Provas de Português da FCC: como resolvê-las com mais facilidade?

Na última semana, escrevi um artigo em parceria com professor Marcondes Jr. com dicas para as provas de português do Cespe. Ao mesmo tempo, há outras bancas que também tiram o sono dos concurseiros, como as provas de português da FCC.

A Fundação Carlos Chagas (FCC) é considerada uma das mais importantes bancas do Brasil. Ela já realizou mais de 2.300 concursos em mais de 270 instituições.

A banca FCC vem mudando gradativamente nos últimos anos. Em geral, não podemos mais afirmar que ela é a banca conhecida por cobrar apenas “decoreba”.

Isso porque as últimas provas da banca têm apresentado questões que exigem raciocínio, conhecimento aprofundado da matéria e interpretação.

Assim sendo, o professor Marcondes Jr. compartilhou conosco dicas para resolver também as provas de português da FCC com mais facilidade. Continue a leitura e mãos à obra!

Há diferenças de preparação para nível médio e superior

Há bancas em que, quando se tratam de provas de nível médio e de nível superior, não há tanta diferença quanto ao rigor da prova de português.

No entanto, as provas de português da FCC têm a dificuldade aprofundada quando são para cargos de nível superior.

“O candidato que irá fazer prova para nível superior é muito mais exigido”, enfatiza Marcondes. 

Isso porque as provas de português da FCC de nível médio são relativamente mais fáceis, em termos de grau de interpretação de texto exigido, as questões gramaticais são menos complexas – se aproximando até mesmo de questões do ENEM, além de outros fatores de facilitação.

professor-marcondes-junior“Provas de nível médio você tem um texto em que você consegue ler e entender facilmente as palavras”, aponta o professor.

“Já em provas de nível superior, você já pode se deparar com textos mais difíceis, jornalísticos e escritos até por antropólogos, com termos muito específicos”, pondera Marcondes.

Portanto, em uma prova da área Fiscal produzida pela FCC, de nível superior, dificilmente o candidato será capaz de pontuar mais de 90%.

Isso passa a exigir dos candidatos a compreensão de palavras não tão usuais no contexto do enunciado.

Dessa forma, o estudo da língua portuguesa deve ser ainda mais aprofundado por aqueles que irão prestar cargos de nível superior.

A prova de português da FCC tem “cara própria”

“A prova de língua de portuguesa tem questões que são a ‘cara’ da Fundação Carlos Chagas”, explica Marcondes.

Ele explica que questões de diferença entre complemento nominal e adjunto adnominal caem bastante na FCC.

Outra questão que é a “cara” da Fundação Carlos Chagas são as de correlação verbal, segundo o professor.

Não sabe do que se trata esse assunto? O professor Marcondes Jr. explica: “a correlação verbal é a correlação semântica entre os verbos. Por exemplo, quando eu digo: ‘eu iria à sua casa’, no futuro do pretérito; nesse caso, a questão pode exigir qual outro verbo poderia ser utilizado junto deste verbo no mesmo tempo verbal, que é o futuro do pretérito”.

Dessa forma, ao estudar para concursos da FCC, você deve dar uma atenção especial a esses temas.

“Cai na prova de nível médio? Pode cair. Cai na prova de nível superior? Muito provavelmente vai cair”, reitera Marcondes.

Como estudar para as provas de português da FCC do zero?

As provas de português da FCC, sobretudo de nível superior, já exigem certa experiência com a disciplina.

Por isso, se você está começando agora e/ou tem muita dificuldade com a disciplina, comece por um estudo minucioso da gramática ou um material completo em PDF.

Além disso, recomenda-se fazer um curso específico para a disciplina de português.

O próprio professor Marcondes Jr.  oferece uma mentoria personalizada para Redação Prática e Português, auxiliando muitos concursandos que prestam provas da FCC. Conheça os planos e saiba mais no site dele, clicando aqui!

O estudo reverso também pode ser aplicado nas provas de português da FCC

Assim como para as provas de português do Cespe, o estudo reverso também é aplicável à FCC.

Mas o que seria isso, Alex? Para se ter uma ideia, não é incomum os concursandos comecem a estudar pela parte inicial da gramática, que envolve fonemas, ditongos e outras lições complicadas que quase não caem.

Neste cenário, o desânimo com a língua portuguesa bate e o rendimento nessa disciplina é quase nulo.

Assim sendo, para evitar o “desgosto” com o português, o estudo reverso propõe que você mantenha o estudo da gramática, mas que também comece a resolver provas anteriores.

Dessa forma, baixe e imprima as provas  anteriores da FCC e tente resolvê-las.

Assim, a cada questão que você tiver dúvida e/ou errar, você deve, pontualmente, procurar na gramática e estudar o conteúdo exigido por aquela determinada questão.

Dessa forma, é possível ficar afiado em um assunto que pode ser cobrado novamente.

O gráfico de incidência é interessante aqui também

Assim como no Cespe, interessante que você faça um gráfico de incidência dos assuntos que caíram nas provas.

De 150 questões da FCC que você pegar para resolver, por exemplo, defina quantos % foram de cada tema.

Para fazer o gráfico de incidência, basta analisar as questões comparando com o conteúdo programático do edital.

Assinale, ao lado de cada uma, o tema. Depois é só contar quantas questões apareceram sobre aquele assunto e fazer regra de três para descobrir a porcentagem.

Assim sendo, esses assuntos mais recorrentes merecem mais a sua atenção (principalmente nos últimos 30 dias antes da prova).

Em provas de português da FCC, um acompanhamento é uma boa pedida

Ao estudar português para concursos, pense na possibilidade de participar de um programa de mentoria.

Aqui no Método de Estudo oferecemos uma mentoria específica para concurseiros de diversas áreas: a Liga da Aprovação.

Ao participar da Liga da Aprovação, você obtém uma orientação personalizada para o seu estudo, por meio de benefícios como:

  • Seis meses de mentoria comigo;
  • Atividades ao final de cada módulo;
  • Descontos nos serviços de nossos parceiros e professores,
  • Tira-dúvidas individualizado e muito mais.

Quero me inscrever e aproveitar as vantagens da Liga da Aprovação

Por mais que português pareça simples – afinal essa é a nossa língua nativa – a disciplina envolve diversas lições e regras. Não subestime!

Como eu já falei antes, o professor Marcondes, por exemplo, também oferece uma mentoria personalizada para Redação Prática e Português, para ressignificar a sua forma de escrever para concursos públicos.

São orientações direcionadas sobre Português e Redação para Concursos da Área Fiscal, Policial e certames do Cespe e FGV. Conheça os planos!

Por fim, se você ainda não leu o artigo anterior sobre como se preparar para provas de português do Cespe, não deixe de conferir. Muitas dicas são úteis também para a FCC.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Provas de Português do Cespe: como resolvê-las?

Estudar português não é uma tarefa dispensável para os concurseiros, apesar de essa ser a nossa língua mãe. Principalmente quando se trata das provas de português do Cespe, essa disciplina merece muita atenção.

Isso porque, o Cespe é uma das bancas mais rigorosas do país. Ela é responsável pela realização de concursos de ampla concorrência, como TCU, Polícia Federal, Abin e Banco Central.

Dessa forma, a banca apresenta questões que exigem muito além da decoreba. Logo, o candidato deve buscar sempre um entendimento mais aprofundado dos temas.

Além disso, há a política dos erros que anulam acertos, portanto, quando o candidato não sabe a resposta, pode ser melhor deixar em branco, porque ele não vai ganhar nem perder pontos.

Fato é que o Cespe é uma banca estratégica e exigente e você precisa estar afiado para vencer seus desafios. O Português, por sua vez, exige cuidado redobrado com suas regras, lições e pegadinhas.

Pensando em ajudá-lo nas provas de português do Cespe, convidei o professor Marcondes Júnior, especialista em Português e Redação para oferecer dicas sobre esse assunto. Confira!

Se dar bem na prova objetiva de português, já é um passo à frente

“Se você manda bem nas provas objetivas de português, você já está um passo à frente dos concorrentes”, decreta Marcondes.

Afinal, as provas objetivas de língua portuguesa compreendem uma grande quantidade de questões. Além disso, todas elas contam com textos densos, exigindo, muitas vezes, além de gramática, uma boa interpretação de texto.

E como se dar bem nas provas objetivas de português do Cespe? Marcondes dá conselhos para dois perfis distintos de concursandos:

professor-marcondes-juniorPara aqueles que estão começando “do zero”

Você que não tem contato com o estudo do Português desde o Ensino Médio, comece adquirindo uma gramática.

“Sem um conceito mínimo que seja, você não sabe nem errar, nem mesmo chutar”, pondera o professor.

Assim sendo, é fundamental manter um estudo constante quando se trata das provas de português do Cespe, além da formação de uma boa base teórica quando se trata dos “iniciantes”.

Dificuldades no português? Um curso pode ajudar

Se português nunca foi o seu forte, associar o estudo constante da gramática a um curso específico da disciplina é a recomendação de Marcondes.

No entanto, se você tem o hábito de leitura para a sua vida, o curso pode ser deixado em segundo plano, uma vez que a bagagem de leitura auxilia, sobretudo, em questões de interpretação de texto e semântica.

No entanto, o hábito de leitura não é suficiente para suprir questões puramente gramaticais, como pontuação, adjunto adverbial, correlação verbal, entre outros.

Dessa forma, a bagagem de leitura se torna útil para um estudo minucioso da gramática, que não deve ser abandonado.

Estudo reverso para provas de Português do Cespe

Seja por meio de aulas ou da mentoria para concursos, ter um acompanhamento quando se trata da língua portuguesa é interessante.

Isso porque, na maioria das vezes, os concursandos começam a estudar pela parte inicial da gramática, que envolve fonemas, ditongos e outras lições complicadas, “enjoadas de estudar” e que quase não caem.

Neste cenário, muitos candidatos ficam estafados de estudar português e acabam deixando a disciplina em segundo plano.

“Para você que quer gabaritar a prova de português do Cespe, eu indico um estudo reverso”, aconselha Júnior.

E o que isso quer dizer? Primeiramente, você deve manter o estudo da gramática e assistir a videoaulas, tirar suas dúvidas na mentoria, mas também começar a resolver provas anteriores.

Estudando por meio das provas

Para que você fique craque no estilo das provas de português do Cespe, Marcondes recomenda que você baixe e imprima as provas anteriores e tente resolvê-las.

Assim, a cada questão que você tiver dúvida e/ou errar, você deve, pontualmente, procurar na gramática e estudar o conteúdo exigido por aquela determinada questão.

Dessa forma, é possível entender a questão em sua totalidade, e ficar afiado em um assunto que pode ser cobrado novamente.

Atenção: não existe estudar diretamente por questões!

É importante lembrar que por mais que o professor Marcondes recomende o estudo reverso, ou seja, a partir das questões – como eu também já aconselhei diversas vezes, elas não devem ser seu ponto de partida.

Principalmente quando você desconhece a disciplina, formar uma base teórica antes é fundamental. Por isso, quando se trata do português, o estudo da gramática é indispensável.

É importante lembrar que, caso o seu concurso seja de nível superior, prefira estudar questões desse nível.

Do nível médio, vale a pena estudar as deste nível e, quando estiver craque, tentar fazer as de nível superior.

Marcondes ressalta, ainda, que concursos de nível médio muito concorridos costumam ter questões muito mais difíceis que o usual.

Provas de português do CESPE: resolvo a última do meu concurso ou as últimas do Cespe?

Outra dúvida muito recorrente na hora estudar para provas de português do Cespe é qual prova pegar para fazer.

No caso de candidatos da Polícia Federal em 2018, por exemplo, era melhor resolver a última prova, datada de 2012 ou resolver provas do Cespe de outros certames mais recentes?

“Você não deve deixar de resolver a última prova do seu certame, mas a postura correta é você pegar as últimas provas aplicadas pela banca”, decreta Marcondes.

Assim, você se familiariza com tipo de questão cobrado na sua prova específica, mas também pela banca de um modo geral.

As questões são bem concentradas em um assunto só?

Marcondes aponta que é interessante que você faça um gráfico de incidência dos assuntos que caíram nas provas de português do Cespe.

“Pegue as últimas 10 provas e, estatisticamente, crie um gráfico de incidência”, explica Marcondes. De 150 questões, por exemplo, defina quantos % foram de interpretação de texto, transposição, partícula “se”, entre outros.

Para fazer o gráfico de incidência, basta analisar as questões comparando com o conteúdo programático do edital.

Assinale, ao lado de cada uma, o tema. Depois é só contar quantas questões apareceram sobre aquele assunto e fazer regra de três para descobrir a porcentagem.

Assim sendo, essas disciplinas merecem, sim, mais a sua atenção. Mas isso não significa deixar de lado os outros assuntos do edital que não foram tão cobrados.

O importante é lembrar que você deve acertar o máximo de questões para alcançar a sua aprovação.

No último mês antes da prova, dê atenção às recorrentes do gráfico de incidência

Durante todo o seu tempo de estudo, dedique-se diariamente ao estudo da língua portuguesa. Mas, cerca de 30 dias antes da prova, você pode priorizar os assuntos que mais caem.

Assim sendo, você fica ainda mais especialista nos assuntos que podem ser cruciais para um bom desempenho na prova.

O aprendizado da língua portuguesa é hábito

“A língua portuguesa faz parte do dia a dia. Você precisa criar o hábito de aprender o português no cotidiano. Assim, quando você estudar para concurso, poderá estudar de forma mais estratégica”, sentencia Marcondes.

Isso quer dizer que, ao formar uma base no português, ao se preparar para as provas você não “perderá tempo” no básico, mas sim fazer um estudo mais otimizado, como o estudo reverso, explicado anteriormente.

Saiba que, tendo uma noção geral bem estabelecida da disciplina, você reconhece mais facilmente suas dificuldades. Daí, você consegue estudá-las ainda mais para a prova.

Fazer um acompanhamento te dá segurança nos estudos

Quanto ao estudo para provas de português do Cespe, bem como de outras disciplinas, Marcondes aponta a importância do acompanhamento: “as pessoas que fazem acompanhamento se sentem mais seguras em relação ao aprendizado. Já as pessoas que não fazem acompanhamento, ficam com dúvida até do que estudar no próximo dia”.

Dessa forma, seja lá qual for a área de concurso para a qual você estuda, pense na possibilidade de participar de um programa de mentoria.

Aqui no Método de Estudo  oferecemos uma mentoria específica para concurseiros de diversas áreas: a Liga da Aprovação.

Ao participar da Liga da Aprovação, você obtém uma orientação personalizada para o seu estudo, por meio de benefícios como:

  • Seis meses de mentoria comigo;
  • Atividades ao final de cada módulo;
  • Descontos nos serviços de nossos parceiros e professores,
  • Tira-dúvidas individualizado e muito mais.

Quero me inscrever e aproveitar as vantagens da Liga da Aprovação

O professor Marcondes, por exemplo, oferece uma mentoria personalizada para Redação Prática e Português, para ressignificar a sua forma de escrever para concursos públicos.

São orientações direcionadas sobre Português e Redação para Concursos da Área Fiscal, Policial e certames do Cespe e FGV. Conheça os planos e saiba mais no site dele, clicando aqui!

Tem alguma outra dúvida sobre as provas de português do Cespe? Compartilhe conosco nos comentários!

Um abraço, Alexandre Meirelles.

É difícil passar em concurso? Descubra se você é um concurseiro interessado ou compromissado

Caros concurseiros, aqui é o Alexandre Meirelles de volta ao nosso espaço.

Em janeiro de 2007, escrevi um texto respondendo se é difícil passar em concurso e as diferenças entre um concurseiro interessado ou compromissado.

Dias atrás estava dando uma olhada no meu baú de artigos e achei que esse texto poderia ter sido escrito para os dias atuais, com a nossa crise econômica e a falta de perspectivas de novos concursos federais no curto prazo.

Em momentos assim, apenas aqueles que estiverem empenhados em atingir o objetivo da aprovação terão a chance de consegui-la.

Bom, decidi publicar este texto novamente e espero que ele sirva de parâmetro para quem ainda não se decidiu sobre qual tipo de concurseiro deseja ser. Então, vamos lá!

É difícil passar em concurso? Depende do seu interesse…

Há uns bons anos, li uma coisa no livro do William Douglas que nunca saiu da minha cabeça: a diferença entre ser um concurseiro interessado ou um compromissado.

Jamais esqueci essa diferença enquanto estudava morrendo de dores nas costas e com outras dificuldades mais, e passei a falar sobre isso em minhas palestras com o saudoso Deme.

Se você perguntar para 99% dos brasileiros se eles têm o interesse em ganhar de presente um cargo de fiscal ou outro tão bom quanto, é o óbvio ululante que dirão que sim.

Quem, nesses dias de baixos salários, alto desemprego e concorrência desleal nas empresas recusaria um emprego estável, com seus direitos garantidos e remuneração bem interessante?

E eu aprofundo mais a questão: tenho a certeza de que a maioria dos candidatos que gastam dinheiro comprando livros e fazendo cursos também são somente interessados. As salas dos cursinhos (sejam elas virtuais ou presenciais) estão cheias deles.

São aqueles que estudam um dia ou outro, tudo é desculpa para não estudar, a culpa de tudo é dos professores e das bancas, não prestam atenção nas aulas e não estudam muito depois para compensar isso.

Estudam meia-bomba, só algumas horinhas de vez em quando, para se enganar e enganar aos amigos e familiares. Bem, esses terão duas saídas: ou desistem da vida de concurseiro, que é muito braba, mas que possui uma recompensa maravilhosa quando obtiver sucesso, ou então mudam de atitude e passam a ser compromissados.

Já foi moda os rapazes terem aquela orelha parecendo uma “couve-flor”, de lutador de jiu-jitsu. Também já foi moda usar calça de boca de sino e outras breguices mais. E faz uns anos que é moda ser concurseiro. É cômodo para os que não se dedicam integralmente, os interessados.

Pedem a seus familiares para pagar cursinhos e não se esforçam como deveriam, fingem que estudam, dão desculpas em casa de que vão estudar no curso ou em alguma biblioteca e na prática se esforçam muito pouco.

Ficam mais de papo sobre boatos de concursos e histórias de aprovados do que estudando de fato. Mais fácil que ralar para caramba em algum emprego para ganhar 2 mil reais por mês, né? Quanto desperdício de tempo de estudo e de talento, dentre outras coisas.

Para termos uma ideia da abrangência dos “interessados”, basta ver o número de ausências nas provas de concursos públicos. Para ilustrar, levantei os dados do último concurso para Auditor-Fiscal da Receita Federal, em 2014:

estatistica-comparecimento-afrfb-2014

Analisando o gráfico, notamos que mais da metade (53,4%) dos que se inscreveram sequer apareceram para fazer a prova!

Estão tão “interessados” que fazem todo o processo de inscrição, pagam a taxa e não aparecem nem para tentar a sorte.

O concurseiro compromissado é diferente. Ele é o cara! É aquele que os outros acham que está ficando doido e antissocial e que estuda tudo o que pode.

É o que diminui seu lazer, que estuda muito, que presta atenção nas aulas, que para de reclamar de tudo, que toma remédio para diminuir suas dores para poder estudar mais etc.

Esse é o que passa. Ah, quem dera que fosse o outro que passasse, né? Seria tudo tão mais fácil, vai ver é por isso que os interessados estão em número muito maior que os compromissados…

Claro que não quero dizer que se algum candidato não passou após anos de estudo é porque ele só é interessado, não é compromissado. Muito longe disso, eu só digo que para passar tem que ser compromissado, e que a hora desse cara chegará, mais cedo ou mais tarde.

Acho que ninguém que passou em um bom cargo foi interessado nos seus tempos de concurseiro. Foi compromissado sim, e muito. Varou noites estudando, deixou de ir a vários compromissos sociais, perdeu namorados(as), lutou contra todas suas dificuldades financeiras e de saúde e muito mais.

Quando você conhece os aprovados depois, tanto no curso de formação quanto no trabalho, escuta muitas histórias legais de superação. Você passa a admirar todos por essas atitudes que tomaram. São verdadeiros guerreiros.

Leia o livro da Lia Salgado, Como Vencer a Maratona dos Concursos Públicos, você vai sentir bem nítida a diferença entre ela, um bom exemplo de concurseira compromissada, e os que não são.

Se é difícil passar em concurso? Você deve analisar bem em qual tipo de candidato você se enquadra.

Se você acha que será um futuro aprovado ficando de fofoca em sites e Facebook, estudando pouco e arrumando qualquer desculpa para não estudar, eu lhe dou a certeza de que suas chances de ser aprovado serão mínimas.

