Concurso público é para todos? Entenda se você deve prestar!

Muitas pessoas costumam acreditar que prestar um concurso é a melhor opção de carreira, sendo, muitas vezes, incentivadas pela própria família. De fato, a carreira pública reúne estabilidade e bons salários – o que são atrativos muito convincentes. Mas, de fato, será que concurso público é para todos?

Em tese, um concurso público é acessível para qualquer pessoa que possua os pré-requisitos exigidos para o cargo e, é claro, esteja disposto a estudar o conteúdo do edital.

Além disso, há sempre oportunidades para todos os níveis de escolaridade e para diversas atividades.

Os certames, também, não discriminam por sexo, idade, classe social ou religião. Dessa forma, parece que qualquer pessoa é capaz de conquistar uma vaga, certo?

No entanto, saber se um concurso público é para você deve ser uma decisão que vai além dos requisitos, levando em conta suas necessidades e perfil profissional.

Sendo assim, para discutir se concurso público é para todos, convidei um bem conhecido orientador de concurseiros, meu amigo Gerson Aragão. Continue a leitura!

Qualquer pessoa pode prestar um concurso público, desde que esteja preparada!

Gerson AragãoDe acordo com Gerson Aragão, prestar um concurso público pode sim ser a escolha de qualquer pessoa – desde que haja esforço:  “Concurso público é para todos, desde que a pessoa queira realmente isso. Qualquer pessoa que quiser fazer concurso, poderá fazer e conseguirá se dar bem, desde que se dedique, esteja motivado para isso e estude da forma correta”, ressalta.

Portanto, os concurseiros que desistem ou falam para todos os lados que concurso não é para qualquer pessoa, não se dedicaram o suficiente para ter uma evolução de desempenho.

Em suma, para ser concursando, é necessário se envolver em um projeto de aprovação, combinando motivação, bons métodos de estudo, organização, materiais atualizados e, sobretudo, compromisso.

Por exemplo, uma pessoa que “decide estudar”, mas não abre mão de certos luxos e atividades, como assistir ao futebol todos os dias, dificilmente alcançará o sucesso.

É sabido que, para alcançar a aprovação, é preciso ter tempo disponível para assimilar conhecimento. A rotina, por sua vez, deve ser dedicada a reler a teoria, fazer exercícios, revisões e provas anteriores.

Concurso público é para todos que estão preparados emocionalmente!

Em geral, estudar para concursos públicos conta com uma exigência que quase ninguém te conta: a capacidade de lidar com decepções e frustrações.

De certo, estudar para qualquer certame envolve preparação intelectual e física mas, também, ampla capacidade de resiliência.

Isso porque dificilmente a aprovação virá após o primeiro ano de estudos. Em muitos casos, pode ser necessário estudar por anos.

Os editais, também, não são disponibilizados todos os anos. Se você não está suficientemente preparado para ser aprovado no primeiro que vier, provavelmente terá que esperar mais tempo por uma próxima oportunidade.

Pode também acontecer de a nomeação não acontecer logo após a homologação do concurso e demorar até quatro anos.

Além do mais, o exercício do cargo público pode exigir de você muitas mudanças – até mesmo de residência.

O professor Gerson comenta que, quando foi aprovado para a defensoria pública dos estados da Bahia e do Sergipe, fez questão de pesquisar várias exigências do cargo, como o tempo médio que um Defensor leva para deixar de exercer o cargo no interior e trabalhar na capital.

Em suma, há carreiras públicas que são muito engessadas. Muitas vezes, o profissional precisa trabalhar no interior de um estado por 10 a 20 anos, para só depois exercer suas atividades em uma cidade maior.

Gerson relembra, ainda, que tinha uma conhecida que morava em Aracaju, capital do Sergipe e foi aprovada para um cargo judiciário no interior do Rio Grande do Sul.

Dessa forma, pelo grande distância da cidade até a capital gaúcha, que dificultava as visitas eventuais à cidade natal, a concursada desistiu da profissão e voltou aos estudos.

Em resumo, concurso público é para todos que estão preparados para superar adversidades até alcançar a aprovação e lidar com as exigências do cargo público em questão.

Concurso público é para todos, mas serviço público, não!

Concurso público é para todos, de certa forma – mas o serviço público pode não ser.

Às vezes algumas pessoas ingressam na carreira pública e ficam infelizes lá dentro, dependendo do cargo que ela escolheu. Isso é muito normal, por exemplo, em pessoas que escolhem um concurso por conta do salário.

“Isso é ruim porque, devido à estabilidade da carreira pública, você irá passar o resto da sua vida naquele emprego”, pondera Gerson.

Dessa forma,  o interessante é você pesquisar antes. Se não, escolha o primeiro concurso, caso precise para “sobreviver” e, depois, busque o que te agrada.

É importante ressaltar que dinheiro é importante, mas nada vale mais que sua satisfação pessoal e profissional.

Então, antes de investir toda sua energia na preparação para concursos, faça uma autoanálise para saber que tipo de profissional é você.

Na dúvida, procure uma orientação de carreira e elabore um plano de ação coerente com os seus objetivos pessoais e profissionais.

Um bom caminho a seguir é analisar todas as opções de carreira que a formação permite, por exemplo, tanto as privadas quanto as públicas. Dessa forma, será possível encontrar uma carreira alinhada ao seu gosto (deduzindo que seu curso de formação seja do seu interesse).

Ademais, procure conversar com pessoas que atuem na iniciativa pública e privada para ponderar os pontos positivos e negativos de cada uma das opções.

A grande vantagem da carreira pública está, é claro, na estabilidade. Além disso, sua progressão de carreira é pré-estabelecida e há políticas bem definidas para isso. Também há facilidade para tirar férias e a possibilidade de obter licenças.

Entretanto, o crescimento na carreira também pode ser mais lento e o ambiente, geralmente, é mais burocrático do que em empresas privadas.

Como escolher o concurso mais adequado ao meu perfil profissional?

Se você está decidido a ingressar na carreira pública, mas deseja se assegurar de que não sofrerá frustrações após aprovações, é interessante levar em consideração alguns fatores antes da inscrição. Entenda:

  1. Além da remuneração

    Não pense apenas no dinheiro. Muitos aspectos devem ser considerados, como o local de exercício, a rotina, as horas de serviço e o trabalho em si.

    Isso sem falar em detalhes como as disciplinas específicas de cada concurso público.

    Por isso, antes de escolher um concurso público, faça a si mesmo as seguintes perguntas:

    • Qual será o meu salário?
    • Eu vou gostar de passar muitos anos fazendo isso?
    • Eu moraria e teria qualidade de vida na cidade a que o cargo se destina?
    • Quais funções serão de minha responsabilidade?
    • Quantas e quais disciplinas terei que estudar?
  2. Conheça suas possibilidades

    A estrutura do nosso governo é bastante ampla e as possibilidades de ingressar na carreira pública são variadas.

    Há oportunidades para tribunais, agências reguladoras, áreas fiscais, policiais, bancárias e mais.

    São muitas as opções de órgãos e cargos para você escolher. Por isso, conheça as competências de cada área e faça um cruzamento de dados com seus objetivos.

  3. Considere seus interesses

    A primeira coisa que devemos levar em conta antes de escolher uma carreira pública é considerar os nossos interesses. Para isso, avalie:

    • O que exatamente você está buscando? Apenas uma remuneração maior que na área privada? A estabilidade? O trabalho daquele órgão em si?

    Em resumo, é imprescindível listar tudo aquilo que você gosta e o que realmente lhe interessa – em termos profissionais e pessoais. Depois, compare se o trabalho naquele determinado órgão lhe dará condições de alcançar esses objetivos.

  4. Avalie o edital

    Uma leitura minuciosa do edital é o primeiro passo para fazer uma boa escolha do certame.

    Lembre-se de ficar bem atento a algumas questões importantes:

    • Para onde é a vaga?
    • Quais são as disciplinas e o conteúdo cobrado?
    • Você já tem familiaridade com esses assuntos?
    • Já estudou essas matérias para outros concursos ou é algo que você nunca viu antes?
  5. Reflita sobre a rotina e a carga horária

    A maioria dos concursos públicos exige uma carga horária de trabalho de seis a oito horas diárias.

    Sendo assim, se você está acostumado com horários mais flexíveis, sentirá a diferença de ficar preso a horários fixos.

  6. Não atire para todos os lados

    É válido se inscrever para mais de uma vaga por vez, mas somente se os concursos tiverem um escopo semelhante.

    Com provas, disciplinas e exigências parecidas, sua estratégia de estudos pode render bons resultados.

    Além do mais, estudar disciplinas muitos diferentes ao mesmo tempo pode te confundir e te fazer perder o foco.

Você pode conciliar a carreira pública com outras atividades

É importante enfatizar que, se você se encontra desempregado e decide estudar para passar em um concurso público, a maioria dos seus problemas estarão resolvidos.

E, além do mais, ingressar na carreira pública não significa abandonar seus hobbies e outras vocações.

Após a aprovação, é possível estudar para outro concurso ou, até mesmo, conciliar a carreira com outra atividade.

Há carreiras, por exemplo, que são de seis horas diárias, logo, dá para exercer outra atividade em paralelo, se for permitido.

A grande consultora de concursos Lia Salgado é um exemplo disso! Antes de estudar para concursos, ela mantinha um ateliê de arte. No entanto, a atividade não gerava renda o suficiente para mantê-la e seus quatro filhos.

Logo, para garantir a estabilidade financeira, ela decidiu estudar para concursos. No entanto, depois que passou para fiscal na prefeitura do Rio de Janeiro, ela manteve a atividade artística como lazer.

Nós mesmos – eu, Alex, e o Gerson – estamos aqui oferecendo suporte e conselhos para concursandos, como uma atividade à parte da nossa rotina enquanto servidores públicos.

Assim sendo, é possível concluir que sim, concurso público é para todos.  O mais importante é você saber o que você quer, aonde você quer chegar e traçar uma estratégia de vida.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Como estudar para concurso na área fiscal? 4 dicas práticas sobre o que estudar!

Se você estiver pensando em prestar um concurso na área fiscal, deve estar bem ansioso com o que deve ou não estudar, afinal, a maioria desses concursos cobra matérias consideradas difíceis, como Contabilidade e Estatística. No entanto, sabendo o que estudar por meio da bibliografia para concursos públicos da área fiscal e, especialmente, aprendendo algumas técnicas de como estudar para concursos da área fiscal, você estará mais preparado para encarar essa prova e se sair muito bem.

Por isso, fizemos um guia para você descobrir o que estudar para área fiscal . Venha conferir!

1. Fique de olho nos editais

Se você quer saber o que estudar para concurso público em qualquer área, comece consultando os editais – seja das provas que você vai fazer ou de concursos anteriores na mesma área. Assim, você descobre quais matérias estudar para concurso público  e os assuntos específicos mais importantes.

Como estudar para concurso area fiscal

Na área fiscal, as matérias de Contabilidade e Exatas são as que mais os concurseiros penam. Dependendo da vaga a qual você está concorrendo, podem ser pedidos ramos diferentes das Exatas. Os mais comuns são Matemática Financeira, Raciocínio Lógico e Estatística. Em alguns casos, são exigidas as três e até outras mais, como Matemática Básica.

Se você estiver focado em concursos da Receita Federal, pode encontrar assuntos de Matemática mais diversificados na prova, como:

  • Funções;
  • Análise Combinatória;
  • Matrizes;
  • Trigonometria.

Por isso, é importante ficar de olho no edital e montar seu ciclo de estudo para concurso baseado nas matérias pedidas.

2. Não tenha medo da Contabilidade

Não é preciso dizer que Contabilidade é uma das matérias mais controversas que existem, porque envolve muitas regras e contas que podem ser complicadas. Por isso, muitas pessoas tremem só de pensar em estudar Contabilidade para um concurso.

Se esse for o caso, o primeiro passo após descobrir o que colocar em seu ciclo de estudos da área fiscal é superar esse medo.

Como todas as matérias, a Contabilidade pode ser aprendida quando você tem um bom plano de estudo para concurso e segue um bom método de como estudar para concurso área fiscal. Estudo e prática são tudo o que você precisa.

Além disso, ao contrário de outras áreas, como Legislação, a Contabilidade não vai mudar de repente, poucos meses antes da prova. Alguns concurseiros também têm medo especificamente das provas de Exatas.

