Felicidade e serviço público: é possível ser feliz após o concurso?

Se você está estudando para concursos públicos, certamente deve pensar que eu “endoidei” com o título desse artigo. Afinal, a maioria dos concurseiros acreditam que a sua aprovação será a chave da felicidade. Dessa forma, uma combinação de felicidade e serviço público seria inquestionável!

Mas, por outro lado, há uma ideia de que ingressar na carreira pública é, de certa maneira, abrir mão de muitos sonhos e da liberdade para realizá-los.

Essa visão – um tanto pessimista – é muitas vezes apresentada aos concurseiros por amigos, familiares e outras pessoas próximas.

Essa imagem é reforçada, ainda por cima, pela visão que temos de repartições lotadas, com funcionários sérios e mal-humorados fazendo atendimento ao público.

Fato é que a combinação felicidade e serviço público é relativa: não é nenhum pesadelo como muitos que desconhecem o setor acreditam, mas também não é um mar de rosas. Ser servidor público exige muita resiliência, paixão e fé pela profissão escolhida.

Para debater felicidade e serviço público, nada melhor do que ouvir quem conhece a fundo o mundo dos concursos públicos.

Pensando nisso, convidei os mentores de concursos Felipe Lima, Gerson Aragão e Fernando Mesquita para falar sobre felicidade e serviço público. Confira!

“Você passou tantos anos estudando para o seu curso… agora vai estudar para concursos?”

Se tem uma frase que quase todo concurseiro já ouviu foi “Poxa, mas você passou cinco anos estudando para Odontologia/Publicidade/Administração/qualquer que seja o curso e agora vai estudar para concurso?”.

É realmente difícil para muitas pessoas entender a escolha de um concursando, principalmente após cursar uma graduação diferente do concurso a ser prestado.

No entanto, é importante não se deixar levar pelos comentários pessimistas e aprender a encontrar a felicidade profissionalmente.

É preciso encontrar prazer no trabalho que você faz, mesmo que seja transitório

O master coach Felipe LimaO master coach Felipe Lima ressalta que hoje, não é incomum vermos as redes sociais bombardeadas por comemorações quando chega a sexta-feira. São muitas a pessoas que ficam felizes em dizer que #sextou.

Entretanto, ele é enfático: se você não gosta de viver de segunda a quinta-feira, você não gosta da sua vida.

Ele acredita que, no serviço público, é possível encontrar felicidade e calmaria diante de algumas reflexões.

Se você está exercendo um cargo de “concurso escada” – ou seja, um intermediário para o concurso que tanto almeja, é importante ser feliz pela tranquilidade que está tendo para continuar perseguindo seus sonhos.

Ele aponta que, para os profissionais que estão no “concurso escada”, é necessário ter cuidado para não “minar” a felicidade.

Isso é, busque sempre ter coragem para continuar estudando para que, assim, você possa alcançar seu sonho e ser feliz.

Felicidade e serviço público é possível, desde que você entenda qual é seu perfil

O mentor e defensor público Gerson AragãoPara que você não se frustre com as suas escolhas profissionais, o defensor público Gerson Aragão é enfático: “dá para ser feliz, desde que você exclua algumas coisas que você vê que não tem perfil nenhum”.

Ele exemplifica que é feliz na defensoria pública pois neste cargo ele consegue trabalhar com habilidades que gosta e possui, como dialogar e acolher as pessoas.

Já para concurseiros de perfil introspectivo, por exemplo, a defensoria pública não seria fonte de felicidade como é para ele.

Gerson também aponta que a frustração após a aprovação é irrevogável: “é possível fazer outras atividades no horário livre”.

Eu, Alexandre, por exemplo, busco conciliar o serviço público com a minha carreira de mentor de concursos. Sou apaixonado por ajudar pessoas e, assim, sou feliz além do trabalho como Auditor Fiscal.

A grande consultora de concursos Lia Salgado é um exemplo disso! Antes de estudar para concursos, ela mantinha um ateliê de arte. No entanto, a atividade não gerava renda o suficiente para mantê-la e seus quatro filhos.

Logo, para garantir a estabilidade financeira, ela decidiu estudar para concursos. No entanto, depois que passou para fiscal na prefeitura do Rio de Janeiro, ela manteve a atividade artística como lazer.

Gerson também destaca que sempre é possível prestar novos concursos em caso de insatisfação.

Você não precisa deixar de fazer outras coisas que você gosta para ser servidor público

O mentor de concursos Fernando MesquitaHoje um dos servidores públicos mais reconhecidos na internet, sobretudo no Youtube, Fernando Mesquita revela que ser servidor público nunca foi seu sonho.

Mas, mesmo seguindo a carreira pública e nela se encontrando, Mesquita reforça que nunca deixou de fazer as coisas que lhe dão prazer: “eu não deixei de escrever, fotografar, filmar e fazer todas as coisas que me motivam”.

No entanto, ele aponta que felicidade e serviço público é uma relação possível, desde que você não abra mão do que te satisfaz.

Além disso, Fernando discorda do ditado que diz que “trabalhe com o que você gosta e você nunca precisará trabalhar na vida”.

Mesmo que você exerça uma carreira que adore, ainda assim você precisará lidar com coisas que não se identifica.

É comum que criemos uma visão de que há o trabalho perfeito – e não existe! “A gente fica buscando aquele trabalho que você irá se deleitar todos os dias – e ele não existe”, explica Mesquita.

É importante lembrar que a dedicação ao trabalho com o serviço público compreende até oito horas do seu dia. E o que você fará com as outras 16 horas?

Felicidade e serviço público é questão de identificação com a profissão, mas também é fruto de encontrar alegria também em hobbies, nos momentos em família e em projetos paralelos.

“Muitas vezes as pessoas depositam toda a sua expectativa de felicidade no emprego, mas as pessoas não devem depositar toda sua expectativa de felicidade em nada e em ninguém”, esclarece Fernando.

Servidores por vocação também precisam entender que o trabalho é só parte da vida deles

Mesmo para aqueles concurseiros por vocação – ou seja, pessoas que “nasceram” para ser policiais, fiscais, bancários, entre outros, é necessário não acreditar que o trabalho define a sua felicidade integralmente.

O trabalho é apenas uma parte da sua vida. Mesmo para as pessoas que são “ultravibrantes” com a sua carreira, elas têm que entender que o trabalho é apenas uma variável na construção da felicidade.

O serviço público te tira um volume de preocupações e problemas

Eu, Alexandre, por estar na carreira pública há mais de 20 anos, posso afirmar que o serviço público abre caminho para a felicidade na medida em que te oferece tranquilidade.

A boa remuneração e a estabilidade acabam com as preocupações com contas, sustento familiar e outros fatores básicos.

No entanto, não é só de sustento que vive o homem! É sempre necessário estar em busca de algo que te proporcione realização pessoal.

O seu trabalho não te impede que você se mexa para realizar outros sonhos. Eu tenho colegas que, além do trabalho de fiscal, também são motociclistas, alpinistas, planejam viagens etc.