Está perdendo tempo e dinheiro e entristecendo seus familiares e amigos à toa. É melhor enriquecer seu currículo e começar a entregá-lo. Assim você age mais corretamente com quem confia em seu futuro. Pare de enganar quem gosta de você! Eles não merecem isso!

Você só vai passar no dia em que se olhar no espelho e falar: “Eu vou dar tudo de mim, sem desculpites, até passar em um bom concurso!”.

Aí sim se transformará em um candidato compromissado, destinado a alcançar seu tão sonhado objetivo: o de ser servidor público, e em um bom cargo.

Por último, se você leu esse texto e acha que é difícil passar em concurso, talvez você esteja mais para o concurseiro interessado do que para o compromissado. E saiba que essa escolha só depende de você. De mais ninguém.

Se até agora você encarou os seus estudos como alguém do primeiro grupo, está na hora de refletir e mudar o seu comportamento.

Pense em algumas atitudes que você teve nos últimos meses:

  • Sua prioridade é o estudo e a quantidade de HBCs atingidas na semana ou ir a vários compromissos e baladas que aparecem?
  • Você fica mais triste quando não consegue estudar ou quando perde algum evento social?
  • Você para de estudar no primeiro momento de cansaço que aparece ou sempre luta para conseguir se manter focado por mais tempo?
  • Você estudou menos desde os anúncios da PEC 241 e do Decreto 9.739/19 e seu horizonte sombrio ou aumentou o seu esforço desde então?

Pense nisso e tome a sua decisão sobre o que você quer ser! Pare de pensar que é difícil passar em concurso!

e-dificil-passar-concurso-interesse-compromisso

Imagem livre para compartilhamento, desde que mencione este artigo com o respectivo link.

PS.: Apenas a título de curiosidade, se alguém tiver com dúvida se o correto é compromissado ou comprometido, embora as palavras tenham significados parecidos, existe diferença entre elas.

Compromissado: Que assumiu ou prestou compromisso; convencionado; estar de acordo com algo. A palavra tem sentido de empenho na realização de alguma coisa.

Comprometido: Que se comprometeu; dado como garantia, empenhado; que sofreu dano; casado. A palavra tem sentido de obrigatoriedade em relação a alguma coisa.

E aí, que tal entrar para a turma dos compromissados da Liga da Aprovação, o programa de mentoria para Concurso Público do Método de Estudo?

Conheça os programas especiais para as áreas Fiscal e controle e Policial. Com a minha mentoria você irá além com seu compromisso de ser aprovado. Afinal, seu tempo de estudo merece ser valorizado!

Um abraço do Meirelles (um ex-concurseiro compromissado) e muitas HBCs a todos!

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar tanto o artigo quanto a imagem nas redes sociais:

Como estudar para concursos no Youtube: 3 dicas para aproveitar melhor o site

As redes sociais são inimigas dos concurseiros? Nem sempre! O problema é usá-las sem moderação, para ficar por dentro de assuntos triviais. Se utilizadas com sabedoria, essas mídias podem ser importantes aliadas do estudo. Esse é o caso do Youtube. Mas como estudar para concursos no Youtube?

Para se ter uma ideia, o último relatório Youtube Insights mostrou que 95% da população online brasileira acessa o Youtube ao menos uma vez por mês.

O mesmo relatório também apontou que a rede social é uma grande disseminadora de conhecimento: no Brasil, 9 em cada 10 consumidores de Youtube usam os vídeos para aprender algo novo.

No Youtube, a força do conhecimento vem da pluralidade de pautas, pessoas e novas abordagens contidas na plataforma.

No mundo dos concursos, o Youtube ganha cada vez mais espaço, pois é uma plataforma que facilita a transmissão de aulas online, bem como o trabalho de mentorias para concursos – que é o caso aqui do Método de Estudo!

Sendo assim, se você é concurseiro e ainda não está usando o Youtube a seu favor, está perdendo uma boa fonte de conhecimento.

Continue a leitura, que hoje vou ensinar como estudar para concursos no Youtube.

Como estudar para concursos no Youtube

1. O Youtube oferece uma infinidade de conteúdo para concursos públicos

No Youtube, é possível encontrar vídeos e aulas que auxiliam no aprendizado de diferentes disciplinas de concursos públicos. Até mesmo cursos completos de informática, por exemplo, você consegue encontrar.