Não faça dessas matérias algo tão maior do que realmente são e as estude como qualquer outra matéria. Sua dedicação é o que vai fazer diferença na hora da prova!

3. Não se apoie na calculadora

A maioria dos concursos públicos não permite que os estudantes usem calculadora durante as provas. No entanto, muitos ainda usam essa ferramenta na hora de estudar e, quando chegam ao dia do concurso, não conseguem fazer as contas de maneira rápida e eficiente.

Então, se você quer resolver as provas em menos tempo, procure não se apoiar na calculadora na hora de estudar.

Entre as dicas para fazer uma boa prova de concurso está simular o ambiente tal e qual ele será no grande dia. Por isso aprenda a fazer cálculos simples de soma, divisão, subtração e multiplicação rapidamente, no lápis, para não perder tempo na hora da prova.

Lembre-se de que essas habilidades são básicas na área fiscal.

Como estudar para concurso area fiscal

Além disso, é importante lembrar que o objetivo do concurso não é saber se você sabe fazer contas, mas sim se você conhece conceitos de Matemática e Contabilidade.

Você sabe o que são bens ativos? O que é uma tangente? Qual a diferença entre raio, diâmetro e perímetro? Como se simplifica uma fração?

Por isso, não pense que somente saber fazer cálculos é o que vai fazer a diferença na sua aprovação. Eles são uma ferramenta básica, mas Contabilidade e Exatas são mais do que isso.

Ao desenvolver seu método de como estudar para concurso área fiscal se concentre no que realmente vai fazer a diferença. Isso é fundamental para quem quer aprender como passar em  concurso.

4. Estude de maneiras diversificadas

Um dos erros mais comuns de quem está pensando sobre  como estudar para concurso público na área fiscal é pensar que as questões terão sempre os mesmos moldes.

Mesmo que Contabilidade ou Exatas sejam áreas que não mudam com frequência, existem diversas maneiras de abordá-las!

Muitas vezes, as questões de concurso público exigem conhecimentos de diferentes assuntos matemáticos e contábeis para serem resolvidas. Algumas de Contabilidade e Exatas exigirão mais raciocínio lógico do que qualquer conhecimento em Matemática pura.

Por isso, a melhor maneira de como estudar para concurso na área fiscal  é estudando as matérias de maneira bem diversificada. Veja alguns exemplos do que você pode fazer para aumentar suas chances de sucesso na prova:

  • concentre-se na resolução de simulados para concurso público  e problemas matemáticos;
  • pratique raciocínio lógico com jogos, como sudoku, e outros disponíveis online;
  • assista a vídeos que mostrem resoluções de problemas matemáticos ou respostas a questões difíceis de Contabilidade;
  • procure por exercícios que abordem mais de um assunto da matéria;
  • foque nos assuntos mencionados no edital e na bibliografia recomendada, mas não se apoie apenas nisso;
  • tente descobrir se há mais de uma maneira de resolver os exercícios mais comuns de concursos públicos, e qual a maneira mais rápida;
  • faça cartões de anotações ou resumos com os conceitos que você tem dificuldade de lembrar;
  • procure priorizar os assuntos que você acha mais difíceis;
  • quando errar a resposta de um exercício, não procure a resposta certa imediatamente. Tente refazer os cálculos e chegar à resposta certa.

Diversificando suas maneiras de estudar para área fiscal, você experimenta a Contabilidade e as Exatas de vários jeitos diferentes e, assim, sua mente começa a se acostumar com o tipo de raciocínio que essas matérias exigem.

 Como estudar para concurso na área fiscal? Coloque a teoria na prática

Ao contrário do que muita gente que procura saber  como estudar para concurso público na área fiscal pensa, a matemática e os cálculos usados na Contabilidade não são uma ideia abstrata. Eles estão muito presentes no dia a dia e podem ser vistos em conjunto com quase todas as outras ciências. Se você parar para observar, os cálculos estão em todos os cantos.

Se você abrir o Google Maps, vai encontrar uma régua de escala no canto do mapa com a qual você pode calcular a distância real entre seu ponto de saída e ponto de chegada.

O ingresso de alguns cinemas discrimina o valor do imposto cobrado e, assim, você pode calcular a porcentagem do que vai para o cinema, de fato.

Para diminuir uma receita de família e preparar algo especial para quem você ama, é preciso entender de proporção. Para entender o quão rápido um vírus está se espalhando, também.

Entender como as Ilhas Cagarras, no Rio de Janeiro, parecem acompanhar quem caminha pela Orla de Ipanema, é uma questão de Geometria, assim como a construção das pirâmides do Egito foi uma questão de Trigonometria.

Na Biologia, na Astronomia, nas leis de trânsito, na contabilidade de uma empresa e em brincadeiras de criança: os cálculos podem ser vistos em todos os lugares.

Por isso, em vez de se assustar com sua presença em um edital, comece a aplicá-los a tudo o que vê no dia a dia.

Leia também: Como estudar sem edital publicado em 3 passos simples

Saber o que estudar para concurso público em qualquer área é essencial para planejar seus estudos, se programar e ir bem na prova.

Na área fiscal, a Contabilidade e as Exatas são umas das matérias mais importantes e, por isso, devem ser levadas muito a sério em seu ciclo de estudos para área fiscal

Agora eu te faço um convite! Venha conhecer a Liga da Aprovação da área fiscal e de controle. A Liga oferece o mais completo treinamento de como estudar para concursos dessas áreas. É um tipo de mentoria extremamente concentrada em te ajudar a cortar caminho e garantir sua aprovação o mais rápido possível. 

Em nosso site você pode conferir a lista de depoimentos de ex-concursandos que foram aprovados com a ajuda da Liga de Aprovação da área fiscal. Você pode se juntar a eles!

Além da Liga de Aprovação Fiscal e Controle, também criamos a Liga de Aprovação Policial e a Liga de Aprovação para demais áreas.

Aproveite a Liga da Aprovação para melhorar o seu método de estudo!

Quer saber mais dicas para estudar para concurso público? Se inscreva na nossa Newsletter e fique por dentro de todas as novidades!

3 principais erros na hora de estudar para concurso público

Vida de concursando não é mole! Além de todo o esforço que precisa ser feito para dominar o conteúdo, é preciso ter atenção aos principais erros na hora de estudar para concurso público, a fim de evitá-los.

Errar na hora de se preparar para a prova é comum – afinal, nós somos humanos, né? Mas entender os principais erros na hora de estudar para concurso público é importante para prevenir-se de cometê-los e deixar a concorrência para trás.

Afinal, quando as estratégias adequadas e o pensamento positivo entram em jogo, o tempo rende e a jornada de estudos se torna muito mais proveitosa.

Em suma, não há receitas prontas para obter sucesso na preparação para concursos públicos. No entanto, há fracassos que se repetem e que você pode agir para superá-los.

Pensando nisso, convidei meu querido amigo e Master Coach Felipe Lima para apontar quais ele considera os 3 principais erros na hora de estudar para concurso público. Confira!

Erro 1: sentir-se inferior diante de candidatos mais preparados

De acordo com Felipe Lima, este é um erro cometido por muitos concursandos, principalmente para os iniciantes, que estão inseguros com a nova rotina.

O coach ressalta, no entanto, que é fundamental que você trilhe o seu caminho e escreva sua própria história, sem tentar reproduzir o comportamento alheio.

Você pode até se deparar com concursandos que já obtiveram diversas aprovações e que estudam muitas horas por dia, o que faz você acreditar que está fazendo pouco.

No entanto, o importante é você conhecer seu ritmo, escolher seus métodos de estudos e munir-se de bons materiais.

Além disso, outro aspecto importante a enfatizar é: não encare as conquistas de outras pessoas como feitos de gênios.

Isso porque, muitas vezes, a aparente “genialidade” é, na verdade, fruto de esforço contínuo e uma estratégia de estudos bem articulada.

Quer um exemplo prático disso? Eu, Alexandre, sempre percebi que, quando um concurseiro passa cinco anos estudando, por exemplo, ele é encarado como tolo. Porém, quando a aprovação é alcançada, da noite para o dia a pessoa é vista como um “gênio”.

Não estamos dizendo para que você não use a estratégia de ter modelos. Tenha sim pessoas que te inspiram a fazer mais e melhor – mas a questão é não se deixar abater pelo sucesso de outros colegas.

Erro 2: não ter obstinação

Segundo Felipe, é indispensável que todo concursando tenha em mente um “interruptor imaginário”, que o faça estar ligado e focado em seu objetivo.

“Você tem que falar ‘eu vou fazer isso dar certo, até dar certo, mesmo que antes dê errado’. Está tudo bem se der errado, porque errar é humano!”, explica Lima.

Logo, diante dos erros, o caminho é promover o desenvolvimento contínuo. Durante a jornada de estudos para concursos públicos, é normal encontrar obstáculos. Mas, diante deles, jamais tome a decisão precipitada de mudar de área ou desistir.

Dessa forma, a melhor solução é trabalhar para corrigir os erros, sem alterar o seu objetivo final. Qualquer mudança deve ser feita, a princípio, na rota e não no objetivo.

Portanto, não desista diante da concorrência elevada e muito menos busque caminhos mais fáceis, se eles não te levarão até o seu maior sonho.

Erro 3: deixar o essencial de lado é um dos principais erros na hora de estudar para concurso público

O principal fator para o seu sucesso é o seu bem-estar. As vitórias só serão alcançadas se você estiver bem, se preservar sua qualidade de vida.

A aprovação deve vir para somar à sua vida, não para dividir. De que adianta conquistar um cargo público se, durante a preparação, você deixou totalmente de lado sua família, seu casamento e sua saúde?

Portanto, procure manter uma alimentação balanceada, praticar exercícios físicos e, sobretudo, cuidar do nível de ansiedade, que é um problema enfrentado por muitos concursandos.

Em geral, você passa mais tempo estudando do que imaginava – no entanto, a recompensa é duradoura: a estabilidade de um cargo público.

Felipe Lima ressalta, ainda, que você deve encarar cada ação como um resultado alcançado: “A ação é um resultado. Se hoje você estudou 10 páginas, isso é um resultado. Ou seja, deu certo absorver 10 páginas, amanhã serão 15 e, depois 20. Você acha que só dá certo quando você passa mas, na verdade, dá certo quando você persiste”.

Portanto, se você estuda pelos métodos certos, por bons materiais e, ainda, alimenta-se bem e implementa períodos de descanso, acompanhado de boa convivência familiar, você está conquistando bons resultados.

O coach conclui que, se você evitar os três principais erros na hora de estudar para concurso público, alcançar a aprovação é uma consequência inevitável.

Em síntese, acredite em você. Tenha modelos, inspirações, mas jamais deixe de acreditar em si diante dos feitos alheios. Preserve sua saúde física e mental e persista por meio de bons métodos.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

19 dicas de português para concurso: não erre na ortografia!

Estudar português para concurso público parece um pesadelo. São muitas regras que não seguimos no dia a dia, mas precisamos usar na prova para garantir uma aprovação. A língua mostrada na gramática parece pouco natural e impossível de decorar.

No entanto, não há motivo para tanto desespero. Mesmo que português tenha um peso alto na maioria das provas, estudar para essa matéria não é tão difícil quanto se imagina.

Como prova disso, temos aqui 19 dicas de português para concurso. Venha tirar suas dúvidas!

15 dicas de português para concurso: não se confunda!

Para ajudá-lo em seu plano de estudos  de português para concurso público, selecionamos algumas das questões do idioma que mais confundem os concurseiros, seja na hora de responder às perguntas da prova de Português ou na hora de escrever uma redação para concurso público.

Confira e tire suas dúvidas sobre Português para concurso!

1. “Em vez de” ou “ao invés de”?

As duas expressões são parecidas e, às vezes, parecem significar a mesma coisa. Mas não exatamente: “ao invés de” só pode ser usado quando há uma oposição clara e direta, como em “Ao invés de sair, ficamos em casa”.
“Em vez de” é usado quando há uma substituição, e não uma oposição. Por exemplo: “Em vez de pegar o guarda-chuva, eu peguei um casaco”.
“Em vez de” pode ser usado no lugar de “ao invés de” também, por isso, sempre prefira seu uso, para não correr o risco de errar.

2. “Faz” ou “fazem”?