Tenha coragem de dar um passo a mais!

Felicidade e serviço público também é questão de ousar. Há vários colegas que estão frustrados em sua profissão por terem tido medo de alçar voos maiores.

Por exemplo, temos na área Fiscal técnicos que, na verdade, desejavam ser analistas, analistas que desejavam ser auditores, mas que nunca deixaram o “concurso escada”.

Eu gosto de fazer uma analogia com a vista do Pão de Açúcar, ponto turístico do Rio de Janeiro – RJ.

Para você ter uma ideia, lá há dois tipos de passeio possíveis de fazer: primeiro, a subida para o Morro da Urca, que é mais fácil e te proporciona uma bela vista.

No entanto, para chegar ao Pão de Açúcar, é necessário enfrentar uma fila para o bondinho, o segundo passeio.

Muitos se contentam com a vista do Morro da Urca, por preguiça de enfrentar o desafio do bondinho. Mas poucos sabem que, do topo do Pão de Açúcar, a vista é ainda mais bonita.

Ou seja, felicidade e serviço público também é questão de inconformismo. Ou seja, se você parar em um estágio que antecede seu sonho, a chance de se frustrar é grande.

Não escolha a área do seu concurso pela facilidade de passar

Felicidade e serviço público também é uma combinação resultante da identificação com o trabalho que você exerce.

Muitas vezes, as pessoas escolhem a área para a qual vão prestar concurso pela facilidade de ser aprovado, e não pela vocação. Isso é um erro!

Não limite o seu sonho pelo nível de dificuldade – proponha-se a lutar pela carreira que te deixará mais realizado.

Você deve tentar ao máximo ser feliz com o que está fazendo hoje!

Fernando Mesquita reforça que é importante você buscar ter uma atitude positiva com o que você exerce atualmente.

Se a insatisfação virar rotina, você dificilmente terá forças para mudar o que te incomoda.

“Se você tenta ser feliz, embora insatisfeito, você terá energia para mudar”, conclui Fernando.

O importante é controlar a ansiedade – seja com ajuda profissional – a fim de ter força para lutar pelos seus sonhos.

Por fim, concluímos que para que felicidade e serviço público seja uma combinação possível, é obrigatório se manter sempre desafiado.

A estabilidade deve ser vista como um bônus, e não como um motivo para estagnação. Além disso, não deposite todas as suas fichas no seu emprego – busque diferentes fontes de satisfação pessoal!

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Entenda a relação entre ensinar e aprender e melhore seu desempenho

Para pensar na relação entre ensinar e aprender, podemos considerar que um não necessita do outro para ocorrer, porém, mutuamente, podem ajudar a conseguir bons resultados.

Mas como você pode ensinar e aprender em sua rotina como concurseiro? Neste post, vamos falar de formas que você pode aderir para colocar seu aprendizado em prática, ajudar outras pessoas e, de quebra, aprender um pouco mais.

Confira nossas dicas e bons estudos!

Por que ensinar e aprender estão relacionados?

Quando estamos aprendendo alguma coisa – seja uma disciplina para um concurso público ou uma habilidade do dia a dia, como cozinhar – raramente pensamos que somos bons o suficiente para ensinar. Afinal, só pode ensinar quem tem um domínio completo sobre o assunto, certo?

Não exatamente. Ainda que professores devam ser profissionais com um conhecimento amplo, e não apenas alguém que entende parte de uma disciplina, não são apenas professores que podem ensinar em situações informais e rotineiras. Na verdade, quando se trata de concurseiros e outros estudantes, ensinar e aprender podem andar de mãos dadas todos os dias.

Você pode aprender mais enquanto ensina por dois motivos:

Praticar enquanto ensina

Quando você explica algo para alguém, tendo que formular nas próprias palavras o que aprendeu anteriormente, você consegue garantir que entendeu de fato tudo o que precisava entender. Falar em voz alta, anotar, explicar e construir raciocínios lógicos são maneiras de praticar o que já foi aprendido.

Além disso, repassando exercícios, você fixa melhor as respostas e, ajudando outras pessoas a resolvê-los, você desenvolve uma facilidade em responder questões e problemas.

Compartilhamento de dúvidas

Quando você ensina uma matéria para alguém, podem surgir dúvidas que você não teve antes. Pensando nas respostas para essas questões, você presta atenção em detalhes que tinham passado em branco, cria uma compreensão mais ampla da matéria e descobre fatos que ainda eram desconhecidos – além de ajudar outra pessoa a resolver as próprias dúvidas.

Aprendizado direto

Muitas vezes, alunos que estudam para concursos públicos fazem essa troca de ensinar e aprender com seus colegas de curso ou amigos que também estão estudando. Você pode ensinar uma matéria e, em retorno, seu amigo ensina outra, e vocês dois terminam sabendo muito mais do que sabiam antes.

Dois jovens ensinando, aprendendo e trocando conhecimento

Maneiras de ensinar e aprender

O problema é que, quando queremos ensinar para aprender melhor enquanto estudamos para concursos públicos, nenhuma alternativa parece muito natural. Como foi dito antes, muitos estudantes não confiam o suficiente em seus conhecimentos para ensinarem o que aprenderam.

Mas ensinar não precisa ser algo grandioso, em sala de aula, com um quadro à disposição e todo o conhecimento sobre a disciplina. Veja algumas dicas de como você pode ensinar e aprender com facilidade:

Entenda a estrutura de uma aula

A melhor maneira de ensinar uma matéria, seja para quem for, é ter uma aula preparada. Você não precisa entender todos os princípios da preparação de aula, mas saber ao menos alguns fatores básicos pode ajudá-lo a manter uma estrutura.

Comece organizando o conteúdo a ser estudado. Você pode fazer isso respondendo a algumas perguntas simples:

  • O quê? – qual é a matéria em questão? Pode ser um evento histórico, uma fórmula matemática, uma lei, uma regra gramatical, etc. Isso varia de acordo com a área estudada no momento.
  • Como? – como isso acontece? Aqui entram motivações e meios para o evento, fórmula, lei ou acontecimento em geral.
  • Por quê? – por fim, anote os motivos que levaram ao que você está estudando.

Esse método de organização talvez não sirva para todas as matérias, e pode ter que ser ajustado para ser aplicado a outras, mas é uma boa base para começar.

Depois, pense em uma conclusão para esse assunto, pensando em quais foram os resultados dessa ação, o que foi influenciado por esse acontecimento e quais outras matérias se relacionam a ele.

Para se aprofundar ainda mais, prepare exercícios a serem resolvidos que tenham a ver com a matéria.

Ensine para você mesmo

Estudar sozinho parece difícil e, para muitas pessoas, é quase impossível de ser feito. Mas que tal mudar sua perspectiva sobre o assunto e ser seu próprio professor? Você pode organizar uma aula, como foi dito acima, e utilizá-la para si mesmo.

Fale em voz alta, faça anotações – em um quadro ou folha de papel –, faça perguntas, resolva exercícios, pesquise para tirar suas dúvidas, etc. Isso pode parecer uma brincadeira ou um teatro, mas esse tipo de estudo, interativo e dinâmico, pode melhorar muito o aprendizado!

Tenha um grupo de estudos

Ensinar e aprender não precisam ser algo fixo, mas também pode ser uma experiência dinâmica e divertida. Se você faz um curso preparatório para concurso público, ou apenas conhece outras pessoas que estão estudando, convide seus colegas e amigos para fazer um grupo de estudo.

Em um grupo de estudo, além de você pode socializar e conversar com seus amigos, também pode compartilhar dúvidas, resolver questões, ensinar e aprender o tempo todo. Fica muito mais fácil e prazeroso estudar em um ambiente assim! Mas esse grupo é para ser reunido em poucos dias, quinzenalmente, por exemplo, nada de querer reunir sempre porque isso o fará estudar bem menos que o devido.

Ensine para um amigo

Um dos seus amigos estudantes está com dúvidas em uma matéria? Ou tem dificuldades em uma disciplina em que você é muito bom? Que tal se oferecer para ajudá-lo a estudar? Assim, você fixa a matéria e ainda ajuda seu amigo a se dar melhor na prova.

Ajude outros estudantes

Você não precisa dar uma aula para ensinar: basta ajudar alguém a tirar suas dúvidas. Um bom jeito de fazer isso é procurando fóruns e grupos online em que outros concurseiros conversam e postam suas dúvidas.

Método de Estudo, por exemplo, tem um grupo secreto no Facebook para seus alunos. Você só precisa entrar lá, ver as dúvidas que seus amigos concurseiros estão postando e ajudá-los a resolver.

Você pode utilizar esse material para revisar a matéria ou passá-lo para outras pessoas que também estão estudando – e, assim, você pratica a matéria e acaba ensinando.

Ensinar e aprender andam de mãos dadas em um ciclo: quanto mais você aprende, mais tem para ensinar; e quanto mais ensina, mais aprende. Ensine a si mesmo, aos seus colegas, aos amigos, e aprenda sempre mais!

Melhore seu conhecimento com a Liga da Aprovação

A Método de Estudo tem um módulo sobre ensinar e aprender em sua Liga da Aprovação. Venha saber mais!

Abafador de ruído para concurseiros: qual é o modelo recomendado?

A tão sonhada tranquilidade na hora de estudar nem sempre é recorrente e o momento, muitas vezes, não segue um script. Em muitos casos, é necessário lidar com barulhos da vizinhança, da família, dos animais de estimação, entre outros incômodos. Para evitar essas perturbações, eu recomendo um abafador de ruído para concurseiros.

Você pode até achar que indicar abafador de ruído para concurseiros é um exagero. Afinal, é realmente necessário isolar o som?

Para se ter uma ideia, a Organização Mundial da Saúde classificou a poluição sonora em terceiro lugar no ranking de problemas que mais comprometem a saúde e o bem-estar da população.

No ambiente urbano, principalmente, somos desafiados a lidar com barulhos provenientes de inúmeras fontes sonoras, tais como meios de transporte, atividades de lazer, de obras e de indústrias.

Dessa forma, você não vai querer que tantos barulhos afetem o seu desempenho nos estudos, prejudicando até a sua aprovação, não é?

Pensando nisso, elaborei esse artigo com as minhas principais recomendações de abafador de ruído para concurseiros. Continue a leitura!

Os meus modelos favoritos de abafador de ruído para concurseiros

Quando eu estudava para concursos, sempre tive o hábito de usar um abafador de ruído. Assim, independente do ambiente, eu conseguia manter um bom nível de concentração.

Ainda hoje, eu costumo utilizar abafadores, seja para me concentrar em uma leitura, seja na escrita de um artigo, entre outras atividades.

Sendo assim, vou listar para vocês alguns dos modelos que eu tenho ou que conheço e que são realmente de alta qualidade. Confira!

Peltor H10A

Esse modelo é de alta qualidade, eu comprei nos Estados Unidos, no site da Amazon, por cerca de U$ 18,00.

Aqui no Brasil, o valor médio do modelo varia de R$ 200,00 a R$ 250,00. Não é um preço baixo, pois trata-se de um modelo de excelência.

O Abafador Peltor H10A garante proteção nos ambientes mais exigentes e com alto nível de ruído.

De acordo com a descrição do produto, o seu design exclusivo “double-shell”(duas conchas conectadas por uma camada interna de espuma) melhora a redução de barulhos até nas baixas frequências.

Abafador de ruído para concurseiros: Peltor H10A

As conchas também são leves e mais resistentes ao impacto e à abrasão, garantindo maior durabilidade em ambientes abrasivos.

Além disso, suas hastes de aço mola inox acima da cabeça mantêm a pressão constante mesmo depois de muito tempo de uso, obtendo vedação e bom nível de proteção por mais tempo.

Em contrapartida, é claro que as desvantagens do modelo são: preço e peso. Esse modelo tem a tendência de pesar na cabeça após algumas horas estudando.

Para adquirir, o site recomendado é o da fabricante 3M. Para acessar, é só clicar aqui.

Lá há uma série de representantes que vendem o abafador de ruído para concurseiros, com preços variados.

Brasfort Ca 33055

Há ainda uma versão mais acessível do Peltor H10A. Esse é o Brasfort Ca 33055.

Enquanto o anterior abafa até 27 decibéis, este garante o abafamento de 19 a 20 decibéis.

Apesar de “perder” em termos de abafamento, este modelo é vantajoso no preço e na leveza.

Abafador de ruído para concurseiros: Brasfort Ca 33055

É possível comprá-lo por R$ 25,00 a R$ 35,00 e ele não deixa a sua cabeça doendo após horas de estudo.

Você encontra o modelo em grandes lojas como Magazine Luiza, Extra e Lojas Americanas.

Modelos tradicionais, de cordinha

Esse é o modelo mais comum: o abafador de ruído para concurseiros com duas pontinhas de borracha presas por uma cordinha, semelhante a um fone de ouvido.

Esse modelo é simples, vendido em qualquer loja de artigos de segurança do trabalho, por exemplo.

No próprio site da 3M e no Mercado Livre, você pode encontrar uma série de lojas e vendedores que comercializam este modelo de abafador de ruído para concurseiros.

Ao adquirir este modelo, não jogue a caixinha de plástico fora, ela é essencial para garantir a integridade do dispositivo.

Abafador de ruído para concurseiros: modelo simples

Ao introduzir a borrachinha no ouvido, é possível abafar cerca de 16 a 18 decibéis.

É importante saber introduzi-lo e retirá-lo para não prejudicar a saúde do seu tímpano! Por isso, procure até mesmo tutoriais para entender como colocar da forma correta.

Mantenha-o sempre limpo, lavando-o puramente com água e, depois, guardando na caixinha.

Ohropax

Este é um modelo diferente de abafador de ruído para concurseiros. É de um fabricante alemão e eu adquiri pela Amazon estadunidense e não vi em lojas brasileiras – a não ser no Mercado Livre.

Os abafadores Ohropax são bem confortáveis devido ao seu tipo de material (cera coberta com algodão).

Eles se adaptam bem a todos os tamanhos de ouvido e têm um ótimo nível de redução de ruído – cerca de 23 decibéis.

Abafador de ruído para concurseiros: Ohropax

O modelo também vem com uma pequena caixinha para guardar após uso – assim como no anterior, utilize-a para guardar.

Cada caixa contém seis pares de abafadores e pode ser encontrada no Mercado Livre por cerca de R$ 94,00.

Todos esses tipos de abafadores de ruído para concurseiros foram utilizados por mim, logo, dou a minha palavra de que são modelos de qualidade e que cumprem com o objetivo.

É importante ressaltar que o uso de abafador é um costume. No início, irá parecer incômodo mas, aos poucos, você verá que usá-lo é muito mais agradável que estudar em meio ao barulho.

Você conhece algum outro abafador de ruído para concurseiros e gostaria de recomendar? Deixe sua sugestão nos comentários!

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Técnica de chute para concursos: uma carta na manga na hora da prova

Conhecer uma técnica de chute para concursos é algo que pode ser útil na hora da prova. A verdade é que pequenos macetes relacionados ao concurso que está prestando, desde maneiras de se acalmar até o que fazer quando você não faz ideia da resposta, ajudam a se sentir mais seguro e, quem sabe, ganhar alguns pontos extras no resultado final.

Uma dica para você estar alinhado às dicas mais recentes do universo dos concursos é fazer parte de uma das Ligas de Aprovação da sua área de concentração, seja fiscal, policial, tribunais, entre outras .

Mas, voltando à técnica de chute para concurso,  no texto de hoje, vamos apresentar algumas das técnicas de chute mais famosas entre os concurseiros, deixando claro quando e como você pode utilizá-las.

Depois, vamos relembrar  os principais cuidados para o dia da prova e dicas para fazer boa prova de concurso, para que você não precise sair chutando todas as respostas. Venha conferir!

Quando usar a técnica de chute para concursos?

Toda prova traz consigo uma carga de tensão e sabemos que muitos temas não nos dão plena segurança mesmo tendo estudado muito. Quando não sabemos como responder a questões de concurso públicos e não queremos deixar a prova em branco, procuramos por maneiras coerentes de dar a resposta. Mesmo assim, usar técnicas de chute para concursos públicos pode deixar muitas pessoas inseguras.

Quando essas técnicas podem ser usadas? Elas realmente funcionam? 

A resposta para a primeira pergunta é simples: só chute a resposta em questões de múltipla escolha e quando você não tiver ideia de qual é a alternativa certa.

Essa é a condição para usar qualquer tipo de técnica de chute. Não pense nela como uma forma de responder na prova, mas sim como uma última carta na manga para sacar quando você não tiver outra opção.

Se você tiver alguma vaga ideia ou um palpite sobre a resposta, vá pela sua intuição. Se estiver em dúvida entre duas alternativas, você pode usar o chute para decidir entre as duas – mas mesmo assim, essa não é uma escolha fácil, é possível criar pensamentos lógicos que te auxiliem na resposta.

Mas usar uma técnica de chute para concursos realmente funciona? 

A única resposta que podemos dar, com certeza, é que é melhor chutar e ter a chance de estar certo do que deixar a resposta em branco e não ter chance alguma.

Por isso, use o chute apenas quando a outra opção for deixar a questão em branco.

Não conte com ele para acertar todo o necessário para passar na prova, mas sim para, quem sabe, ganhar alguns pontos extras no final.

Agora, vamos apresentar algumas técnicas de chute que podem ajudá-lo nessas situações. Continue sua leitura!

Técnicas de chute para concursos: conheça alguns macetes

Algumas das dicas para prova de concurso que listamos abaixo não são necessariamente técnicas, mas macetes e curiosidades gerais de como as provas costumam ser feitas, que podem ajudá-lo a dar um bom chute e, quem sabe, ganhar um ponto a mais no final.

Confira essas dicas e as use com cautela!

Analise a construção da resposta na questão

Muitas vezes, a resposta certa usa palavras do enunciado, como se estivesse repetindo o que está sendo dito. Isso é para parecer uma pegadinha e deixar os concurseiros com a pulga atrás da orelha. Por isso, quando não souber a resposta, escolher essa alternativa é uma técnica de chute para concurso, que pode dar certo.

Duvide de respostas categóricas

Em matérias da área de Humanas – e também em algumas Exatas e Biológicas –, é muito difícil que algo seja categórico e definitivo. Desconfie de alternativas com palavras como:

  • “sempre”;
  • “nunca”;
  • “jamais”;
  • “sem exceções” e outras do tipo, normalmente, estão incorretas.

Já alternativas que contêm palavras como “excetuando” ou “geralmente” têm uma tendência maior de estarem certas.

A alternativa A

Por ser a primeira resposta que os alunos vão ler, muitos preparadores de prova para concursos consideram fácil demais colocar a resposta certa na letra A. Leia com bastante atenção antes de marcar a alternativa A, pois ela pode conter alguma pegadinha.

Respostas absurdas

Uma boa técnica para eliminar algumas possíveis respostas é tirar do caminho aquelas alternativas que fogem da lógica ou do bom senso.

Quando se deparar com uma resposta absurda, risque-a e considere apenas as outras.

Técnica de chute para concurso

 

Atente-se às respostas muito longas

Essa é uma técnica de chute para concurso que funciona bem com questões de Direito ou Legislação. Nessas áreas, costuma ser preciso explicar bem as alternativas corretas para não ter nenhum risco de a questão ser anulada posteriormente. Por isso, nessas matérias, quando você não souber a resposta, marcar aquela que for maior pode ser uma boa escolha.

Leia também: Quando mudar de área de estudo para concursos públicos?

Assuntos desconhecidos

Se você estudou para o concurso e, mesmo assim, sente que nunca ouviu falar do que está escrito em alguma das alternativas, é possível que ela seja algo inventado por quem preparou a prova. Na dúvida, coloque-a como incorreta.

Número de questões

É provável que, na hora de preparar a prova, os examinadores tenham distribuído bem o número de alternativas corretas para cada letra. Digamos que sejam 25 questões, cada uma com 5 alternativas – de A a E. Com isso em mente, podemos dizer que, entre as respostas certas, 5 são alternativa A, 5 são alternativa B, 5 são alternativa C etc.

Por isso, quando você não souber mais qual é a resposta certa, não conseguir seguir nenhuma das dicas anteriores, uma boa dica é contar quantas respostas de cada letra você marcou e chutar as questões que estiverem em branco nas letras menos marcadas. Estatisticamente, você tem uma chance de estar certo. Contudo, isso só vale quando você foi muito bem nas demais questões, então se você resolveu outras questões com pouca convicção, esta técnica não ajudará muito.

Cada técnica de chute para concursos pode ser aplicada em um caso específico. Você deve ter cuidado para compreender qual é a melhor técnica para o caso da prova que está fazendo.

Qual é a melhor maneira de acertar as questões em um concurso público?

Se você chegou até a este texto procurando uma forma infalível de responder a todas as questões da prova, esta é sua resposta: estude!

Mesmo sabendo todas essas técnicas de chute para concurso, elas continuam sendo apenas um apoio para momentos de incerteza.

A única maneira de ter certeza das suas respostas é, de fato, criando um plano de estudos para concurso, que faça com que você aprenda as matérias.

A técnica de chute para concursos é apenas um conhecimento a mais, assim como aquele que você vai adquirir lendo e respondendo a questões de provas anteriores, o que vai fazer você ganhar experiência de prova.

Eles são um bom apoio para quem quer fazer um concurso, mas não garantem nenhuma resposta certa.

O que pode garantir sua aprovação, no entanto, é:

  • Leia o edital do concurso com cuidado para saber de todos os requisitos necessários, regras da prova e assuntos que vão cair. Você pode começar a estudar sem edital publicado, mas deve recorrer a ele quando for disponibilizado;
  • Organize sua rotina de estudos para que estudar se torne um hábito, algo que você faz com frequência e naturalidade;
  • Faça o possível para que os estudos sejam mais divertidos, estimulantes e prazerosos, seja tirando suas dúvidas em grupo uma vez por semana ou comprando materiais diferentes. Duas sugestões aqui: conheça o ciclo de estudos para concursos e faça parte da Liga da Aprovação da sua área;
  • Tente utilizar materiais diversos para aprender, e não apenas livros e apostilas;
  • Esteja sempre a par de assuntos atuais que possam cair na prova;
  • Resolva questões de concursos antigos para praticar e entender que tipo de pergunta será feita na prova;
  • Compreenda as particularidades de matérias como Matemática, Legislação e Informática;
  • Coloque os estudos como sua prioridade e não deixe outros assuntos interferirem no seu sucesso;
  • Evite distrações que possam tirar seu foco e atenção enquanto você estuda;
  • Sempre mantenha seu objetivo em mente, relembrando sobre porque você estuda para concurso e foque em suas metas.

Quer saber mesmo como ser aprovado? Uma solução é recorrer ao “Curso Pilares da Aprovação”. Com ele você vai aprender:

  • como os certames funcionam;
  • quais materiais ou cursos adquirir;
  • como organizar seu estudo;
  • como administrar seus recursos financeiros.

Seguindo essas dicas, você vai precisar bem menos de técnicas de chute para concurso , porque vai saber, de fato, a resposta certa para as perguntas.

Lembre que a técnica do chute para concursos públicos é apenas um truque, uma carta na manga que você pode puxar quando não tiver mais ideia do que fazer. Não se apoie nela para garantir a aprovação!

No texto acima, falamos algumas vezes da Liga da Aprovação como uma opção para quem deseja realmente se preparar para as provas, receber dicas e tornar o aprendizado menos cansativo e mais eficiente.

A Liga oferece um treinamento completo de como estudar para concursos. Atenção, nós não somos um coaching para concursos, somos uma mentoria que permite que cada aluno desenvolva seus estudos de maneira única e personalizada, para que sua aprovação seja apenas uma consequência e aconteça no menor tempo possível!

Faça parte da liga da aprovação em concursos públicos

Quer aprender mais sobre técnicas de chute? Esse é um dos tópicos abordados no treinamento do Método de Ensino! Venha saber mais em nosso site!

Concurso da Receita Federal: como se preparar para a prova?

O Concurso da Receita Federal é um certame muito aguardado pelos concurseiros e que pode ter o edital publicado no próximo ano.

Isso porque a Receita Federal encaminhou um novo pedido de realização de concurso público (Concurso Receita Federal 2018).

Anteriormente solicitado com 2.153 vagas, agora o pedido conta com nada menos que 5 mil vagas, para funções de Auditor Fiscal, Analista Tributário e Assistente Técnico Administrativo.

Dessa forma, para os cargos de analista e auditor, os interessados deverão ter nível superior em qualquer área, para fazerem jus a salários de R$ 11.132,21 e R$ 19.669,01, respectivamente.

Além disso, o regime estatutário, que garante estabilidade, e as remunerações informadas já incluem o auxílio-alimentação, de R$458, fazendo com que o concurso seja ainda mais atraente e  concorrido.

Assim, se você já estudar para o Concurso da Receita Federal ou quiser embarcar nessa jornada de preparação para um dos certames mais renomados da área fiscal, continue a leitura.

Vou reunir alguns conselhos para se preparar para o certame e conquistar a tão sonhada estabilidade. Confira!

O Concurso da Receita Federal vai sair mesmo?

Em 2017, o Secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, destacou a necessidade de realização de um novo concurso público, durante reunião para tratar dos interesses da categoria.

Segundo dados de junho de 2017, o déficit é de 10.122 analistas, o que equivale a 60% do quadro.

Essas circunstâncias somam-se, ainda, ao fato de que o órgão não realiza concurso para o cargo de analista desde 2012.

Assim sendo, o momento é de intensificar os estudos e se preparar para a batalha que se aproxima, a fim de conquistar a tão sonhada estabilidade.

Como definir os melhores materiais de estudo para a RFB?

Se tem uma coisa que me orgulho no Método de Estudo é orientar os concursandos da área fiscal para estudar pelos melhores materiais.

Dessa maneira, se você quiser estudar com firmeza para o concurso da receita federal, a minha recomendação é baixar e adquirir a Bibliografia da Área Fiscal, disponível gratuitamente aqui no site.

É muito importante que você tenha foco e estude em materiais voltados para a preparação de concursos públicos.

Em suma, esqueça livros didáticos ou diferentes livros, de autores diversos, que tratam do mesmo assunto.

Como eu começo a estudar para o Concurso da Receita Federal? Qual cargo escolher?

Se você está dando os primeiros passos na jornada de estudos para o Concurso da Receita Federal, a primeira análise que deve fazer é se o cargo de Analista irá te satisfazer – pelo menos em um primeiro momento.

Isso porque além de ser um cargo muito bom em termos de salário e estabilidade, para o Analista cai um subconjunto de disciplinas cobradas para o cargo de Auditor Fiscal da Receita Federal.

Logo, eu acho prudente cumprir, em um primeiro momento, todo o conteúdo para Analista da Receita Federal.

Há pessoas que aconselham estudar logo todo o conteúdo para Auditor, porque assim você estará cumprindo o conteúdo para Analista.

Entretanto, eu, particularmente, acho essa postura uma furada, porque você não sabe quando irá sair o edital.

Logo, você pode ser pego de surpresa pela publicação do edital enquanto estiver estudando Auditoria, Análise de Balanços e Contabilidade Avançada e outras disciplinas cobradas só para o cargo de Auditor Fiscal.

Dessa forma, você não estaria nem preparado para tentar o cargo de Analista e, muito menos, para Auditor Fiscal.

Por fim, se você primeiro conquista o cargo de Analista da Receita ou pelo menos já ter estudado o conteúdo dele, você terá tranquilidade o suficiente para estudar, posteriormente, para o cargo de Auditor da Receita ou de um ICMS bacana.

O cargo de Analista da Receita não me satisfaz. E agora?

Se você, por exemplo, já ocupa um cargo de fiscal de ICMS ou qualquer outro que te ofereça uma estabilidade e remuneração tão boas quanto o cargo de Analista da Receita Federal, talvez não compense prestar o concurso para Analista.

Nesse caso, você deve desconsiderar o conselho anterior e, aí sim, partir para o cumprimento das disciplinas exigidas para Auditor da Receita Federal.

Como eu começo a estudar para o Concurso Receita Federal?

Você deve, primeiramente, começar a estudar pelas disciplinas básicas da área fiscal. São elas:

  • Português;
  • Direito Tributário;
  • Direito Constitucional;
  • Direito Administrativo;
  • Raciocínio Lógico;
  • Contabilidade Geral – até DRE (Demonstração do Resultado do Exercício);

Para começar a estudar para concursos da área fiscal você deve optar por seis a oito disciplinas, no máximo.

Dessa forma, conforme você for terminando cada uma delas – ou seja, a primeira passada de estudo completa no seu material de estudos – você pode inserir uma nova disciplina.

Não menospreze português! Os concurseiros costumam achar que, por ser a nossa “língua materna”, o português é moleza.

No entanto, a língua reúne diversas regras, condições e detalhes que podem, sim, te confundir e atrapalhar o sonho da aprovação.

Portanto, cuidado! Assim como as disciplinas específicas, a Língua Portuguesa demanda dedicação e atenção para ser estudada.

Eu tenho um material em PDF para Auditor. Como estudo para Analista?

Se você tem em mãos um bom material em PDF, por exemplo, para o cargo de Auditor da Receita Federal, a minha recomendação é fazer um comparativo com o conteúdo para Analista e pular as disciplinas e assuntos excedentes (só cobrados para o cargo de auditor).

Sendo assim, as aulas e assuntos que estão “a mais” no conteúdo de Auditor, você deve reservar para estudar só se houver tempo até o edital, após concluir o conteúdo de Analista.

Além disso, é importante ressaltar que você deve sempre se orientar pelo edital do último concurso realizado.

O último concurso receita federal para Analista foi em 2012, logo, você deve guiar-se por ele, mas obviamente com o conteúdo atualizado, ou seja, com qualquer acréscimo que a disciplina tenha sofrido.

As disciplinas de Exatas são muito importantes para o Concurso da Receita Federal

Ao estudar para qualquer cargo do concurso da Receita Federal é importante reservar um bom número de horas para se dedicar às disciplinas de Exatas.

Para isso, comece com Matemática Básica. No edital da Receita Federal, é chamado de Raciocínio Lógico uma série de conteúdos da área de exatas, como:

  • Matemática Financeira;
  • O próprio Raciocínio Lógico (tabela verdade, proposições);
  • Matemática do ensino médio, como equações, geometria e matrizes;
  • Estatística Descritiva;
  • Estatística Inferencial.

Se você ainda tem dúvidas e receios com Matemática Básica, escrevemos um artigo sobre matemática básica para concursos.

Se você não criar uma base forte em Exatas, não adianta. Dessa forma, invista no estudo dos conceitos básicos de matemática para conseguir um bom desempenho no concurso da Receita.

Das disciplinas acima, eu sugiro deixar a Estatística para o final – seja para o cargo de Analista ou para o cargo de Auditor.

Vá inflando o seu ciclo de estudos!

Conforme você for terminando cada uma das seis disciplinas básicas do concurso da Receita – ou seja, a primeira passada de estudo completa no seu material de estudos – você pode inserir uma nova disciplina.

Nesse caso, é só diminuir a carga horária da disciplina que você está terminando e inserir uma nova.

Sendo assim, aos poucos que você vai inflando seu ciclo de estudos e aumentando o seu nível de estudo, gradativamente.

Conforme for aprendendo, não abandone a disciplina – apenas reduza a carga horária dedicada a ela!

Assim, reduza a carga das estudadas e inclua novas. Eu recomendo incluir, aos poucos, as seguintes disciplinas:

  • Administração;
  • Auditoria (se for prestar Auditor);
  • Direito Previdenciário;
  • Legislação Aduaneira;
  • Legislação Tributária.

Devo assistir a aulas para o concurso da Receita Federal?

A fim de otimizar seu tempo de estudo, você deve assistir a aulas para concursos apenas das disciplinas que você tem extrema dificuldade!

Se você está apresentando déficit em Exatas, é necessário investir em aulas para disciplinas como:

  • Contabilidade;
  • Estatística;
  • Matemática.

Mesmo para os formados em Contabilidade, as aulas dessa disciplina são recomendadas. Isso porque, além de complexo, o conteúdo é muito extenso e, por isso, a orientação de um professor irá facilitar o aprendizado.

Busque, preferencialmente, cursos cujos professores tenham uma excelente didática para ensinar quem não tem base.

Outra disciplina que muitos acreditam não precisar estudar tanto é Português, conforme já comentamos. Ledo engano. Muitas vezes, um cursinho dessa disciplina vem muito a calhar.

Para se ter uma ideia, consegui listar aqui no blog 13 erros de português mais comuns entre os concursandos. Isso comprova o quanto a disciplina merece atenção!

Como treinar as questões da banca com o fim da Esaf?

Com o fim da Esaf, que era a banca responsável pela realização dos concursos da Receita Federal, é necessário treinar o estilo de questão específico de outras bancas.

Nesse caso, eu recomendo que você faça questões da FCC, Cespe e FGV. Para isso, basta filtrar em um site de concursos pela disciplina escolhida e as bancas desejadas.

Desenvolver questões antigas da Esaf também pode ser importante, porque elas ajudam bastante o entendimento dos assuntos, mas busque treinar o estilo dessas outras três, que são as mais cotadas para assumir o concurso da Receita Federal.

Vale ressaltar que, quando se trata de português, você deve fazer questões de todas as bancas, pois o estilo de prova dessa disciplina varia muito!

Não deixe de fazer revisões!

Revisar o conteúdo estudado é muito importante quando você estuda para o concurso da Receita Federal.

A revisão tradicional depois 7 dias e 30 dias não funciona bem na área fiscal, pois o conteúdo é extenso.

Contudo, você deve sempre fazer a revisão das 24 horas, ou seja, revisar o conteúdo estudado até o dia seguinte.

Cuidado com os depoimentos de aprovados em pouco tempo

É importante frisar que passar em um concurso da área fiscal é um projeto de longo prazo. Assim sendo, não se desespere achando que é “burro”, pois dificilmente você será aprovado em menos de um ano ou dois.

Não estou dizendo que é impossível. No entanto, quero que você embarque nessa jornada consciente de que a área fiscal envolve um conteúdo denso.

Dessa forma, prepare-se para conversar com seus familiares e pedir apoio diante da jornada que você está pronto para enfrentar.

Por fim, o importante é começar desde já. Não espere para começar os seus estudos na próxima semana, após as férias ou no início do ano. Sua aprovação será fruto de um esforço que começa agora.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Organize seu tempo com uma planilha de estudos para concurso

Saber aproveitar seu tempo é essencial para quem quer passar em um concurso público. Afinal, nem sempre você tem todo o tempo do mundo, e são muitas as matérias que precisam ser estudadas. Por isso, sempre recomendamos ter uma planilha de estudos para concurso.

Essa planilha deve ser feita para ajudar seus estudos a serem mais eficientes, organizando seu tempo e aumentando sua produtividade. E para garantir que isso aconteça, no texto de hoje, vamos dar dicas que vão ajudá-lo em todos esses aspectos.

Continue sua leitura e saiba como fazer a planilha, como se organizar e também ser mais produtivo!

Como fazer uma planilha de estudos para concurso eficiente?

O primeiro passo para se organizar para estudar para um concurso público é fazer um cronograma. Nesse cronograma, você deve levar em conta o tempo que tem até o dia da prova para se dedicar aos estudos. Isso significa não apenas aprender novas matérias, mas também revisar, fazer exercícios, tirar dúvidas etc.

O melhor tipo de planilha de estudos para concurso é aquele que permite que você tenha tempo para todas essas atividades e ainda possa adaptar a sua rotina, não importa quantas vezes ela mude até o dia da prova.

Esse é o caso do ciclo de estudo, um método de organização apresentado pelo autor Alexandre Meirelles no livro “Como estudar para concursos”. Diferentemente de métodos mais comuns, em que você atribui horários específicos na semana para cada matéria, determina um ciclo e decide quantas dessas horas vão para cada matéria.

Você pode fazer essa organização de acordo com os mais variados critérios: quantidade de matérias, o peso na prova, o quanto cada assunto é difícil para você etc. A maior vantagem, no entanto, é que você não precisa determinar um horário certo para começar ou terminar seus estudos; o ciclo se adapta às suas necessidades.

Imagine que você precise estudar uma hora de Matemática por semana. Com uma planilha de estudos para concurso comum, você encontra uma hora livre que tenha na semana e estuda a matéria até fechar o tempo. O ciclo de estudo propõe que você estude o quanto puder por dia até fechar essa uma hora; pode ser quinze minutos hoje, vinte amanhã, como for melhor.

Com uma flexibilidade de horário maior, você se sente mais motivado e pode estudar quando puder, onde estiver.

Dicas para montar uma planilha de estudos para concursos

Confira nossas dicas e saiba como montar a planilha ideal, assim seus estudos fluirão e será mais fácil manter a organização.

Comece aos poucos

Começar a estudar para concurso pode parecer muito difícil porque são muitas as matérias e assuntos envolvidos. Por isso, comece aos poucos, com as matérias mais expressivas, depois adicione mais matérias se for necessário. Não tente abraçar o mundo inteiro de uma só vez.

Intercale as matérias

Não é porque você tem que estudar 5 horas de Língua Portuguesa nesse ciclo que irá estudar todas essas horas seguidas. Intercale matérias, colocando conteúdos diferentes um ao lado do outro, para que você estude uma variedade de assuntos. Por exemplo, estude 1 hora de matemática, depois 1 hora de noções de informática etc.

Lembre-se da prática

Estudar não é uma tarefa passiva. Ler repetidamente ou mesmo sublinhar o que você acha importante não é todo o trabalho, apenas uma parte. Faça resumos, crie mapas mentais, resolva exercícios, faça experimentos, dedique-se à parte prática do que você está aprendendo. Deixando tudo na teoria, você pode se esquecer do que aprendeu.

Comprometa-se

Ter uma planilha de estudos para concurso, bons materiais e um lugar para estudar não é o suficiente se você não tiver comprometimento. O ciclo de estudo é bem flexível e, por isso, a falta de responsabilidade pode acabar atrasando a matéria.

Faça dos estudos um hábito, assim manterá as matérias em dia. Além disso, use sua planilha de estudos para concurso de forma mais eficiente para passar na prova.

Como organizar uma rotina de estudos?

planilha de estudos para concurso

Ter uma planilha de estudos para concurso pode ajudar muito, mas não é o suficiente para quem quer passar na prova. Garantir que você vai estudar todos os dias e ter tempo de sobra para se dedicar até o dia da prova é o mais importante.

Por isso, aqui estão algumas dicas de como se organizar para fazer dos estudos um hábito:

Organize-se visualmente

Apenas pensar no que você vai estudar nos próximos dias não é o suficiente, porque pode acabar se esquecendo, se distraindo ou mesmo ficar desmotivado. Os estudos são seu compromisso: anote-os em uma agenda, calendário, enfim, no que você usa para se organizar.

Evite distrações

Enquanto estiver estudando, dedique-se exclusivamente a isso – sem distrações. Desligue a televisão, deixe o celular no silencioso, use aplicativos que bloqueiem redes sociais, feche seu e-mail e peça a compreensão de quem mora com você, caso estude em casa.

Diversifique o estudo

Ficar o tempo inteiro usando livros e apostilas pode ser cansativo e desestimulante. Procure por aplicativos, vídeos, infográficos e podcasts sobre os assuntos que você precisa estudar.

Tenha prioridades

Quando não coloca os estudos em primeiro lugar, qualquer desculpa será boa o suficiente para fazer outra coisa. Os estudos precisam ser sua prioridade para que você construa o hábito de estudar e passe na prova.

Como ser mais produtivo?

Mesmo com uma boa planilha de estudos para concurso e toda a organização do mundo, ainda podem ter dificuldades para estudar, porque são muitas matérias e nem tanto tempo. O que fazer nesse caso? Encontrar maneiras de ser mais produtivo.

Quem é produtivo consegue estudar mais em menos tempo, o que garante que consiga ver tudo o que precisa antes da prova. Confira nossas dicas para ser mais produtivo:

Planeje-se

Ter uma planilha de estudos para concurso é um bom começo, mas para garantir sua produtividade, tem que ter tudo planejado. Você vai fazer exercícios, ler, assistir a uma videoaula? Pense nisso antes de se sentar para estudar. Assim, não perde tempo.

Descanse

Estudar sem fazer pausas é um grande erro para quem preza a produtividade. Pode achar que está fazendo o melhor, mas a verdade é que esse esforço deixa a mente mais cansada e, depois de algum tempo, para de absorver o que está estudando.

Faça pausas regulares para ajudar sua cabeça a descansar. Vá ao banheiro, coma alguma coisa, beba água, caminhe pela casa. Na volta, já vai estar mais descansado e vai conseguir se concentrar e compreender melhor a matéria.

Cuide de sua saúde

Nada acaba mais com a sua produtividade do que ficar doente, estressado ou muito cansado. Por isso, cuide de sua saúde todos os dias: coma refeições balanceadas, não abuse da cafeína, não consuma álcool com frequência, durma bem e pratique exercícios. Assim, você vai estar em sua melhor forma para estudar e ser produtivo.

Fazer a planilha de estudos para concurso é essencial, mas também é só o começo. Organização, produtividade e consistência são as chaves que vão ajudá-lo a aprender mais e a passar em um concurso público!

Hoje em dia, existem diversos aplicativos que podem ser de grande ajuda na hora de se organizar, se concentrar e mesmo aprender as matérias necessárias. Venha conferir no nosso post sobre aplicativos para concursos públicos!

Faculdade ou concurso: é possível conciliar essas duas jornadas?

Quando ingressamos na faculdade, começamos também a buscar a inserção no mercado de trabalho. Neste cenário, os concursos públicos também parecem opções tentadoras, mas tão exaustivas quanto a graduação. Aí você se pergunta: “faculdade ou concurso – eu preciso escolher, é possível conciliar?”

Além de ser um sonho de quase todos os jovens, a faculdade é pré-requisito para conquistar os melhores cargos públicos.

Isso porque, os concursos de alto nível, como da Receita Federal, da Polícia Federal e dos TJs, com melhores carreiras, salários e condições de trabalho, exigem o nível superior ou tecnólogo.

Ou seja, se o seu sonho é assumir um cargo deste patamar, uma hora ou outra será necessário encarar a universidade.

Há também os casos de quem entrou para a faculdade logo após o ensino médio e, agora, enxerga nos concursos a melhor possibilidade de vida.

Em ambos os casos, escolher entre faculdade ou concurso parece impossível. Mas conciliar as duas jornadas não é, embora exija muita dedicação e disciplina. E é isso que vou te contar hoje. Continue a leitura!

Eu comecei a estudar para concursos conciliando com a faculdade

Em 1991, eu estava na metade do curso de Informática na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) quando resolvi começar a estudar para concursos.

Estudei paralelamente, passei em alguns e garantindo o meu “ganha-pão” antes mesmo de colocar as mãos no diploma.

Entretanto, a primeira preocupação que você precisa ter para não ter que escolher entre faculdade ou concurso, é estudar para os certames sem atrasar sua formatura.

Afinal, de nada adianta estudar para um concurso de nível superior, ser aprovado, mas não poder assumir o cargo porque a faculdade não foi concluída em tempo hábil.

Isso aconteceu comigo e, por experiência própria, posso te dizer que não vale a pena.

Eu fui aprovado para Auditor Fiscal da Receita Estadual de Minas Gerais, em 1993, no entanto, eu ainda era estudante, porque atrasei minha formatura ao reprovar em algumas disciplinas.

Dessa forma, evite precisar lidar com a frustração de passar em um cargo renomado e não poder assumir.

Outra frustração que também pode surgir é haver seu concurso sonhado logo após sua formatura e você não estar apto a ser aprovado nele porque não estudou para ele durante seu curso. Depois ele poderá levar uns bons anos para vir de novo. Por isso, comece logo a estudar para seu concurso, mesmo que esteja no meio da faculdade ainda.

Você já pode sim, começar a estudar para concursos durante a faculdade – não precisa escolher entre faculdade ou concurso.

Mas tenha equilíbrio para não afetar sua formação e o “tiro sair pela culatra”, ou seja, conquistar a aprovação mas não poder ser nomeado.

Estudos para a graduação e estudos para concursos têm estilos diferentes

Ao decidir conciliar faculdade e concursos públicos, você precisa entender que os métodos de estudo são diferentes em cada caso.

Livros para concursos, em geral, são mais específicos para a resolução de provas, bem como trabalham conceitos mais cobrados nos certames.

Enquanto isso, os livros acadêmicos apresentam uma ampla base teórica, cumprindo com o objetivo de formar o profissional.

Em geral, os livros acadêmicos só configuram-se como um bom conteúdo para concurso público para certames mais específicos.

Este é o caso dos concursos mais específicos da área jurídica – para cargos de juiz, promotor e procurador.

Alguns livros acadêmicos e jurídicos são constantemente utilizados por concurseiros que estão em busca de cargos como estes.

Outra situação em que é possível usar livros acadêmicos para estudar para concursos públicos é para quem está prestando um certame específico para a sua área de formação.

Por exemplo, você é Engenheiro Eletricista e irá estudar para um concurso para esse cargo em algum órgão.

Nesse caso, dificilmente haverá livros que apresentem conteúdo para concurso público voltado especificamente para a área de Engenharia.

Por quais disciplinas começar a estudar?

Se você não quer escolher entre faculdade ou concurso, para conciliar, comece a estudar para os certames com disciplinas básicas da área desejada.

O estudo estratégico deve ser pautado pela análise de editais anteriores. Analisando-se provas passadas, sabe-se que temas são os mais cobrados, seu grau de dificuldade e em que se baseiam.

Para os concursos mais concorridos, vale começar estudando por disciplinas mais curingas, como:

  • Raciocínio Lógico;
  • Português;
  • Direito Constitucional;
  • Direito Administrativo.

Se você faz faculdade de Direito e pretende prestar concursos na área jurídica, por exemplo, dê atenção especial às disciplinas que são cobradas no seu concurso e quais pontos das matérias são mais exigidos pelos editais.

Vale a pena até mesmo trocar uma ideia com o professor sobre grau de dificuldade do conteúdo, exercícios e mais.

Por fim, é importante ressaltar que, estudadas as disciplinas básicas, você terá mais estrutura para continuar seus estudos para concursos.

Conciliar faculdade e estudo para concursos exige alguns sacrifícios

É claro que manter duas jornadas árduas de estudo não é fácil – mas seu esforço será recompensado.

Por isso, divida rigorosamente o tempo de estudo entre todos os seus projetos.

Acorde mais cedo, sacrifique alguns fins de semana e aproveite qualquer tempinho disponível.

Isso serve até mesmo o tempo de deslocamento para a faculdade, por exemplo. Utilize-o para ler apostilas, livros e e-books, assistir a videoaulas e consultar as anotações no caderno.

Além disso, que tal evitar o tempo de deslocamento estudando para concursos na própria biblioteca da faculdade, após a aula?

Por fim, aqui no blog temos um artigo muito útil para você que estuda e irá começar a estudar para concursos públicos sozinho. Confira!

Em suma, eu acredito que não é necessário escolher entre faculdade e concurso, é possível conciliar os dois mundos, caso haja organização.

No entanto, jamais atrase a sua formatura por conta dos concursos, pois as consequências podem ser muito frustrantes.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais: