descritiva.

Espero que os estudos das disciplinas de exatas possam ser facilitados com estas dicas. Estudar exatas pode parecer difícil mas, muitas vezes, é só questão de foco e organização!

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais: