O que aprendi com as minhas reprovações em concursos públicos?

Por mais preparo, determinação e empenho que você tenha, as reprovações em concursos públicos são obstáculos pelos quais você terá que passar. No entanto, sabemos que “falhar” sempre tem um gosto amargo.

No entanto, a reprovação não é o fator mais importante – ela também faz parte de uma jornada de sucesso.

Isso porque, o que realmente importa é como o candidato lida com isso, ou seja, o que fazer após as reprovações em concursos.

Alguns vão se deprimir e desistir, outros vão ter uma grande desilusão e levarão um tempo para digerir, enquanto terceiros vão usar a reprovação como oportunidade.

As reprovações em concursos públicos devem ser vistas como parte do processo e, dessa maneira, é necessário buscar ver onde errou e aprender com os erros para não cometê-los novamente.

Quem me vê hoje, como Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, nem imagina quantas reprovações em concursos sofri desde 1991.

E posso te afirmar que todas elas foram essenciais para que eu alcançasse o sucesso que hoje alcancei.

Se você acabou de “tomar bota” em algum concurso, te recomendo a continuar a leitura. Convidei o Master Coach Felipe Lima para conversarmos um pouco sobre a relação entre aprendizado, superação e reprovações em concursos públicos. Confira!

Primeira lição: não menospreze as disciplinas que você não gosta ou que tenham mínimo

Com 13 para 14 anos de idade, eu estudei para concursos de escolas militares e o mais desejado era o do Colégio Naval, em Angra dos Reis – RJ.

Fui aprovado na prova do Espcex (Escola Preparatória de Cadetes do Exército), na prova da Epcar (Escola Preparatória de Cadetes da Aeronáutica) e, finalmente, chegou a prova do Colégio Naval.

Na época, eram quatro provas: Matemática, Português, História/Geografia e Física/Química. Eram 25 questões cada uma e, para ser aprovado, era necessário acertar pelo menos 13 questões em cada uma.

Na época, só estudei o que eu gostava e menosprezei as duplas História/Geografia e Física/Química. Tirei ótima nota em Matemáticae Português, fui razoável em História e Geografia mas, em Física e Química, tirei 12. Reprovei por apenas um ponto!

A partir desse momento, é claro que precisei lidar com a frustração, mas nunca mais dei a mesma bobeira.

Dessa forma, o maior aprendizado dessa experiência foi: se você se deparar com disciplinas que tenham um mínimo de pontuação, estude-as com seriedade.

De nada vai adiantar você “arrebentar” em outras disciplinas se deixar uma para trás e não atingir o mínimo exigido dela.

Segunda lição: evite a autossabotagem

Após a reprovação no Colégio Naval, ingressei na Espcex, cursei o primeiro e o segundo ano de Ensino Médio e, no terceiro ano, fui fazer um cursinho pré-vestibular.

Como sempre fui apaixonado por Exatas, decidi cursar Informática, na época um curso mais difícil que Medicina.

O curso na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) era o mais concorrido no estado. Logo, eu preferi focar para passar na Universidade Federal Fluminense (UFF) e na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Fui aprovado em ambos e, descrente do vestibular da UFRJ, deixei o concurso em segundo plano, indo a uma festa no dia anterior.

Fiz a prova da UFRJ sem dormir, após uma noite de curtição em uma festa e, novamente, não fui aprovado por apenas um ponto.

Felipe Lima alerta sobre o erro que cometi, que é ser aliado do pessimismo: “Às vezes você não esgota o edital ou não valoriza sua preparação, logo, para não se frustrar, você já faz uma determinada prova com pessimismo e acaba se auto sabotando.”

Dessa forma, acredite sempre em você. Mesmo que sinta que não está 100% preparado, faça suas provas com seriedade.

Em suma, é melhor obter uma reprovação por não estar 100% preparado, mas ficar de experiência, do que “perder” por pouco, simplesmente por não acreditar em você.

Terceira lição: o sucesso do passado não garante o sucesso do futuro

Eu cursei um semestre de Informática na UFF, no ano seguinte prestei novamente o vestibular para UFRJ, fui aprovado e lá cursei a graduação, oficialmente.

Na metade da graduação, tomei a decisão de começar a estudar para concursos públicos. Nessa época, alcancei minhas primeiras aprovações no serviço público: Auditor Fiscal da Prefeitura de Belo Horizonte – MG e depois para Auditor Fiscal do Estado de Minas Gerais e, em uma terceira oportunidade, para Técnico de Finanças e Controle, um cargo de nível médio do Ministério da Fazenda.

Finalmente, em 1994, fui prestar o concurso público dos meus sonhos: Auditor Fiscal do Tesouro Nacional, hoje Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil.

Após ser aprovado em tantos concursos anteriores, fui fazer o concurso da Receita com uma confiança muito elevada. Afinal, eram muitas vagas e eu já tinha experiência com outras aprovações.

Claro que eu estudei com muita seriedade, mas cheguei à prova com a confiança muito elevada, subestimando a concorrência. Nessa altura, vocês já devem imaginar o que aconteceu: fui reprovado por apenas um ponto, de novo.

O resultado, é claro, me gerou extrema tristeza e frustração. Dessa forma, aprendi a lição: o sucesso do passado não garante o sucesso do futuro.

Ou seja, não podemos subestimar a concorrência: se você não fizer a sua parte, facilmente será superado por outros candidatos.

A frustração foi tão grande que eu não prestei o mesmo concurso somente seis meses depois. Só fui tentar novamente 10 anos depois.

Quarta lição: o concurseiro precisa cuidar da saúde

Esse mesmo concurso, para a Receita Federal, me proporcionou a quarta lição com as reprovações.

Faltando cerca de duas semanas para a prova, em uma noite, fui à praia, tomar uma cerveja e relaxar.

Tomei uma baita friagem na ocasião e peguei a pior gripe da minha vida, precisando tomar até três antibióticos diferentes, que me atrapalhou bastante naquela reta final.

Dessa forma, o concurseiro, principalmente após a publicação do edital, deve ser paranoico: preserve-se, cuide da sua saúde. Você não vai querer que uma gripe coloque a perder tantos meses ou até mesmo anos de estudo.

“As pessoas costumam falar que vão cuidar da saúde, fazer exercícios físicos e cuidar da alimentação depois que passar no concurso. Mas esses cuidados são fundamentais durante a preparação”, explica o coach Felipe Lima.

Após aprender as lições, fui aprovado nos concursos da Receita Federal e do estado de SP

De 1995 a 2006, exerci o cargo de Auditor Fiscal da Prefeitura de Belo Horizonte. Porém, na época, o cargo não contava com um bom salário e eu vivia com contas em aberto.

No entanto, no conformismo, eu sempre via nas bancas a Folha Dirigida, falando sobre concursos da Área Fiscal.

Assim sendo, eu sempre vivia no arrependimento: “poderia estar estudando”. Em 2005, tomei a decisão, portanto, de voltar a estudar e tentar o concurso de Auditor-Fiscal da Receita Federal.

Porém, dessa vez, aprendi com todas as minhas reprovações em concursos: não menosprezei nenhum conteúdo, não pratiquei autossabotagem, não contei vantagem e cuidei da saúde.

Com tamanha inteligência emocional e preparação, fui aprovado no concurso com apenas cinco meses de estudo. Além disso, prestei logo após o concurso para Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo. O segundo, foi o cargo que escolhi e exerço até hoje.

De fato, eu demorei muito para me reerguer. De 1995 a 2005, continuei estudando, mas não para concursos. Fiz outra graduação, especialização e mestrado, mas só depois resolvi encarar novos concursos.

No entanto, diante das reprovações em concursos, é importante tirar forças para continuar e ser igual ao Juggernaut, personagem da Marvel: quebrar todas as paredes que tiver em seu caminho. Dessa forma, abaixe a cabeça, estude e depois bote para quebrar!

Reprovações em concursos públicos não precisam ser sofridas!

“O que dói não é a reprovação, é a culpa”, aponta Felipe Lima. Portanto, não se culpe. Continue lutando.

Por fim, saiba que, todo mundo, pelo menos uma vez na vida, precisa encarar uma negativa para os seus sonhos.

É claro que as reprovações em concursos públicos sempre vão doer. No entanto, é importante aprender a levantar o quanto antes. Em suma, chore as mágoas por um, dois ou três dias, mas persista. Não demore 10 anos como eu!

Um abraço, Alexandre Meirelles e Felipe Lima.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Inglês para concursos: veja a importância de estudar a língua estrangeira

Mesmo que outras línguas, como o espanhol, possam ser cobradas, o inglês, um dos idiomas mais falados do mundo, ainda é a língua estrangeira predominante. O problema é que muitas pessoas não tiveram boas aulas de inglês na escola e têm dificuldade para aprender o idioma. Pensando nisso, hoje vamos falar da importância de saber uma língua estrangeira e dar dicas de estudo de inglês para concursos. Continue sua leitura para saber mais!

Inglês para concursos: dicas de estudo

Como o inglês ainda é o idioma mais escolhido pelos concurseiros, vamos dar algumas dicas para você se sair bem nessa prova. Porém, algumas dessas dicas também podem ser facilmente aplicadas para outros idiomas – então não se preocupe se você escolheu o espanhol!

Não confunda Inglês com Inglês para concursos

Estudar inglês para aprender a falar o idioma e estudar para passar em um concurso público são tipos completamente diferentes de estudo. Quando você estuda para aprender o idioma, precisa treinar seu listening (escuta), praticar sua pronúncia, aprender gírias e expressões do dia a dia.

No inglês voltado para concursos, você deve se concentrar em ler, interpretar textos e conhecer o vocabulário utilizado na prova, que normalmente é mais técnico e formal do que o falado no dia a dia.

Conheça sua prova

Cada banca organizadora de concurso público tem seu próprio estilo e sua própria maneira de cobrar inglês nas provas. E assim como as provas mudam, a sua abordagem de estudo também deve mudar. Por isso, procure conhecer a prova para montar seu plano de estudo.

Comece procurando as provas anteriores na internet para saber qual é o formato das questões e que tipo de texto costuma cair, além de treinar fazendo alguns exercícios. Se o edital já saiu, leia-o com atenção para saber se só cai interpretação de textos ou se também cai gramática.

Estude muito vocabulário

3 livros em uma estante

Um fator em comum em todas as provas de idiomas em concursos públicos, inclusive na prova de português, é que você precisa ser bom em leitura e interpretação. Por isso, conhecer muito vocabulário é essencial.

Quem está começando a aprender do zero e não tem qualquer vocabulário pode começar com uma palavra nova por dia, anotando-a em um caderno junto com seu significado. A parte mais importante é repetir esses vocabulários todos os dias para não se esquecer do que significam.

Se você já estiver mais avançado, pode começar a escrever frases completas com os vocabulários que está estudando. Assim, você fixa melhor a palavra nova e a gramática envolvida.

Na hora da prova, circular as palavras que você conhece no enunciado pode te deixar mais seguro quanto à compreensão do texto inteiro.

Use as palavras conhecidas a seu favor

Mesmo quem acha que está começando a estudar inglês para concursos sem nenhum conhecimento sobre a língua, provavelmente, já conhece algumas palavras. Parte delas são palavras em inglês que usamos com frequência no nosso vocabulário, como marketing, call center, coffee break etc. Quando você sabe o que essas palavras e expressões significam, pode entendê-las em um contexto textual.

Outras palavras que você já conhece são as chamadas cognatos verdadeiros, que são palavras em inglês que se parecem muito com palavras em português e, de fato, significam a mesma coisa. Por exemplo, future, positive e human significam exatamente o que parecem: futuro, positivo e humano.