É claro que, às vezes, materiais e videoaulas pagos são mais aprofundados, mas, ao estudar para concursos no Youtube, é possível aprender e muito, sem pagar nada!

Youtube é para o estudo “fora de casa”

Gosto de ressaltar, no entanto, que estudar para concursos no Youtube é recomendado principalmente para aquelas horas em que você não está estudando em casa.

Ou seja, é indicado para aqueles momentos ociosos, quando você está no trânsito, esperando por uma consulta, malhando, no metrô voltando do trabalho, entre outras situações.

Dessa forma, a plataforma vem para enriquecer com conhecimento outros momentos além das suas horas líquidas de estudo, frente aos livros, PDFs e mais.

Assim sendo, seu desenvolvimento é garantido até mesmo nos instantes em que você se encontra longe dos materiais.

É possível dirigir e ouvir o Youtube em segundo plano

Os minutos ou horas em trânsito podem ser muito bem aproveitados com o Youtube. Mas não estou dizendo que você vai ser negligente na direção para prestar atenção em um vídeo.

Até porque, na maioria das vezes, para estudar para concursos no Youtube você precisa absorver apenas o áudio dos vídeos.

No entanto se, para dirigir, você precisa do auxílio de aplicativos como o Waze e o Google Maps, recomendo assinar o Youtube Premium.

Isso porque, sem a assinatura, o Youtube não funciona em segundo plano com outros aplicativos ativos.

O custo da assinatura Premium é de R$ 21 e traz diversos benefícios para os concurseiros, como:

  • ausência de propagandas;
  • downloads de qualquer vídeo para assistir depois no seu celular ou tablet;
  • plataforma funciona minimizada/em segundo plano.

Assim sendo, você pode, por exemplo, baixar em casa os vídeos que você deseja assistir e ver a todos quando estiver offline.

Dessa forma, seja na sala de espera do médico, no trânsito, andando na esteira e entre outras situações, com internet ou não, precisando usar outro aplicativo ou não, o Youtube Premium irá te servir.

2. O Youtube gera economia com materiais de estudo

Muitas vezes, é possível dispensar a compra de aulas em áudio e podcasts e estudar para concursos no Youtube, apenas fazendo uma boa pesquisa na plataforma.

Além disso, há diversos portais dedicados à preparação para concursos que, semanalmente, oferecem aulas diversas em seus canais, como de Atualidades.

Outro exemplo de bom material gratuito na plataforma são os cursos do João Antônio, professor de Informática. Há o curso completo dele liberado no Youtube.

É possível, ainda, encontrar canais que tratam de disciplinas recorrentes nos certames, como Português e Direito Administrativo.

3. Usar o Youtube para estudar não deve tomar seu tempo de estudo

É importante frisar que o Youtube pode ser uma excelente ferramenta para complementar seus estudos e aprendizado, mas não deve tomar suas horas de estudo.

Os meus vídeos, lá no canal do Método de Estudo, por exemplo, são para obter dicas nas “horas vagas”.

Está lavando louça? Coloque meu vídeo no fone de ouvido. Assim, você absorve dicas interessantes em um período que, antes, era apenas ocioso.

Em suma, para saber como estudar para concursos no Youtube, tenha equilíbrio e vá direto aos canais certos.

Lá no canal Método de Estudo, tenho o prazer de, semanalmente, divulgar vídeos com dicas, estratégias e outros assuntos do mundo dos concursos. Inscreva-se no canal e deixe seu like!

Por fim, você sabe outras dicas de como estudar para concursos no Youtube? Compartilhe aqui nos comentários!

Existem diversas formas de estudar e muitas vezes encontrar a melhor é uma tarefa complicada. Você sabe como extrair o melhor do seu potencial de aprendizado? Já pensou se existe algo mais que você pode alcançar? Talvez você não saiba por onde começar não é mesmo?

Então tenho o prazer de te apresentar um programa de mentoria de estudo que engloba áreas de grandes concursos públicos públicos do país: a Liga da Aprovação.