A conjugação do verbo fazer deixa muitas pessoas confusas quando ele se refere ao tempo decorrido. “Faz dois meses” ou “Fazem dois meses”? A resposta é simples: se “fazer” for impessoal, ou seja, não tiver sujeito, ele fica sempre no singular. Por isso, “faz dois meses que trabalho aqui” estaria certo.

3. “Esquecer-se” ou “esquecer-se de”?

Outra dúvida comum para quem estuda Português para concurso é sobre o uso de Esquecer-se” ou “esquecer-se de”.

Quando o verbo “esquecer” é pronominal, ou seja, acompanhado do pronome “se”, sempre usamos “de” para complementar. Quando não há o pronome “se”, não se usa o complemento.
Por exemplo, “ele se esqueceu do casaco”, ou “ele esqueceu o casaco”.

4. “Ao encontro de” ou “de encontro a”?

Essas duas expressões são muito parecidas e causam muitas dúvidas em quem estuda português para concurso público, mas significam coisas muito diferentes. 

“Ao encontro de” é usado quando duas coisas estão em harmonia, enquanto “de encontro a” significa “ao contrário de”.
Por isso, “minha opinião vai ao encontro da sua” é o oposto de “minha opinião vai de encontro a sua”!

5. “Através” ou “por meio”?

Muitas pessoas acham que essas duas expressões são substituíveis quando estudam português para concurso. Na verdade, de acordo com a gramática, “através” só pode ser utilizado quando houver a ideia de atravessar – como em “eles viajaram através do estado”.
Se você quiser dizer “por intermédio”, deve usar “por meio”: “eles conversavam por meio de mensagens”.

6. “A meu ver” ou “ao meu ver”?

Essa é uma expressão fixa: é sempre “a meu ver”. “Ao meu ver” está errado – por isso, nunca a use na hora de escrever uma redação!

7. “A princípio” ou “em princípio”?

Mais uma vez, essas duas expressões são parecidas e parecem substituíveis, mas significam coisas bem diferentes. “A princípio” é um equivalente de “de início”: “A princípio, achamos que ele estava em casa”.
“Em princípio”, por outro lado, é um equivalente de “em tese”: “Em princípio, devemos sair agora para chegar a tempo”.

8.“Se não” ou “senão”?

Essa é ainda mais difícil para quem estuda português para concurso, porque a única diferença é o espaçamento. “Se não” é usado em condições, como “se não terminarmos agora, podemos terminar amanhã”. “Senão” significa “a não ser”: “ela não fazia nada senão dormir”.

9. “Onde” ou “Aonde”?

Apesar de serem parecidas, essas duas palavras têm uma diferença sutil: “onde” é um lugar onde algo está, como na frase “onde você estuda?”. “Aonde” é um lugar para onde se vai – indica movimento: “ainda não sabemos aonde vamos”.

10. “A” ou “há”?

19 dicas de português para concurso: não erre na ortografia

Quando se usa cada uma dessas palavras? O verbo haver é usado para indicar tempo no passado: “estudo aqui há 3 anos”. O “a” é usado para indicar futuro ou distância: “A reunião é daqui a dois dias”.

11. “Há dois dias” ou “há dois dias atrás”?

Apesar de ser muito usado na fala, “há dois dias atrás” é uma redundância: se tem o “há”, já está marcado que foi no passado e, por isso, não é preciso usar o “atrás”. Então, a forma certa no português é “há dois anos, fiz uma viagem inesquecível”.

12. “Precisa-se” ou “precisam-se”?

A partícula “se” torna o sujeito indeterminado, nesse caso, e não temos como concordar o verbo com um sujeito indeterminado. Por isso, ele permanece no singular: “Precisa-se de voluntários”.

13. “Tem” ou “têm”?

Essas duas palavras são, na verdade, conjugações do mesmo verbo: “tem” é na terceira pessoa do singular – “ele tem” – e “têm” é na terceira pessoa do plural – “eles têm”. Por isso, dependendo da frase, os dois podem estar certos.

14. “Prefiro…do que” ou “prefiro…a”?

Mesmo que, no dia a dia, nós normalmente dizemos “eu prefiro morango do que banana”, essa não é a forma gramaticalmente correta de reger o verbo “preferir”. Na verdade, esse verbo pede a preposição “a”: “eu prefiro morango a banana”.

15. “A nível de” ou “em nível de”?

Por último, outra expressão que sempre traz confusão na prova de português para concurso. “Em nível de” significa “no âmbito”, como “os estudos serão feitos em nível de análise”. “A nível de” significa “na mesma altura”, como quando dizemos que algo está “ao nível do mar”.

A seguir, continuaremos acompanhando dicas valiosas sobre como se preparar para a prova de Português para concurso. Entretanto se a sua maior preocupação é a redação indicamos a leitura do artigo; Como estudar redação para concursos: aprenda a redigir as melhores respostas”. 

Além das dicas de Português para concurso você terá acesso a outras informações importantes para alcançar uma boa nota.

4 dicas gerais de português para concurso

Depois dessas dicas específicas, daremos algumas dicas mais gerais para quem vai estudar português para concurso público e precisa de uma ajudinha. Confira:

1. Invista em boas gramáticas

Gramáticas da língua portuguesa serão seus melhores guias para tirar dúvidas pontuais do idioma e parte essencial do material de estudo para concursos

Alguns editais indicam a gramática que os concurseiros devem usar. Caso o seu não indique, procure por uma gramática recente.

Além da gramática a ser usada, algumas bancas organizadoras de concurso também podem apresentar diferenças sobre a forma de cobrar seu conhecimento sobre Português. Para se preparar para esses casos você também pode acessar os artigos:

2. Saiba o básico

O estudo de um idioma pode ser dividido em algumas categorias. Dentre as que caem na prova, temos:

  • a morfologia – estrutura e classificação de palavras;
  • sintaxe – a disposição de palavras para formar uma frase, um parágrafo ou um discurso;
  • semântica – o significado das palavras

Saber disso já é uma ótima maneira de organizar seus estudos de Português para concurso, mas você também pode estudar outros conceitos básicos: o que é um verbo? O que é um advérbio? O que é um adjunto adnominal?

3. Leia muito

19 dicas de português para concurso: não erre na ortografia

Ainda que você possa estudar português para concurso como estuda outras matérias, tenha consciência de que o melhor jeito de aprender um idioma é em contato com ele. Por isso, se você quer saber mais do português formal e gramaticalmente correto, leia muito, mas de fontes confiáveis, como jornais, revistas ou livros.

4. Lembre-se de que a língua muda

Você pode pegar uma questão formulada em 1980 para estudar matemática, porque suas regras não mudaram desde então.
No entanto, para estudar português para concurso, uma prova do começo dos anos 2000 já está defasada: algumas regras gramaticais se adaptaram aos novos tempos, a ortografia mudou e, num geral, já não falamos exatamente a mesma língua. Procure sempre por materiais de estudo mais recentes e busque sempre revisar os temas estudados!

 

Estudar português para concurso não é um bicho de sete cabeças. Afinal, você já fala essa língua! Deixe os receios de lado e se dedique a aprender mais sobre sua língua materna. Seu esforço será recompensado com uma aprovação!

Quer saber melhor como estudar para concurso público? Indicamos que você conheça o aplicativo Estudaqui. Ele monta seu plano de estudos usando o método de Ciclo de Estudo, criado por Alexandre Meirelles. 

O app monta o seu ciclo automaticamente e o atualiza conforme você avança em sua preparação. 

O ciclo de estudos organiza sua rotina de acordo com o concurso que você irá fazer e suas dificuldades, por exemplo, o português!

O plano de estudos criado é eficiente, personalizado e atende às suas necessidades. Com ele você sabe como, quando e o que estudar. 

O Estudaqui também possui a funcionalidade de controle para que você possa ver o quanto já avançou em seus blocos de estudo e o quanto falta para terminar um ciclo. 

E isso não é tudo! Há estatísticas e métricas especialmente pensadas para que você consiga melhorar o seu estudo diariamente e consiga a aprovação no menor tempo possível!

Conheça mais sobre o Estudaqui. Você pode economizar tempo e otimizar seus estudos.

Agora é hora de colocar tudo isso em prática e boa sorte!

Um abraço, e bons estudos!