Cuidado com os falsos cognatos

Ao contrário dos cognatos verdadeiros, os falsos cognatos podem trazer problemas para quem está fazendo uma prova de língua estrangeira – e, por isso, você deve estudá-los bem. Eles são palavras que se parecem com palavras da língua portuguesa, mas significam algo completamente diferente.

Por exemplo, college não significa colégio, e sim faculdade. Library não é uma livraria, e sim uma biblioteca. E content não é contente, e sim conteúdo.

Provas de concursos em geral usam essas palavras para confundir os candidatos. Por isso, é importante focar seus estudos nelas. E se você vir uma palavra no texto e, não sabendo seu significado, pensar que ela se parece muito com uma palavra em português, desconfie.

Conheça termos técnicos

Como dissemos acima, estudar inglês para concursos significa estudar um vocabulário específico. Muitas vezes, você precisa saber termos relacionados ao cargo a que está concorrendo ou à área do concurso.

Por exemplo, se você fizer um concurso para a área fiscal, saber termos que envolvem economia, tributação e outros fatores do tipo pode ser essencial.

Leia muito em inglês

Pessoa lendo livro em inglês para concursos

Ler ajuda não apenas a aumentar seu vocabulário e acostumá-lo às expressões mais comuns, mas também pode ajudá-lo a se habituar com assuntos que podem cair na prova. Procure por notícias em inglês, especialmente da área em que você quer atuar, para conhecer o vocabulário e se acostumar com todos os tipos e tamanhos de textos.

Coloque o inglês no seu dia a dia

Essa dica vale especialmente para quem nunca estudou inglês ou sabe muito pouco: quanto mais você colocar o inglês no seu dia a dia, mais fácil será absorver o idioma. Procure assistir a filmes e séries com legendas em inglês, escute músicas e leia em inglês sempre que possível. Assim, seu cérebro se acostuma com o idioma e, com o tempo, será mais fácil aprender e decorar as informações de que você precisa para a prova.

Por que é importante saber uma língua estrangeira?

Nas últimas décadas, vimos como o conhecimento de línguas estrangeiras foi tomando um grande espaço no mercado de trabalho. Há alguns anos, saber inglês ou espanhol era um grande diferencial na sua vida profissional e o colocava na frente de todo e qualquer candidato a uma vaga de emprego.

Porém, a globalização fez com que precisássemos nos adaptar cada vez mais rápido a uma realidade de tecnologias mais eficientes e comunicações mais rápidas.

Quem sabe um segundo idioma tem condições melhores de acompanhar as mudanças que vêm ocorrendo no mundo todo e, por isso, saber inglês ou espanhol já não é um diferencial em muitas áreas: é uma necessidade.

No caso dos concursos públicos, podemos ver o surgimento das provas de língua estrangeira como um resultado da internacionalização política e econômica. Alguns concursos que cobram essa disciplina são o da Receita Federal, do ICMS em São Paulo e no Rio de Janeiro e o do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

Na maioria das vezes, você pode escolher qual idioma prefere na prova – assim como nos vestibulares e no ENEM –, mas eles costumam ser inglês, que é a língua da globalização, e o espanhol, que é a língua comercial do Mercosul.

Escolher entre esses idiomas nem sempre é fácil. Por isso, a Método de Estudo tem um módulo na Liga da Aprovação sobre esse assunto!

Aprender inglês para concursos não precisa ser uma dor de cabeça. Comece aos poucos, aumentando seu vocabulário, e vá introduzindo as matérias de que precisa para a prova. Dia após dia, você vai se tornando um expert no assunto!

faça parte da liga da aprovação

A Método de Estudo tem mais dicas para essa e outras disciplinas. Acesse nosso site e confira!

O que fazer após prestar um concurso público?

Quando ingressamos no mundo dos concursos, muito lemos e assistimos sobre a preparação para a prova. Aqui no blog mesmo, por exemplo, a maioria dos artigos é sobre a sua organização. Mas e o depois, como fica? O que fazer após prestar um concurso público?

O grande dia chegou e passou! A prova foi feita, os erros cometidos e, é claro, muitos acertos foram dados.

Entretanto, o pós-prova existe e é um momento que pode gerar tantas dúvidas e ansiedade quanto à preparação.

“E agora? Eu descanso? Vejo o gabarito ou não? Verifico quais foram meus erros? Continuo estudando imediatamente?”, essas são algumas dúvidas que passam na mente do concurseiro.

Para colocar sua cabeça em ordem, vou dar alguns conselhos valiosos sobre o que fazer após prestar um concurso público. Confira!

1. Não saia da prova sem ter o gabarito anotado

Mesmo pensando em não conferir e esperar pelo resultado oficial, o primeiro conselho que dou é: anote o seu gabarito assim que acabar a prova.

Antes, era possível anotar o gabarito em uma folha de papel própria, como o cartão de inscrição.

Hoje, como medida de segurança, as bancas oferecem um rascunho próprio para que você anote as suas respostas.

O gabarito oficial, em geral, é divulgado alguns dias depois. E, se você estava pensando em não conferir, eu te digo: confira, sem falta.

Isso porque só assim você saberá caso seja necessário pedir algum recurso. Como assim, Alex?

Você pode ter certeza absoluta da resposta de uma questão e, na hora de conferir o gabarito, a resposta dita como a certa é totalmente diferente do que você pensava.

Dessa forma, tendo anotado seu gabarito, você tem base para solicitar que a banca reveja a questão e se a opção divulgada como certa é, de fato, a melhor resposta.

Muitas vezes, o recurso pode te salvar com alguns pontos necessários se você estiver para ser classificado! Tenho um amigo que só é fiscal porque o recurso de uma questão sua foi aceita e ele passou justamente por causa dessa questão.

Além disso, conferir o gabarito é um momento de autoavaliação sobre os conteúdos em que você já é craque e quais ainda merecem mais a sua atenção.

Dessa forma, avalie seus acertos em dois aspectos: os que você acertou por saber e os que acertou no chute. Os de chute, você precisa, com toda certeza, estudar novamente.

Os erros, você também deve classificar em branco, erros por bobeira e erros por chute, para entender também quais assuntos deve rever com mais afinco.

2. Avalie a qualidade dos seus materiais de estudo

Depois de fazer uma autoavaliação com os resultados do seu gabarito, é necessário entender se as suas falhas são decorrentes dos seus materiais de estudo.

Entenda se o conteúdo que você errou ou não sabia constava no material ou se, em nenhum momento, foi mencionado.

Se o tema errado era cobrado pela banca, mas não constava no seu material, sugiro que você reveja os materiais pelos quais está estudando.

Em contrapartida, pode ser que a questão que você errou apresente assuntos que não eram tratados por materiais de nenhum outro concursando. Dessa forma, ninguém tem culpa – nem você, nem o material. O erro é, neste caso, da banca, que resolveu inventar.

No entanto, esteja atento aos seus erros – muitas vezes, eles podem ser um sinal de que você não estudou direito ou então que o seu material não contempla a prova.

3. Só pare de estudar se o concurso nomear rápido

É importante ressaltar que você só estará aprovado se estiver dentro do número de vagas previstas no edital.

De nada adianta ter cumprido com todos os requisitos da aprovação, mas não ter nota o suficiente para ficar entre o número de vagas disponíveis.

Se você já está entre o número de vagas disponíveis, o concurso deverá te nomear dentro do período estabelecido, no máximo de quatro anos (dois anos e prorrogado por igual período).

No entanto, você deve considerar se realmente vale a pena parar de estudar por hora. Se for um concurso que, historicamente, nomeia rápido, você em breve terá seu emprego.

Se não, continue estudando, a fim de conquistar uma oportunidade mais rápida, até que chegue o dia da sonhada nomeação.

4. Ainda não sabe o que fazer após prestar um concurso? Descanse!

Sim, entre as dicas de o que fazer após prestar um concurso público, está tirar um momento de descanso.

Descansar é sim, permitido, e pode até ser valioso para o seu futuro rendimento nos estudos. É claro que existem pessoas preparadas para voltar aos estudos dois dias depois, mas há outras pessoas que necessitam de um intervalo de uma a duas semanas.

É importante avaliar também se há tempo hábil para descansar. Se o seu próximo concurso for semelhante ao último e será realizado em breve, o tempo de descanso deve ser mais curto.

Uma autoavaliação também é recomendada neste momento. Você levou seus estudos a sério? Se sim, o descanso é mais que justo e merecido. Se não, recomece o quanto antes.

Aproveite seu período de descanso para dar atenção à família e aos amigos, mostrando que, apesar da fase difícil, você se importa e precisa da atenção deles!

5. Se você está dentro das vagas, comece a preparar sua documentação

Se você vir que está dentro do número de vagas previsto no edital, comece a adiantar sua vida para a posse!

Muitos cargos, por exemplo, exigem diversas certidões negativas no dia da posse e fornecem tempo o suficiente para tirá-las com calma, mas outros não.

Logo, se possível, adiante-as o quanto antes, não espere ser convocado! Em muitos estados da federação, as certidões negativas são gratuitas pela internet.

Dessa forma, o mínimo que você pode fazer é já saber onde conseguir todas elas e quantos dias demora para emitir cada uma.

Mesmo que a validade delas expire, é importante você saber se não há problemas com o seu nome.

E antes que você diga que isso é impossível, eu reforço que já vi muitos aprovados desesperados por causa de pessoas homônimas, ou seja, que têm o mesmo nome que você.

Isso, em geral, pode ser um estresse total, pois até provar que a pessoa com pendências não é você, pode ser que demore! Ainda mais porque alguns órgãos públicos são cheios de burocracia!

Por isso, o quanto antes tiver a previsão de aprovação, já comece a preparar a sua documentação, sobretudo as certidões negativas.

Vale ressaltar, também, que muitos concursos não aceitam pessoas que tenham empresas no seu nome. Então fique atento também para encerramento de CNPJ.

Eu adiantaria também mesmo as certidões pagas. Por mais que, às vezes, percam a validade, é melhor perder uma certa quantia de dinheiro do que correr o risco de não entregar a documentação a tempo!

Por fim, é possível ver que sendo aprovado ou não, você tem muito o que fazer após prestar um concurso.

Tenha organização, liste seus afazeres e, principalmente, descanse, sobretudo se for necessário enfrentar uma nova jornada de estudos.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Como estudar para concurso em casa: 6 dicas práticas para acabar com as distrações

Para muitos, estudar em casa parece uma tarefa impossível: você tem que se concentrar enquanto sua família anda de um lado para o outro, seu celular não para de mostrar notificações, o telefone toca, a TV está tão pertinho… Mas, acalme-se! Nem tudo está perdido! Seguindo algumas dicas de como estudar para concurso em casa, você vai ver que é possível ser aprovado no concurso dos seus sonhos!

Estudar em casa também pode ser a melhor opção de como estudar para concursos trabalhando ou para quem não pode perder tempo com deslocamento. Às vezes, é a única opção realmente viável. 

Por isso, é preciso aprender a driblar os problemas e as distrações, aprender como manter o foco para estudar e para dar o seu melhor.

Pensando nisso, selecionamos algumas dicas para estudar em casa sem grandes problemas para se dedicar cada vez mais aos seus objetivos. Confira!

1. Tenha um lugar fixo para estudar em casa

A primeira entre as dicas de como estudar para concurso em casa é definir um local único para suas horas de dedicação.

Estudar em casa não significa estudar largado no sofá, deitado na cama ou sentado de qualquer jeito na mesa da cozinha. Para conseguir se  concentrar nos estudos para concursos , você precisa de um lugar fixo e organizado.

O ideal é que você encontre um lugar da casa com:

  • espaço para seus materiais;
  • uma boa iluminação;
  • o conforto necessário para ficar sentado por muito tempo.

Além disso, tente não usar esse mesmo lugar para mais nada. Assim, quando você enxergar esse canto fixo da sua casa, seu cérebro já vai entrar no modo estudo.

Lembre-se, também, de organizar o ambiente de estudo . Nada desmotiva mais alguém que vai estudar do que ter que passar horas procurando materiais.

Tenha um lugar certo para armazenar tudo o que você usa para estudar:

  • seus livros;
  • canetas;
  • cadernos;
  • post-its, enfim, tudo o que você usa para estudar.

Assim, quando você se sentar em sua mesa, não vai perder tempo procurando materiais – e vai evitar deixar tudo para depois.

2. Tenha metas de estudo

Como estudar para concurso em casa

Você tem um objetivo grande – passar em um concurso público. Porém, esse objetivo pode parecer  distante, não ter uma data específica e, no dia a dia, parecer quase impossível de alcançar. O que fazer nesses casos? Dividi-lo em metas menores.

Ter uma planilha de estudos para concursos que não consista apenas em “estudar X”, mas sim em tarefas sólidas e possíveis de realizar, como “estudar dois tópicos de Matemática Básica”, ou “fazer 10 questões de Legislação”, é uma maneira de se manter motivado e persistir cada dia um pouco mais em seus objetivos.

Ao definir as metas de estudo para concurso, você pode até mesmo incentivar seu cérebro com recompensas simples: depois de terminar uma tarefa, assista àquele vídeo do Youtube que você queria ver. Depois de fechar as metas do dia, assista a um episódio da sua série favorita. Assim, você se sentirá ainda mais motivado para cumprir suas tarefas.

Leia também: 22 filmes de motivação recomendados para concursandos

3. Descanse

Ao aprender como estudar para concurso em casa, você pode encontrar  dois grandes empecilhos:

  • o excesso de descanso – quando você não estuda;
  • a falta de descanso, quando você não para de estudar.

Se você estuda sem parar durante horas, é provável que seu cérebro comece a se cansar e, em dado momento, você pare de absorver as informações que está estudando.

Fazer pausas de 10 minutos a cada 40 minutos de estudo, por exemplo, é uma boa ideia. Quando já tiver estudado por algum tempo, faça uma pausa maior.

Aproveite essas pausas para se levantar, ir ao banheiro, comer e beber água. Ficar sentado por muito tempo também prejudica sua saúde.

E nunca negligencie o sono: a importância do sono para os estudos é muito grande.  Ter noites bem dormidas vai melhorar sua memória e sua capacidade de se concentrar.

4. Evite as distrações

O problema principal no processo de se dedicar a estudar para concurso público em casa é que é quase impossível não se distrair com alguma coisa. 

O celular, a televisão, o computador, tudo isso torna os estudos muito menos atrativos e, consequentemente, muito mais difíceis. Por isso, faça tudo o que puder para evitar essas distrações. Abaixo listamos algumas dicas de como estudar para concurso público em casa sem ser atrapalhado por todos esses dispositivos

Televisão

Não estude em ambientes em que tenha televisão. Se não puder evitar, não a ligue. Se for necessário, tire-a da tomada.

Computador

Se você precisa do computador para estudar, desligue o acesso à internet. Se não puder desligar a internet, que é o caso de algumas pessoas que estudam por videoaulas, utilize softwares e extensões que bloqueiem sites com alto poder de distração, como as redes sociais.

Celular

O celular deve ficar desligado, no silencioso ou no modo avião. Desative todas as notificações de redes sociais e aplicativos de mensagens. Se for necessário, deixe-o em outro cômodo da casa.

Pessoas

Muitas vezes, você não escuta música, não vê TV e nem mexe no celular, mas alguém que mora com você faz tudo isso e o distrai. Nesses casos, converse com sua família e seus amigos, mesmo aqueles que não moram com você, e explique seus planos e objetivos.

Ainda que fiquem chateados de primeira por sua falta de disponibilidade, eles vão entender com o tempo quais são seus horários de estudo e provavelmente vão respeitar.

Leia também:

5. Conte mais com a disciplina do que com a motivação

Alguns concurseiros dizem que não conseguem estudar para concurso público em casa porque não têm motivação. Motivação é algo muito importante para quem quer atingir um objetivo, já que é o que nos ajuda a persistir todos os dias.

Algumas atitudes podem ajudá-lo a se manter motivado:

  • Trace metas específicas para seu dia a dia e procure cumpri-las;
  • Tenha recompensas para cada meta estabelecida;
  • Tenha em mente seus maiores objetivos e se lembre, todos os dias, de por que você está estudando para concurso, etc.

Porém, um dos ensinamentos mais valiosos que alguém que está buscando por dicas de como estudar para concurso em casa é que a motivação só pode levá-lo, apenas, até metade desse caminho. O que realmente importa para quem quer estudar em casa é a disciplina.

Disciplina é o que faz você estudar todos os dias mesmo quando você não está motivado.

As pessoas que acordam às 5 horas da manhã para treinar  para uma maratona nem sempre estão motivadas, mas elas têm a disciplina: elas sabem que, mesmo que seja cansativo, aquele esforço valerá a pena no futuro.

Procure ser disciplinado durante todo o seu dia:

  • tenha hora para dormir e para acordar;
  • organize-se para fazer exercícios;
  • faça  suas refeições corretamente, etc.

A disciplina é um hábito que temos que exercitar se quisermos, realmente, atingir um objetivo como passar em um concurso público.

6. Transforme os estudos em um hábito

Como estudar para concurso em casa

Como é possível perceber, o grande segredo de como estudar para concurso público em casa é adquirir hábitos que o ajudem a se manter focado durante os estudos. Por isso, é preciso saber como transformar uma ação em hábito.

Seja consistente

A primeira dica é que hábitos são, basicamente, ações que você repete sem pensar muito sobre o assunto.

Não pense que fazer algo por dois ou três dias, de repente, vai se tornar um hábito.

É preciso insistir por algum tempo para que se torne algo natural. Algumas pessoas dizem que são 21 dias; outras, que são 60.

Não faça tudo ao mesmo tempo

Querer colocar diversos novos hábitos do dia para a noite na sua rotina de estudos pode ser complicado. Tente com um ou dois objetivos de cada vez e, quando já estiver funcionando, introduza mais um hábito. Assim, eles serão mais fáceis e naturais na sua rotina e você não vai ficar sobrecarregado.

Faça um acompanhamento

Quando estamos tentando adquirir um novo hábito, é normal nos esquecermos dele em alguns dias, mas isso pode atrapalhar seu desenvolvimento e seu objetivo de aprender como estudar para concurso em casa, de maneira eficaz. Por isso, faça um acompanhamento diário do hábito que você está tentando adquirir.

Mantenha uma planilha ou um calendário em que você possa marcar seus hábitos diariamente. Existem, inclusive, vários aplicativos que podem ajudá-lo nisso.

Como estudar para concurso em casa [BÔNUS]

Aprender como estudar para concurso em casa  é uma questão de consistência e disciplina, mas não é impossível, como pode parecer. Siga nossas dicas e você vai perceber o quanto seu dia a dia de estudante vai ficar mais simples! Entretanto, antes de encerrarmos, vamos deixar mais uma dica para ajudar na sua preparação.

Conheça a Jornada da Aprovação, um curso online, 100% gratuito, com 4 aulas que vão te ensinar:

  • dicas de como gerenciar seu tempo e ter mais horas para estudar;
  • entender qual disciplina estudar para cada concurso;
  • ferramentas importantes para concurseiros;
  • estratégias para aumentar seus resultados, e mais.

O objetivo é que, com essas dicas, você diminua o tempo que levaria até a aprovação.

A Jornada é o início de um trabalho de mentoria que realizamos aqui na Método de Estudo. Então acesse a página da Jornada da Aprovação e comece hoje a tornar seu sonho, realidade!

materiais gratuitos para estudar em casa

A Método de Estudo tem muito mais dicas esperando por você. Acesse nosso site!

Como passar em concurso público estudando em casa?

Para muitos que escolhem estudar para concursos públicos, matricular-se em um cursinho preparatório parece a melhor opção. Afinal, além de aulas com professores gabaritados e material de qualidade, caso seja presencial, você tem troca de experiências com outros concursandos. No entanto, nem todo mundo tem recursos financeiros ou tempo de deslocamento o suficiente para fazer cursinho. E aí, nesses casos, como passar em concurso público estudando em casa?

Primeiramente, eu acredito que você deve esquecer essa visão um tanto ultrapassada de que estudar para concursos é sinônimo de fazer cursinho presencial.

Afinal de contas, na era da internet, cresce o número de materiais e cursos disponíveis online, fazendo com que o estudo em casa se torne uma opção realmente viável.

Além disso, quando as primeiras reprovações começam a acontecer e os anos estudando para concursos passam, muitos desistem de fazer cursinhos presenciais – principalmente por conta das finanças!

Ao mesmo tempo, quem faz um curso presencial tem que se deslocar diariamente. Todo esse trajeto, dependendo de onde você mora, pode significar mais de uma hora de estudo perdida por dia.

Dessa forma, se estudar em casa é a sua realidade, vou te dar algumas dicas de como passar em concurso público se preparando desta maneira. Continue a leitura!

A internet abriu portas para que qualquer um seja o primeiro lugar

Se você quer saber como passar em concurso público estudando em casa, a resposta está em uma só palavra: internet.

O bom uso da rede te abre portas para a melhor preparação para concursos. Se antes a preparação se limitava aos cursinhos presenciais, com a internet o acesso a livros preparatórios, materiais em PDF e videoaulas é extremamente facilitado.

Para se ter uma ideia, o interesse e a preparação por concursos públicos cresceu em até 30% no último ano – muito em decorrência da crise econômica e do desemprego, é claro, mas também pela facilidade na preparação que os dias de hoje proporcionam.

Não é incomum ver, ainda hoje, muitos aprovados em primeiro lugar nos maiores concursos do país vindos de cidades pequenas e do interior.

Antes, as pessoas que moravam longe dos grandes centros apenas sonhavam com a preparação de qualidade de grandes cursos preparatórios de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Assim sendo, além de democratizar o acesso ao serviço público, a internet ampliou as oportunidades de preparação dos concurseiros.

Dessa forma, para passar em concurso público estudando em casa, não deixe de apostar nos materiais em PDF e nas videoaulas.

As vantagens de estudar por PDF

O PDF nada mais é que o último estágio de um livro antes de ser enviado para a gráfica. Ou seja, é a diagramação final sem imprimir.

Dessa forma, não é necessário arcar com os custos de impressão. Você pode estudar o conteúdo pela tela do computador ou por um tablet, por exemplo.

Os materiais em PDF são vantajosos também porque, em geral, combinam conteúdo de vários livros de maneira sintética, concentrando-se nos assuntos mais cobrados nos concursos.

Outra vantagem é que este é um material feito em cores, o que torna mais dinâmica a leitura. Em geral, livros repletos de cores encarecem para as gráficas, que cobram valores maiores no mercado.

Além disso, por não ter preocupação com o custo de impressão, o espaçamento entre as linhas e as margens dos materiais em PDF são maiores, tornando a leitura menos confusa e mais agradável aos olhos.

Há vários sites que sempre disponibilizam um compilado de conteúdos valiosos para os certames em PDF, como o Estratégia Concursos, Exponencial Concursos e Ponto dos Concursos.

Os cursos online otimizam o seu tempo de estudo

Os cursos online, tão procurados pelos concurseiros hoje, trazem como principal diferencial a velocidade de absorção do conteúdo para concurso público se comparado ao curso presencial.

Isso porque, na rede, não há intervalos e você é capaz de ditar o seu ritmo.

Enquanto isso, em um curso presencial, você precisa lidar com interrupções de colegas, intervalos para lanche e mais.

Além disso, o Youtube e outras plataformas de vídeo permitem que você acelere a velocidade e isso agiliza a aula, sem que você perca detalhes.

Dessa forma, você ganha em velocidade. Seja pela ausência de interrupções nas aulas ou pela possibilidade de as assistir mais rápido.

Também é importante ressaltar que além de ser mais barato, o curso online evita que você gaste tempo com deslocamento.

Como fica a troca de experiências quando estudamos em casa?

Não fazer um curso presencial e, por isso, não ter muitos concurseiros em seu convívio, é uma grande desvantagem de estudar em casa.

Isso porque, além da convivência facilitar a troca de aprendizado, também é interessante como uma injeção de motivação.

Assim, quando você acompanha pessoas que passam pelas mesmas dificuldades que você, fica mais fácil entender o propósito em comum.

Dessa forma, busque pertencer a uma comunidade de concursandos online – desde que não seja formada por pessoas que só publicam fraudes, boatos e mais.

Prefira, também, grupos de concursandos da mesma área ou certame que você, pois assim as trocas de experiências serão ainda mais valiosas e condizentes com a sua realidade.

Esses grupos online podem não ser tão eficientes quanto os grupos de amigos da sala, mas já ajudam bastante.

Cuidar do seu bem-estar também ajuda a passar em concurso público

É importante lembrar que, ao estudar em casa, muitas pessoas têm a tendência a se trancafiar.

Por isso, acabam passando horas estudando, apenas com a luz do quarto, assistindo a aulas, lendo livros e fazendo resumos.

Se você ficar nessa rotina totalmente reclusa, você irá deteriorar sua saúde, meu amigo. Por isso, a recomendação é que você reserve um tempo para sair.

Separe um horário para fazer exercícios físicos, como 30 minutos de caminhada ao ar livre. Saia para passear com seu cachorro, mesmo que seja por 15 minutos.

Espairecer é importante para o seu bem-estar e, é claro, para uma melhor absorção do conteúdo estudado!

Estudar em casa exige um ambiente ergonômico

A dor na lombar é a segunda maior causa de consultas médicas, só perde para a dor de cabeça. O problema atinge mais de 80% da população mundial, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Dessa forma, quem passa o dia inteiro sentado estudando, deve cuidar para evitar as temidas dores nas costas.

Por isso, invista em um ambiente de estudo que seja ergonômico! Para começar, nada de estudar na cadeira da cozinha: compre uma cadeira que seja confortável.

Não tenho um modelo adequado para indicar – afinal, cada pessoa tem um tipo de corpo e coluna. Recomendo sempre modelos com braço, preferencialmente de rodinhas e com encosto para o pescoço.

Muitos me perguntam qual é a cadeira que muito utilizo nos meus vídeos. A minha cadeira, sempre presente nos vídeos, é da marca Monti.

Iluminação e ruídos também merecem atenção

Além disso, a iluminação do seu local de estudo não pode ser muito forte, fazendo arder seus olhos, nem muito fraca, causando sono.

Aproveite, preferencialmente, a luz natural do dia, que entra indiretamente pela sua janela e não incide sobre o seu material.

A luz artificial também não deve ir diretamente nos livros. Tente projetá-la na parede, para que seu reflexo atinja o papel. Substitua lâmpadas que fiquem piscando – prefira as frias, fluorescentes ou de LED.

Outra dica interessante é usar abafador de ruídos para facilitar a concentração. Quando eu estudava para concursos, sempre tive o hábito de usar. Assim, independentemente do ambiente, eu conseguia manter um bom nível de atenção.

Além disso, estude sempre com uma garrafa de água do lado, buscando ingerir dois a três litros de água por dia. Água é fundamental para o bom funcionamento do seu corpo e do seu cérebro!

Em suma, tem sim como passar em concurso público estudando em casa. Basta fazer um bom uso dos recursos disponíveis na internet e ter uma rotina regrada de estudos.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Saiba quais pontos considerar para decidir qual concurso escolher

Ser aprovado em um concurso público ainda é um objetivo muito almejado em nosso país. Afinal, ter uma carreira estável e segura é sempre bom em uma economia com tantos altos e baixos, assim como ter um bom salário. O dilema é: qual concurso escolher?

Existem diversas áreas diferentes, assim como diversos cargos, todos com suas especialidades e especificações. Como se decidir em meio a tantas opções? Como saber o que é melhor para você?

Pensando nessas dúvidas, selecionamos algumas dicas que vão ajudá-lo a decidir qual concurso escolher para se dedicar e estudar para a prova. Confira abaixo!

Qual concurso escolher? Considere esses fatores

Decidir qual concurso você vai prestar é essencial. Algumas pessoas pensam que basta estudar as matérias principais de uma área ou se dedicar a diversos assuntos e, assim, você estará preparado para qualquer concurso.

Porém, isso não condiz com a realidade: sabendo exatamente qual concurso você vai prestar, você pode focar seus estudos ainda mais na prova, não perdendo tempo com nada que for desnecessário, otimizando seu aprendizado e aumentando as chances de passar.

Abaixo, estão alguns fatores que você deve levar em consideração para decidir qual concurso escolher.

Pense na carreira

lâmpada

Muitas vezes, quem presta concursos públicos foca tanto na prova, no futuro salário e na estabilidade que se esquece da carreira a que está concorrendo. A carreira pública e a privada podem ser bem diferentes, e ambas têm seus altos e baixos. Procure entender quais são essas diferenças para fazer sua escolha.

Depois, saiba em que esfera você prefere atuar: no município, no estado ou na União. Os concursos federais são, de fato, mais concorridos, pois geralmente oferecem melhores salários e benefícios. Porém, talvez você tenha que mudar de cidade ou estado para seguir a carreira.

Por último, leve a área de atuação em consideração. Você pode fazer um concurso na área policial, bancária, administrativa, fiscal etc. Todas trazem excelentes oportunidades para pessoas de diferentes níveis de escolaridade.

Fazer uma pesquisa para entender mais sobre cada uma, e até mesmo conversar com profissionais da área, pode ajudá-lo a tomar uma decisão clara de qual concurso escolher para prestar.

Não fique esperando o edital

Mesmo que usar o edital para guiar seus estudos seja uma boa ideia, não é necessário esperar por ele para começar a estudar. Na verdade, depois que você sabe qual concurso escolher, quanto mais cedo começar os estudos, melhor.

Você pode se basear em editais passados, analisando o que eles tiveram em comum, quais matérias foram mais recorrentes e o que, provavelmente, vai voltar a aparecer. Depois que o edital de fato sair, é hora de fazer as modificações necessárias.

Quem quer passar em um concurso público precisa saber que nada acontece da noite para o dia. Não tenha pressa: o edital pode demorar para sair ou você não passar de primeira, muitas coisas podem acontecer nessa jornada. O importante é se manter sempre determinado para alcançar seus objetivos!

Lembre-se dos pré-requisitos

Saber qual concurso escolher para prestar não depende apenas de você: depende também das regras e exigências do concurso. Não adianta de nada querer se inscrever em um concurso que deixa claro, em seu edital, que só pessoas com ensino superior vão poder assumir o cargo, se você não tem nem menos previsão de quando vai ter o diploma.

Verifique sempre em quais cargos você se encaixa, de acordo com sua escolaridade, para não perder tempo com esses concursos. Se você tem o sonho de passar em um concurso específico, mas ainda não tem a escolaridade necessária, planeje-se para ter seu diploma a tempo de assumir o cargo.

Decidir qual concurso escolher não é, de maneira nenhuma, algo que pode ser feito da noite para o dia. Selecione as áreas que tenham mais a ver com você, converse com profissionais, leia editais passados e, assim, tome uma decisão mais consciente.

Conheça as principais áreas

Se você ainda está decidindo qual área é a melhor para decidir qual concurso prestar, é bom saber pelo menos o básico de cada uma para, então, descobrir com quais você se identifica mais e fazer uma pesquisa mais detalhada.

Rapaz com notebook.

Veja abaixo quais são as principais áreas de estudo para concurso público:

Bancária

São os cargos para o Banco do Brasil e para a Caixa Econômica Federal. Você pode trabalhar com atendimento ao público, comercialização de produtos e serviços, uso de sistemas informatizados, redação de correspondências e outras tarefas de administração.

Normalmente, só é exigido o diploma de Ensino Médio, e os cargos oferecem uma boa estabilidade financeira.

Fiscal

A área fiscal é uma das que oferecem os melhores salários. Porém, ela também exige muito estudo – um ano não costuma ser o suficiente. Você precisa ter bons conhecimentos de direitos, de contabilidade e de raciocínio lógico.

Existem oportunidades em nível de estado, município e União, quase sempre aceitando qualquer nível superior.

Policial

Os órgãos policiais do Brasil também oferecem oportunidades de carreira dinâmicas e variadas. Os cargos vão de agente e escrivão a delegado e perito, e as exigências são proporcionais ao cargo – assim como o salário.

Normalmente, os candidatos precisam passar por um teste de aptidão física e, depois de aprovados, passam também por um curso preparatório.

Controle

Nessa área se encaixam concursos como os do Tribunal de Contas da União, da Controladoria Geral da União e da Secretaria do Tesouro Nacional. Os cargos envolvem controle externo, auditoria governamental e administração.

Esses concursos são conhecidos por serem muito exigentes e, em sua maioria, serem voltados para pessoas de nível superior.

Gestão

Os concursos da área de gestão envolvem as agências reguladoras brasileiras, como a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ainda que os pré-requisitos possam variar, costumam ter cargos de nível médio e superior, sendo exigido ou não uma formação específica.

Jurídicos

Os cargos da área jurídica são, em sua maioria, voltados para quem é graduado em Direito. Eles variam entre delegado, defensor público, procurador e até juiz. Por exigirem um alto grau de especialização, esses concursos costumam ser difíceis, mesmo aqueles que não são tão concorridos.

E se eu não tiver os pré-requisitos?

Como já dissemos, você pode querer concorrer a um concurso específico e, então, descobrir que não poderá assumir o cargo porque não atinge o pré-requisito de escolaridade. Nesse caso, você tem duas saídas:

1) Procure atingir a escolaridade desejada antes do concurso. É claro que isso será difícil – afinal, você vai ter que estudar o dobro, especialmente se estiver no final da faculdade. Você também pode terminar sua graduação para, depois, começar a se preparar para o concurso. Caso queira algo mais rápido, um tecnólogo conta como graduação para vários cargos.

2) Procure outro cargo. Você não precisa se contentar para sempre com um cargo diferente daquele que tem em mente, mas passar em um concurso público e ter uma carreira sólida e estável é uma boa maneira de pagar sua faculdade sem problemas e, no futuro, tentar outro concurso para um cargo de nível superior.

Saber qual concurso escolher é um dilema gigante para os concurseiros, mas fica muito mais simples quando fazemos uma análise detalhada das áreas disponíveis e de nossos objetivos.

Método de Estudo tem dicas que podem ser aplicadas nos estudos de diversas áreas. Venha conferir!