São 3 programas assessorados por mim, divididos em:

  1. Liga da Aprovação Fiscal e Controle: mentoria focada em quem deseja fazer concursos da área fiscal e controle – como Receita Federal, TCU e outros.
  2. Liga da Aprovação Policial: mentoria voltada para aqueles que irão prestar concursos da área policial, em geral.
  3. Jornada da Aprovação: é um curso GRÁTIS, que vai ajudá-lo a se preparar  para qualquer prova, área, ou tipo de estudo, com conhecimentos gerais para um bom desempenho nos estudos.

Você terá acessos a aulas online, espaço tira dúvidas, comunidade secreta no Facebook e descontos com os melhores sites e professores parceiros, além de cursos extras exclusivos para a Liga.

Acesse o site do Método de Estudo e conheça mais sobre os resultados que a Liga da Aprovação pode te proporcionar.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Material de estudo para concurso público: pare de acumular apostilas!

É comum ter dúvidas em relação ao material para estudar para concurso público. Você pensa em adquirir um novo material de alguma disciplina? Será que isso é realmente necessário?

Neste post, tento responder a uma dúvida frequente de muitos concurseiros: “Quantos materiais de estudo para concurso público eu preciso para cada disciplina?”.

Material para estudar para concurso: quantidade ideal

“Quanto mais, melhor!” Será que essa afirmação é válida quando nos referimos à quantidade de material de estudo necessário para um concurso público? Definitivamente, NÃO!

Muita gente acaba ficando “viciada” em ter todo material disponível de cada disciplina. Parece aquela série de TV (Os Acumuladores) adaptada para o mundo dos concursos públicos.

Para responder à pergunta inicial, vou separar os tipos de materiais em teóricos e de exercícios:

Material teórico

Regra geral, você necessita de apenas um bom material teórico de cada disciplina na sua preparação.

Muitos concurseiros ficam com vontade de adquirir um novo material teórico por conta do lançamento de uma nova edição. Será que isso é realmente necessário? Às vezes, ouvem falar de PDF, livro ou aula que outra pessoa gostou e já querem adquiri-los.

Se você já tem um bom material teórico, estude-o com afinco. Ele vai ter todas as suas marcações e anotações. Isso que é importante.

Eu só recomendo a compra de outro material para estudar para concurso quando o

que você for prestar tiver um conteúdo programático não abrangido pelo seu atual ou for de um nível bem superior ao que o seu material contém.

Material de exercícios

Em relação aos materiais voltados para a resolução de questões, não há uma objeção à quantidade de material para estudar para concurso. Temos apenas que tomar cuidado e ter a ciência que o tempo e o dinheiro disponíveis são limitados.

Assim, “gaste” o seu material de questões. Resolva várias vezes e tire as suas dúvidas.

Resolver questões nunca é demais, mas como disse anteriormente, não temos todo o tempo e dinheiro do mundo. Infelizmente.

Quantos materiais de estudo para concurso público eu preciso para  cada disciplina?

Essa é uma pergunta que explico em detalhes no vídeo abaixo. Portanto, assista ao vídeo para tirar essa dúvida.

Espero que tenha gostado do vídeo e saiba aproveitar melhor o material para estudar para concurso que você tem.

Muitas vezes, a falta de foco sobre o que estudar ou por onde começar, vem de uma brecha natural de não conseguir se organizar com tanta facilidade.

Se você é um desses tipos de estudante, ter uma mentoria especializada na sua área de concurso público pode ser a diferença entre a reprovação e a conquista de uma vaga!

E foi para ajudar os estudantes esforçados, como você, que criei a Liga da Aprovação no Método de Estudo. Com a minha experiência como concurseiro, criei programas de mentoria exclusivos, nos quais atuo diretamente como mentor.

Conheça mais sobre cada mentoria e inscreva-se:

  1. Liga da Aprovação Fiscal e Controle: mentoria focada em quem deseja fazer concursos da área fiscal e controle – como Receita Federal, TCU e outros.
  2. Liga da Aprovação Policial: mentoria voltada para aqueles que irão prestar concursos da área policial, em geral.
  3. Jornada da Aprovação: é um curso GRÁTIS, que vai ajudá-lo a se preparar  para qualquer prova, área, ou tipo de estudo, com conhecimentos gerais para um bom desempenho nos estudos.

Um abraço do Alexandre Meirelles e não seja um acumulador!

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar tanto o artigo quanto a imagem nas redes sociais: