Estudar à noite: 7 dicas para não cair no sono ou perder o foco

Enquanto algumas pessoas rendem melhor no período noturno, para outras estudar à noite é uma questão de necessidade por conta da carga horária cheia durante o dia.

Por outro lado, há também aqueles concursandos que, mesmo com o dia livre para estudar, ainda desejam aproveitar a noite para potencializar o aprendizado.

Principalmente para quem trabalha ou faz faculdade o dia todo, driblar o cansaço e se concentrar durante a noite é um desafio.

No entanto, as últimas horas do dia reservam algumas vantagens, como mais silêncio e menos ansiedade por você não ter compromisso logo após o período de estudo.

Se você se sente cansado ou desmotivado para estudar à noite, este artigo é para você. Elenquei 7 dicas para você contornar o sono e manter o foco nos estudos neste período. Confira!

1. Cochilar em algum momento do dia te ajuda a estudar à noite

Está comprovado cientificamente que um cochilo durante o dia faz bem para o corpo humano.

Para se ter uma ideia, um time de psicólogos e neurocientistas do Allegheny College, nos Estados Unidos, avaliou os benefícios do sono diurno na recuperação cardiovascular após uma situação tensa. 

Para isso, separaram 85 pessoas em dois grupos. Um deles deveria dormir por 45 minutos durante o dia enquanto o outro permanecia acordado.

Depois, os cientistas também aferiram a pressão arterial. Assim, constataram que ela se apresentou mais baixa entre a turma que repousou.

Assim sendo, é possível concluir que um cochilo breve, de meia hora que seja após o almoço, é capaz de reduzir o estresse e o cansaço

Quando eu tinha o dia mais livre, eu costumava estudar durante a manhã, almoçava e, em seguida, tirava um cochilo.

O tempo ideal da “sesta”? Isso é variável com a sua disposição, se você dormiu bem na noite anterior ou está gripado, por exemplo. Mas o recomendado é entre 20 e 40 minutos.

Afinal de contas, ultrapassar essa média faz com que você entre em um estágio mais profundo de sono e acorde mais cansado e preguiçoso do que antes.

Assim, um cochilinho ao longo do dia pode te ajudar a ficar mais disposto para estudar à noite.

2. Para quem trabalha, cochile ao chegar em casa

Se você tem apenas o período da noite para estudar e chega muito cansado do trabalho, permita-se tirar um cochilo antes de começar a estudar e experimente estender os estudos até o início da madrugada.

Assim você espanta a tensão do dia de trabalho e trânsito e, assim, consegue render melhor até o fim da noite e início da madrugada.

É melhor tirar um cochilo e ter cerca de quatro horas bem estudadas, do que ter cinco horas de desgaste, das quais você estudou, concentrado, umas duas horas.

3. Já pensou em madrugar?

Se você trabalha o dia todo, mas sente-se exausto no período noturno, que tal em vez de estudar à noite experimentar madrugar? Pode ser que seu desempenho seja melhor pela manhã.

Essa é uma alternativa que conheci por meio de um amigo concursando que mantinha esse hábito, o saudoso Deme.

Tente chegar do trabalho, tomar banho, jantar e pegar no sono às 20h. Dessa forma, programe o despertador para tocar às 2h ou 3h da manhã e estude até o amanhecer.

Em geral, nos primeiros dias, você não conseguirá pegar no sono às 20h. Mas, aos poucos, você conseguirá adaptar seu organismo a essa rotina e verificar se esse método funciona para você.

4. Não durma menos que 6 horas por noite

Você já deve ter ouvido alguém dizer que “fica ótimo” com apenas 4 ou 5 horas de sono. Ou até mesmo colegas que estão dormindo menos para dar conta dos estudos.

Para ser ter uma ideia, um experimento, realizado na Universidade da Califórnia, em Berkeley, apontou que dez dias dormindo menos que 6 horas causa o mesmo efeito na sua cognição do que passar uma noite inteira acordado: diminui reflexos e velocidade de reação e atrapalha até a capacidade de interpretar textos.

Ter plena capacidade de interpretação só é possível com a cabeça descansada após uma boa noite de sono. 

O sono em dia também facilita a capacidade de memorização. Pesquisadores da Langone Medical Center, em Nova York, mostraram em uma pesquisa que o sono profundo logo depois de estudar incentiva o crescimento de conexões entre as células cerebrais, o que ajuda a reter memórias.

5. Cuidado com café e bebidas energéticas

Após às 15h, cuidado com o excesso de consumo de bebidas cafeinadas e energéticos.

Por mais que você acredite que essas substâncias te deixarão mais acordado, elas podem prejudicar, posteriormente, a qualidade do seu sono e, consequentemente, a memorização.

Dessa forma, devem ser consumidas mais cedo, em porções leves, a fim de te deixar desperto, mas sem prejudicar seu descanso, que é vital para o seu rendimento no próximo dia.

O excesso de cafeína e energéticos pode, sim, permitir que você estude mais horas. Mas irá afetar seu sono, a memorização e, por fim, o desempenho no próximo dia.

6. Mascar chiclete ajuda a afastar o sono

Se o café está proibido para te ajudar a estudar à noite, eu te apresento o poder do chiclete.

Um time de psicólogos da Universidade de St. Lawrence fez um experimento com 159 estudantes, dos quais metade mascaram chicletes durante a realização de tarefas.

Aqueles escolhidos aleatoriamente para mascar chicletes foram significativamente melhores do que aqueles que não mascaram em cinco de seis testes, com aumento de desempenho nos primeiros 20 minutos.

Dessa forma, a conclusão obtida é que o chiclete melhora o desempenho devido ao “estímulo induzido pela mastigação.” 

Em outras palavras, o ato de mastigar nos desperta, garantindo que nós estaremos completamente focados na tarefa em questão. 

Infelizmente, esse estímulo é passageiro, como observado no teste – durando apenas 20 minutos.

No entanto, o que podemos aprender com esse teste é bem simples: quando estiver fazendo um teste, guarde o chiclete para a parte mais difícil, ou aquelas questões quando você sentir que está perdendo o foco.

A goma de mascar irá ajudá-lo a se concentrar, mas lembre-se de que a ajuda não irá durar muito.

7. Use óculos com filtro de luz azul ao estudar pelo computador

Quando usamos telas de computador ligadas próximos da hora de dormir, temos tendência a perder o sono, demorar mais para dormir e ainda deitar com a mente acelerada. 

Isso porque a luz azul, emitida por computadores, tablets e smartphones têm a característica de bloquear a produção de um hormônio chamado melatonina, que é justamente um dos que atuam no sono.

Por isso, o ideal é que você providencie um óculos que filtre a luz emitida pelos dispositivos eletrônicos. 

Além de impedir que a produção de melatonina seja afetada, o óculos evita o cansaço nos olhos e outros problemas causados pela luz azul, como dores de cabeça e até mesmo vista embaçada. 

Caso você tenha miopia, astigmatismo e outro problema de visão, consulte um oftalmologista. Ele irá verificar a possibilidade de trocar sua lente para uma que bloqueie a luz azul.

Mantendo o foco em qualquer hora do dia

Ao estudar à noite, saiba que o foco é determinante para aproveitar ao máximo suas horas de estudo.

Se você apresenta dúvidas durante os estudos ou não sabe a melhor maneira de se organizar, uma mentoria para concurso público pode ser a melhor escolha para um estudo mais produtivo.

Buscando ajudar meus leitores e concurseiros amigos, eu criei um programa de mentorias especializado em quem deseja ter foco total para a aprovação: a Liga da Aprovação.

Os programas de mentoria da Liga da Aprovação irão prepará-lo em alto nível para o concurso dos seus sonhos.

A Liga da Aprovação reúne diversos benefícios, como:

  • Seis meses de mentoria comigo;
  • Atividades ao final de cada módulo;
  • Descontos nos serviços de nossos parceiros e professores,
  • Tira-dúvidas individualizado e muito mais.

Inscreva-se e dê um basta na preguiça!

Botão de inscrição no artigo "Estudar à noite" da Liga da AprovaçãoEm suma, mantenha uma boa noite de sono para não cair na preguiça no fim do dia. Além disso, aproveite os fins de semana para aproveitar o bom rendimento durante o dia.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Mentoria e Coaching para concurso público: quais são as diferenças?

Ser aprovado em um concurso é difícil, pois envolve esforço, organização e, é claro, foco na área desejada. Para que essas ações sejam simplificadas e mais esclarecidas, muitos concursandos buscam Mentoria e Coaching para concurso público.

Mas qual é a diferença entre Mentoria e Coaching para concurso público? Esse tipo de serviço pode me auxiliar? Qual deles é melhor para mim?

Bom, para podermos responder a essas perguntas, primeiramente temos que entender melhor como funcionam esses serviços.

Vale ressaltar que nem sempre todos os perfis de concursandos exigem Mentoria e Coaching para concurso público.

Há quem já seja acostumado a estudar e, por isso, gosta apenas de “caminhar com as próprias pernas”.

Mas, de fato, Mentoria e Coaching para concurso público são programas válidos de orientação que podem sim te auxiliar no alcance do seu sonho.

Então vamos ao que sei sobre o assunto, pois li os principais livros sobre coaching, formei-me em coaching, mentoring e PNL, conversei com pessoas que estão atuando como coaches para concurseiros e eu mesmo fiz diversas mentorias nos últimos anos.

Portanto, hoje posso dizer com mais propriedade do que quando só achava a palavra “coach” bonita. Continue a leitura!

Entenda suas necessidades

Se você está pensando em investir em Mentoria e Coaching para concurso público, primeiro entenda as suas necessidades.

Se você sofre com ansiedade, por exemplo, pode ser o caso de, inicialmente, procurar o auxílio médico e de um psicólogo.

Segundo um relatório recente da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil também é campeão mundial no índice de ansiedade: 9,3% da população manifesta o quadro.

Essa disfunção engloba várias outras, como ataques de pânico, transtorno obsessivo-compulsivo, fobias e estresse pós-traumático.

Dessa forma, se você sente sintomas de ansiedade e estresse, é indispensável procurar ajuda médica e psicológica. Não é uma vergonha cuidar do seu bem-estar!

Com seus eventuais transtornos tratados, você poderá ter mais qualidade de vida e, assim, buscar uma orientação voltada para o alcance de metas e organização dos seus estudos, como é o caso do Mentoria e Coaching.

Mentoria e Coaching para concurso público

Coaching para concursos públicos

Vamos primeiro a algumas definições. O coach é o profissional que é o orientador, o facilitador. Já o coachee é o cliente do coach, no nosso caso, o concurseiro.

O coaching é o processo de desenvolvimento que o coach conduz para que o coachee chegue aonde quer chegar. Por último, coaches é o plural de coach.

Em suma, o conceito de coaching tem origem no esporte, como o técnico de futebol mesmo.

Mas somente na década de 90 que o conceito começou a ser aplicado para gerenciamento em empresas.

Após grande difusão nessa área, recentemente o “mundo concurseiro” pegou o conceito emprestado.

Para ser coach, a pessoa deve passar por um curso de formação, estagiar, para então receber o certificado. Existem diversos institutos de formação de coaches país afora.

Esses cursos de formação de coaches não são baratos. Normalmente, só o curso básico gira entre quatro e oito mil reais.

Quase sempre são oito dias inteiros de curso, fora os coachings que você tem que fazer.

Dependendo do curso, ainda tem algumas dezenas de horas de aulas online para ver em casa.

As áreas do coaching

Basicamente, o coaching é dividido em três áreas, a saber: coaching pessoal, coaching de vida e coaching empresarial.

Esses ainda podem ser subdivididos em diversos outras, tais como:

  • coaching de emagrecimento;
  • de relacionamentos,
  • de atletas;
  • de vendas,
  • de carreira;
  • de orientação profissional.

Com o uso proliferado dessa palavra, surgiram ainda os chamados coachings de fotografia, de tarô e, claro, coaching para concursos – aliás, se não existisse esse tipo, eu não estaria escrevendo sobre o assunto neste artigo!

O coaching orienta para a tomada de decisões

Analisando somente a palavra “coaching”, percebemos que ela entrou na moda e que por isso ela ajuda a vender o serviço dos profissionais que hoje estão ensinando ou orientando seus clientes, mesmo que não estejam fazendo um processo de coaching propriamente dito.

Se formos seguir à risca as funções de um coach, veremos que ele não deve passar as respostas prontas para o coachee.

O profissional deve conduzir seu cliente para que este chegue às suas próprias respostas.

Assim, o coach ajuda o coachee a resolver seus problemas, a tomar suas decisões e desenvolver novas habilidades.

O coach apresenta tarefas, previamente combinadas com seu coachee, a serem cumpridas em um período de uma semana ou um mês.

O coach também sabe fazer as perguntas certas para que o coachee encontre as respostas que precisa. O profissional não precisa necessariamente atuar na área do coachee para desenvolvê-lo em algum aspecto específico.

Coaching para concursos não é realizado exatamente da forma como foi definido

Depois dessa explicação, você já deve ter percebido que o coaching para concursos públicos não é realizado exatamente da forma para a qual ele foi definido.

Isso porque o que tem sido feito no mundo dos concursos é uma orientação para os concurseiros, na qual quase todas as respostas são passadas prontas.

Não há o processo do coach levar o concurseiro a encontrar suas próprias respostas, mas há a parte do acompanhamento do progresso do cliente, das tarefas a serem executadas semanalmente e mais.

Eu acredito que a parte de fazer o cliente encontrar as respostas para os seus problemas não tem muita utilidade no mundo dos concursos, afinal, os concurseiros querem é saber o que deverão fazer para aumentar suas chances de aprovação.

O que coaches de concursos estão fazendo na prática?

Mesmo não cumprindo com a essência da palavra “coach”, há muitos programas de coaching para concursos públicos disponíveis.

Geralmente, o coach diz ao concurseiro o que deve ser estudado semanalmente, quais materiais a serem utilizados, quais as melhores formas de estudar e mais.

Nesse caso, o concurseiro quando contrata o coach quase sempre já sabe qual concurso quer prestar, então ele procura um profissional que o orienta para aquele concurso especificamente.

Há sites que dividem seus coachees para profissionais especializados na Receita Federal, no TCU, em tribunais e mais. Cada coach cuida da área que mais entende.

Em alguns casos, o coach ainda efetua algum acompanhamento por e-mail, WhatsApp ou Skype, fazendo com que seu cliente mantenha a programação de estudos previamente estabelecida.

Isso funciona muito bem para quem não é disciplinado e precisa de uma orientação melhor sobre o que estudar.

No entanto, muitos desses coaches costumam manter dezenas de coachees ao mesmo tempo para cada concurso.

Dessa forma, não tem como ele realizar um trabalho muito direcionado para cada concurseiro, pois precisa assessorar todos em termos gerais.

Caso contrário, necessitaria de 50 horas por dia para fazer uma programação para cada um deles e ainda acompanhá-los diariamente.

Entretanto, isso não quer dizer que seu serviço não merece reconhecimento, pois é sim muito útil para muitos coachees.

Por fim, é normal que existam coachees que fiquem insatisfeitos com seus coaches, geralmente porque o coach pisou feio na bola ou porque o coachee não conseguiu acompanhar a programação e o coach não teve como reprogramar o caso dele especificamente, devido ao excesso de trabalho.

Entretanto, quando o coach é comprometido com seu trabalho, os coachees gostam do resultado.

Mentoria para concursos públicos

Como falamos anteriormente, o trabalho realizado por alguns orientadores não é coaching, é mentoria.

No caso da mentoria, o concurseiro, algumas vezes totalmente perdido, procura uma pessoa com experiência na nossa área para orientá-lo sobre qual concurso deve fazer, por onde estudar, de que forma estudar e mais.

Contudo, esse profissional raramente efetua algum tipo de acompanhamento semanal do estudo do seu mentorado, dizendo o que exatamente ele deve fazer no seu dia a dia.

Na verdade, o mentor utiliza o seu conhecimento na área para orientar o estudo do seu mentorado ensinando-o como fazer.

A ideia é que o mentorado ganhe autonomia para seguir o seu caminho da maneira mais eficiente, após ter recebido um treinamento do seu mentor.

Nesse processo, o mentor precisa indicar o caminho das pedras e efetuar algumas correções de percurso. O acompanhamento é necessário, pois haverá dúvidas do aluno ao longo do processo.

É claro que é muito indicado que antes o mentor entenda o concurseiro, para sentir suas características e necessidades e, a partir dessas informações, orientá-lo.

Dessa maneira, é possível afirmar que o mentor tem a vantagem de atuar de forma mais personalizada no início.

A orientação de um mentor pode lapidar suas decisões

Muitas vezes a simples orientação inicial do mentor poderá mudar o rumo do concurseiro.

Sei de um concurseiro que antes de conversar com o mentor estava estudando para o concurso A, com poucas chances de sair o edital tão cedo e de ser aprovado quando esse fosse publicado.

Assim sendo, o mentor sugeriu que ele fizesse o concurso B, com remuneração parecida, edital mais próximo e com mais chances de passar. O concurseiro mudou seu rumo naquele dia, encarou a batalha, passou e até hoje deve muito de seu sucesso na vida a esse conselho do seu mentor.

Para quem é fã de Star Wars, como eu, é só perceber que o Yoda nunca seria o mentor do Skywalker se tivesse poucos anos de vida Jedi.

E seguindo seu mestre, seu mentor, o Skywalker salvou o universo. Foi só colocarem o Obi Wan ainda pouco experiente para ser mentor do Anakin, que ele virou o Darth Vader e quis ferrar o universo todo!

Tenha cuidado com picaretagens

Ao contratar um serviço de Mentoria e Coaching para concurso público, é necessário ficar atento ao seu orçamento.

Muitos serviços cobram uma taxa justa de mentalidade, logo, você terá que botar a mão no bolso.

Há, ainda, profissionais que cobram a chamada “taxa de sucesso”. Isso quer dizer que incluem no contrato, por exemplo, uma cláusula que afirma que, caso você seja aprovado, deverá pagá-lo um salário, dividido em algumas parcelas.

Sei que há muitos concurseiros que pensam que isso é tudo bobagem, mas eu não compartilho dessa opinião, apesar de respeitá-la, pois sou cético com novidades também.

Afinal, no meu tempo não havia nada disso, e todo mundo passava sem eles, assim como muitos hoje ainda passam. Logo, não são imprescindíveis.

Essas condições não se tratam de picaretagens, mas há práticas ilícitas para as quais você deve ficar atento.

Não é porque o “coaching” ou “mentor” foi aprovado em um concurso que ele está apto a ensinar as pessoas.

É necessário verificar se o profissional estudou como estudar, se conhece as referências da área, se tem experiência em lidar com diversos tipos de alunos, etc.

Por que contratar uma Mentoria e Coaching para concurso público?

Para contratar um serviço de Mentoria e Coaching para concurso público, primeiro, avalie a sua grana disponível.

Claro que nenhum concurseiro tem dinheiro sobrando, mas se você acreditar que um serviço desses realmente poderá ajudá-lo, reveja suas prioridades nos gastos.

Em geral, os preços cobrados por coaches para concursos variam entre R$ 250 e R$ 800 mensais. Mais caro que isso só encontrei na área jurídica.

Confesso que no início dessa história de coaching para concursos eu achei isso uma grande bobagem. Eu acreditava que tudo que o concurseiro precisa saber sobre como estudar estava no meu livro.

Depois comecei a ver aprovados elogiando o trabalho de seus coaches e mentores e passei a respeitá-los mais. Assim, entendi que há pessoas que funcionam de forma muito melhor caso tenham alguém as orientando.

Portanto, acredito que há quem precise deste serviço e quem não, assim como em todos os outros serviços de orientação.

Por exemplo, há gente que para ir malhar precisa de um personal, caso contrário, faltará à academia ou fará os exercícios com postura errada. E há os que malham sozinhos corretamente.

Mentoria e Coaching são úteis, mas não imprescindíveis

Em suma, Mentoria e Coaching para concurso público são de fato úteis para alguns concurseiros, mas não são imprescindíveis.

Se estiver plenamente confiante e satisfeito com seu rendimento nos estudos, não sugiro contratar tais serviços.

Se estiver com dúvidas e tiver condições, eles podem ser a diferença entre ser aprovado ou não.

Em suma, entre mentoria e coaching, cabe a você decidir qual é adequado à sua realidade.

Em todo caso, veja o infográfico com as principais diferenças e semelhanças entre Mentoria e Coaching para concurso público.

infografico-mentoria-coaching

Livre para compartilhamento, desde que mencione este artigo com o respectivo link.

E se você está em busca de ajuda extra para estudar, tenho aqui algumas soluções para você. Um dos programas de mentoria da Liga da Aprovação vai ajudar você a se preparar na área que pretende se dedicar aos estudos.

  1. Liga da Aprovação Fiscal e Controle: mentoria focada em quem deseja fazer concursos da área fiscal e controle – como Receita Federal e outros.
  2. Liga da Aprovação Policial: mentoria voltada para àqueles que irão prestar concursos da área policial, em geral.
  3. Liga da Aprovação Demais Áreas: mentoria voltada para aqueles que irão prestar concursos das áreas de Tribunais, INSS, Bancários (BACEN, BB, BNDES, CEF ets), Cargos Administrativos (Técnicos e Analistas do Executivo, Legislativo e Judiciário), Formações Específicas (Engenheiro, Médico etc), e outras carreiras, como Petrobras, CVM, Carreiras Militares, e muitas outras.
  4. Jornada da Aprovação: é um curso GRÁTIS, que vai ajudá-lo a se preparar  para qualquer prova, área, ou tipo de estudo, com conhecimentos gerais para um bom desempenho nos estudos.
  5. Pilares da Aprovação: um curso rápido, objetivo e focado em oito módulos com tudo o que você precisa saber para entender melhor as diversas áreas de concurso, como eles funcionam, quais materiais ou cursos adquirir, como organizar seu estudo e como administrar seus recursos financeiros para a árdua caminhada rumo à aprovação.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:



Não estou conseguindo estudar para concurso: saiba como acabar com as desculpas

Durante toda a minha carreira, recebi pedidos de conselhos de concursandos que não estão conseguindo estudar para concurso. Na maioria das vezes, os argumentos são verdadeiras desculpas para não estudar. Fuja da autossabotagem, meu amigo! Saiba como acabar com as desculpas.

A falta de ânimo para estudar é uma reclamação constante dos concurseiros que acompanham o blog do Método de Estudo. E isso me leva a refletir: você já parou para pensar quantas são as suas desculpas para não estudar?

Estudar para concursos públicos é mais do que uma escolha difícil, é uma missão. E como toda missão, exige empenho e dedicação!

Durante 25 anos atuando como servidor público e conhecendo concurseiros, vi muitos desses desistindo da jornada de estudos.

Sempre respeito as escolhas, mas não quer dizer que eu apoie essa decisão. Afinal, trata-se do seu sonho e você é plenamente capaz de alcançá-lo – basta querer!

Pensando nisso, preparei este artigo para fazê-lo refletir por que não está conseguindo estudar para concurso. Espero que, ao fim da leitura, você esteja mais motivado do que nunca!

A doença da “desculpite”

Entre as principais reclamações e medos de quem não está conseguindo estudar para concurso que leio frequentemente, estão:

  • vou esperar o orçamento sair para ver se tem previsão do concurso que eu quero;
  • estão falando que a estabilidade vai acabar;
  • a aposentadoria vai piorar;
  • irão diminuir a remuneração inicial.

Meu amigo, nenhuma dessas ideias é motivo para deixar de lado a sua rotina de estudos. Todas essas “informações” e decisões são, na verdade, sintomas da “doença da desculpite”.

Os leitores do meu livro já devem conhecer essa expressão, pois foi muito citada em minha obra, mas este é um conceito retirado do livro “A mágica de pensar grande”, do autor David Schwartz, lançado em 1959.

O termo explica que a maioria dos problemas e percalços que encontramos no caminho até o nosso objetivo se trata apenas de desculpas.

A vítima da “doença da desculpite” sempre está em busca de uma boa “razão” para justificar a sua procrastinação.

Apega-se a este motivo para explicar para si mesmo e para os outros por que não está progredindo.

A cada vez que a vítima apresenta a desculpite, essa se infiltra mais profundamente no seu subconsciente.

No início, a vítima sabe que seu álibi é mais ou menos uma “mentira”. Mas, as frequentes repetições fazem com que ela se convença de que é um fator completamente real, a verdadeira razão para que ela não alcance o sucesso que devia.

Como qualquer outra doença, a desculpite vai piorando se não for tratada adequadamente! Portanto, lembre-se da concorrência e coloque em primeiro lugar os seus objetivos.

Lembre-se de que há muitos candidatos estudando incessantemente – se você não reagir, irá perder a sua vaga tão sonhada.

“Não estou conseguindo estudar para concurso”: principais desculpas

São muitas e bastante criativas as desculpas para não conseguir estudar para concurso. Portanto, separei as mais recorrentes e vou buscar te ajudar a superar cada uma delas.

Desculpa #1: Eu não consigo

Ter pensamento positivo é o primeiro passo para obter produtividade nos estudos e riscar a desculpa “não estou conseguindo estudar para concurso” da sua vida.

Qualquer pessoa tem a capacidade de assimilar conhecimento! Portanto, não veja a aprovação como uma conquista impossível.

Converse com pessoas que já passaram em concursos, acompanhe o blog do Método de Estudo, mande as suas dúvidas e compartilhe suas experiências.

Você verá que o contato com pessoas que acreditaram na preparação e estudaram tornam o seu objetivo muito mais real e palpável!

Desculpa #2: Eu não tenho dinheiro para estudar

Ter uma fonte de renda para custear livros, cursos, inscrições e viagens até os locais de prova é um apoio essencial. Mas isso não é um fator limitante!

Para estudar, aposte no conteúdo disponível online – há uma série de videoaulas e materiais em PDF de qualidade para estudar. Fora canais com cursos completos no Youtube.

Além disso, em muitos concursos é possível conseguir a isenção da taxa de inscrição em caso de comprovação de baixa renda.

Desculpa #3: Não tenho tempo

Tempo de sobra ninguém tem. Bem-vindo ao clube, meu amigo!

A dificuldade de conciliar o tempo de estudos com outras atividades é o principal desafio dos concursandos – mas isso não é razão para desistir.

Invista na gestão de tempo e encontre a melhor divisão de tarefas dentro do seu cronograma.

Busque respeitar as suas individualidades, mas tenha disciplina para executar os estudos dentro do planejado.

Desculpa #4: Faço concursos há anos e não passo

A reprovação precisa ser enxergada como um meio de aperfeiçoamento para o seu plano de estudos.

Cada falha é um anúncio sobre os seus pontos de melhoria e o seu desempenho. Portanto, faça uma análise crítica dos seus erros nas provas!

Jamais jogue fora o seu gabarito – revise todo o conteúdo que você errou, confira os assuntos que têm facilidade e, assim, busque se dedicar aos que possui dificuldade.

Fazer provas faz parte da preparação, por isso é extremamente natural ser reprovado em concursos antes de ser, finalmente, aprovado.

Afaste-se das fontes de pessimismo

A grande mídia é uma das grandes responsáveis por desmotivar as pessoas que não estão conseguindo estudar para concurso públicos.

Principalmente no cenário de instabilidade econômica, surgem muitas dúvidas quanto às vantagens de tentar preencher um cargo público.

Nos meus 24 anos de carreira na área fiscal, sempre houve notícias ruins contra o serviço público, sobretudo nos últimos 10 anos.

Mas reflita: se a situação para o setor público não é das melhores, ainda assim o setor está em vantagem se comparado à iniciativa privada.

Mesmo quando a economia encontra-se em frangalhos, o setor público ainda apresenta maiores chances de sobrevivência. Portanto, não desista do seu sonho!

A partir do momento em que você decidiu ser concurseiro, você já abdicou de várias fontes de lazer.

Logo, se você não estudar o tanto que deveria, passará os poucos momentos de descanso estressado, pensando que deveria estar estudando.

Portanto, lide com a sua escolha e estude! O caminho é árduo, mas a recompensa é doce.

Quer melhorar suas chances de passar em um bom concurso público? Um dos programas de mentoria da Liga da Aprovação vai ajudar você a se preparar na área que pretende se dedicar aos estudos.

  1. Liga da Aprovação Fiscal e Controle: mentoria focada em quem deseja fazer concursos da área fiscal e controle – como Receita Federal e outros.
  2. Liga da Aprovação Policial: mentoria voltada para àqueles que irão prestar concursos da área policial, em geral.
  3. Liga da Aprovação Demais Áreas: mentoria voltada para aqueles que irão prestar concursos das áreas de Tribunais, INSS, Bancários (BACEN, BB, BNDES, CEF ets), Cargos Administrativos (Técnicos e Analistas do Executivo, Legislativo e Judiciário), Formações Específicas (Engenheiro, Médico etc), e outras carreiras, como Petrobras, CVM, Carreiras Militares, e muitas outras.
  4. Jornada da Aprovação: é um curso GRÁTIS, que vai ajudá-lo a se preparar  para qualquer prova, área, ou tipo de estudo, com conhecimentos gerais para um bom desempenho nos estudos.
  5. Pilares da Aprovação: um curso rápido, objetivo e focado em oito módulos com tudo o que você precisa saber para entender melhor as diversas áreas de concurso, como eles funcionam, quais materiais ou cursos adquirir, como organizar seu estudo e como administrar seus recursos financeiros para a árdua caminhada rumo à aprovação.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Quando começar a estudar para concurso?

Devo parar meus estudos e voltar para a iniciativa privada? Posso diminuir meu ritmo de estudo diante da atual falta de perspectiva? Quando começar a estudar para concurso? Por que começar a estudar agora se não vai ter concurso tão cedo?

Tenho recebido diversos e-mails perguntando quando será o próximo grande concurso público, alguns expressando desânimo com a falta de perspectivas trazida pela atual crise econômica. Vou aproveitar este espaço para responder a estes e-mails e a você que está na mesma situação.

Contudo, antes de começar, a fim de explicar ao pessoal que está começando agora no “mundo dos concursos”, coloquei no final deste post um infográfico com as etapas necessárias para a realização de um concurso público. Assim, terei a certeza de que todo mundo entenderá o palavreado que usarei aqui, OK?

Concursos públicos vs. crise brasileira

Antes de falarmos sobre quando começar a estudar para concurso, é importante termos claro que crises e prosperidades são passageiras, mas um bom cargo público resiste a ambas.

Se você decidiu (ou está decidindo) se preparar para concursos públicos, creio que o motivo que o levou a este caminho ainda existe, independente de crise ou falta de perspectiva de novos concursos.

Para exemplificar, se você decidiu pelo serviço público pela remuneração, o salário ainda é bem superior a carreiras similares no setor privado. Se procura estabilidade (o que muitos não têm em tempos de crise), é o melhor local para construir uma carreira.

Se quer balancear melhor sua vida profissional e pessoal, é muito mais fácil conseguir tal equilíbrio em carreiras do setor público (não quero com isso dizer que o servidor público não trabalha, mas não tenho dúvidas que na média se trabalha menos que algumas carreiras da iniciativa privada, como consultores e profissionais de TI).

Se você é mulher e teme ultrapassar uma idade propícia para ter filhos, pois pode atrapalhar sua vida profissional, no serviço público não existe isso. Poderá ter oito filhos em paz se quiser, sem ninguém para pegar seu lugar.

Por maior que seja a crise, o serviço público não pode parar e há necessidade constante de renovação do quadro de pessoal. Tomemos como exemplo as carreiras da Receita Federal, o Auditor-Fiscal e o Analista-Tributário.

Desde seus últimos concursos em 2014 e 2012, respectivamente, já houve centenas de aposentadorias e exonerações voluntárias. O órgão solicita constantemente mais vagas para suprir as saídas e melhorar o serviço. Assim como na RFB, os demais órgãos também brigam para terem mais servidores.

Posto isto, acho que ficou claro que em algum momento haverá concurso público. Sei que a incerteza de quando será o próximo gera muita ansiedade, mas uma das grandes batalhas do concurseiro é o controle emocional (isso é assunto para outra ocasião!).

E mais, é fato que esta crise está atrapalhando bastante a perspectiva de concursos. Entretanto, também é óbvio que a iniciativa privada se encontra ainda pior, com índices recordes de desemprego e de fechamento de empresas.

Sendo assim, a perspectiva de desistir de um cargo público e partir ou prosseguir na iniciativa privada não se mostra muito inteligente pelos lados da lógica e do custo-benefício.

Até há poucos anos, quando os concursos eram mais regulares e com muitas vagas, o setor público era mais atraente que o setor privado.

Mesmo agora com os concursos sendo reduzidos, a diferença de perspectiva de um bom futuro para você e sua família entre os dois setores está maior ainda. Ter sucesso profissional e mantê-lo na iniciativa privada está ainda mais difícil que obter êxito por meio de um concurso público, sabendo que o cargo público é duradouro.

Quando começar a estudar para concurso?

Talvez muitos não conheçam, mas o Google oferece uma ferramenta gratuita para analisar o comportamento de determinada busca ao longo do tempo (chama-se “Google Trends”).

Eu explicarei o que quero analisar aqui por meio do concurso da Receita Federal, mas aconteceria a mesma coisa se abordasse qualquer outro concurso.

Eu pesquisei pela expressão “concurso receita federal” na Google Trends, obtive o gráfico abaixo e inseri também uma ilustração com as datas dos últimos editais e provas da Receita Federal:

pesquisa-interesse-concurso

Fonte: https://www.google.com/trends/explore#q=concurso%20receita%20federal

estatistica-receita-federal

Fonte: http://www.esaf.fazenda.gov.br/assuntos/concursos_publicos/encerrados

Coloquei três triângulos nos períodos nos quais houve maior busca pela expressão “concurso receita federal” e comparei com as datas dos últimos editais para Auditor da Receita Federal (acho que é mania de estatístico mesmo!).

Você deve estar perguntando: “Mas, Meirelles, o que é aquele pico de procura antes do primeiro triângulo?” Explico: em 26/02/2009 saiu o primeiro edital para o concurso de Assistente Técnico-Administrativo (ATA) do Ministério da Fazenda, o que levou a muitas buscas no Google sobre o assunto.

Conclusão mais clara que esta não há: os picos de busca coincidem com as datas dos editais. E por que você acha que isso aconteceu? A resposta: PARAQUEDISTAS!

Para quem não conhece o termo “paraquedista” no universo concurseiro, ele se refere àqueles que tentam estudar tudo de última hora (que é a maioria) achando que terão êxito nas provas.

Quantos destes vocês acham que passam em concursos disputados? Posso contar nos dedos de uma mão os Johns Nashs que conheço que conseguiram isto!

Sabem quem passará? Quem pesquisou pelo concurso nos pontos mais baixo do gráfico, ou seja, começaram a estudar bem antes da galera do pico do gráfico. Em tempo, John Nash foi um gênio retratado no excelente filme “Uma Mente Brilhante”.

O ponto principal aqui sobre  quando começar a estudar para concurso é que vocês têm que ter a consciência de que a preparação para concursos públicos é realmente demorada.

É um processo contínuo de aprendizagem que, para nós mortais, demanda talvez alguns anos de preparação. Não sejam como o concurseiro apressado, tal qual descrito em nosso post #1 – 5 Erros que atrapalham sua aprovação em concursos públicos.

Lembrem que este período de dedicação será muito bem recompensado nos anos seguintes, que serão os demais de sua vida.

Por isso, encaro o momento atual como propício para começar a estudar para concursos  que virão após (e até durante) este período de crise. Aproveite que agora o gráfico mostrado está com o traço lá embaixo, não espere pelos momentos de pico, pois essa galera raramente passa.

Esqueçam a teoria da fila no concurso público! Brasileiro não respeita fila. Se vocês pararem de estudar agora, a galera vai furar na sua frente, sem pena nenhuma.

Sempre fui leitor assíduo de revistas em quadrinhos. Tem um personagem da Marvel que eu sempre me lembrava quando pensava na teoria da fila. É o Fanático (Juggernaut), um cara fortão que abaixa a cabeça e derruba tudo que aparece pela frente.

Ele representava em minha mente o que eu deveria fazer com a fila de candidatos mais bem preparados: ultrapassá-los estudando muito e da melhor forma.

Bem, se vocês continuarem não estudando, milhares de concurseiros os atropelarão quando vierem seus editais.

Gostaria aqui de fazer apenas um contraponto: não queime a largada! Continue estudando, não pare, mas não se estresse a ponto de quando vier a autorização para o edital você estar em frangalhos.

Se você estiver nessa estrada há algum tempo, aproveite para se aprofundar nos temas, melhorar seus métodos de estudo e buscar o apoio da família. Enfim, estude o máximo que conseguir, mas sem ultrapassar os limites da sanidade física, mental e familiar. Seja um Fanático inteligente!

A hora de começar a estudar para concursos é AGORA! Se já estavam estudando, furem o lugar da fila dos outros. Atropelem os manés que estão dando mole!

A grande questão é: EM ALGUMA HORA HAVERÁ CONCURSO! VOCÊ ESTARÁ PREPARADO PARA ELE?

PS: Abaixo segue o infográfico das etapas para a realização de um concurso público a que me referi lá no início deste texto.

infografico-etapas-concurso-publico

Um abraço de um cara que se imaginava o Fanático quando saíram seus editais, e por isso furou a fila de muita gente e foi aprovado.

Conheça mais sobre a Liga da Aprovação e entenda como funciona o programa de mentoria. São cinco programas assessorados por mim, divididos em:

  1. Liga da Aprovação Fiscal e Controle: mentoria focada em quem deseja fazer concursos da área fiscal e controle – como Receita Federal e outros.
  2. Liga da Aprovação Policial: mentoria voltada para àqueles que irão prestar concursos da área policial, em geral.
  3. Liga da Aprovação Demais Áreas: mentoria voltada para aqueles que irão prestar concursos das áreas de Tribunais, INSS, Bancários (BACEN, BB, BNDES, CEF ets), Cargos Administrativos (Técnicos e Analistas do Executivo, Legislativo e Judiciário), Formações Específicas (Engenheiro, Médico etc), e outras carreiras, como Petrobras, CVM, Carreiras Militares, e muitas outras.
  4. Jornada da Aprovação: é um curso GRÁTIS, que vai ajudá-lo a se preparar  para qualquer prova, área, ou tipo de estudo, com conhecimentos gerais para um bom desempenho nos estudos.
  5. Pilares da Aprovação: um curso rápido, objetivo e focado em oito módulos com tudo o que você precisa saber para entender melhor as diversas áreas de concurso, como eles funcionam, quais materiais ou cursos adquirir, como organizar seu estudo e como administrar seus recursos financeiros para a árdua caminhada rumo à aprovação.

Você terá acessos a aulas online, espaço tira dúvidas, comunidade secreta no Facebook e descontos com os melhores sites e professores parceiros, além de cursos extras exclusivos para a Liga.

Acesse o site do Método de Estudo e conheça mais sobre os resultados que a Liga da Aprovação pode te proporcionar.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar tanto o artigo quanto a imagem nas redes sociais:

Estudar para concursos públicos vale a pena? DESCUBRA!

Estudar para concursos públicos vale a pena? Essa é uma pergunta com uma resposta agridoce. Por mais que você tenha consciência dos benefícios que uma carreira pública pode te proporcionar, parece “coisa de louco” a rotina de estudos. Por que fazer concursos públicos se, a cada dia, tudo parece tão difícil?

Afinal, você passa horas estudando e, por isso, acaba se distanciando de amigos, a convivência familiar sofre um baque e, além disso você pode, de quebra, desenvolver dores nas costas de tanto ficar sentado e outros problemas de saúde.

Diante de tantos desafios, é normal se perguntar por que estudar para concursos públicos ainda vale a pena.

Por mais que você entenda que a carreira pública é a opção mais estável em meio ao caos da economia brasileira, a motivação é um dos fatores essenciais para o alcance da sua aprovação.

Logo, hoje quero te auxiliar a refletir sobre a sua escolha pela carreira pública e estimular que você mostre a si mesmo por que estudar para concursos públicos vale a pena. Continue a leitura!

Estudar para concursos públicos vale a pena?

1) Conheça seus medos e interesses

O desafio proposto consiste em listar quais são os seus maiores medos e seus principais interesses relacionados aos motivos que o levaram a estudar para concursos públicos.

Por que isso, Alex? Porque acredito que os nossos medos e nossos interesses são os fatores que mais nos motivam a alcançar sonhos e promover mudanças em nossas vidas.

Dessa forma, pegue uma folha de papel em branco e divida em duas partes: uma, para escrever  “medos” e outra, para “interesses”.

Em seguida, em cada seção, escreva quais são seus maiores medos e quais seus grandes interesses que te levaram a acreditar que estudar para concursos públicos vale a pena.

Quanto aos medos, entre os mais recorrentes entre os concursandos, podemos citar:

  • medo de ficar desempregado de uma hora para outra;
  • medo de passar a vida trabalhando em subempregos;
  • medo de nunca ser remunerado suficientemente bem;
  • medo de deixar sua família passando por necessidades básicas por falta de dinheiro.

Por outro lado, entre os interesses, muitos deles são relacionados aos atrativos da carreira pública, como:

  • estabilidade;
  • boa remuneração;
  • jornadas de trabalho mais tranquilas e menos exaustivas.

Após listar os medos e interesses que respondem por que estudar para concursos públicos vale a pena para você, destaque os fatores primordiais.

Posteriormente, cole o esquema de papel em frente ao seu local de estudos. Dessa forma, ao início de cada ciclo de estudos, você verá seus principais gatilhos e, inconscientemente, sua motivação aumentará.

2) Ser servidor público não é abrir mão de alguns sonhos

Devido à constância e ao caráter vitalício de muitos concursos públicos, várias pessoas que têm uma vertente mais “inovadora” tendem a afirmar que ingressar na carreira pública é abrir mão de muitos sonhos.

No entanto, estudar para concursos públicos vale a pena porque não te impede de realizar outros projetos de cunho pessoal. Muito pelo contrário, eu diria até que te dá mais base para realizá-los.

Eu, por exemplo, além de trabalhar como Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, também empreendo. O Método de Estudo e a Liga da Aprovação são empreendimentos de mentoria para concursos, um ofício que adoro exercer.

Além disso, eu sempre tive o sonho de viajar pelo mundo – desejo conquistado após a minha aprovação.

Para você ter uma ideia, quando eu estudava, o único destino no exterior que eu conhecia era o Paraguai!

Hoje, já contabilizo cerca de 26 países visitados ao redor do mundo. O meu pequeno Victor Meirelles já realizou, também, o sonho de visitar a Disney. Isso foi facilitado, também, pelo meu trabalho como servidor público.

São vários exemplos que posso citar nos quais foi possível conciliar sonhos e carreira pública. Tenho um colega que, além de fiscal, tornou-se, nas horas de lazer, piloto de carro.

Dessa forma, ao questionar-se por que estudar para concursos públicos vale a pena, jamais tome a falta de liberdade para realizar sonhos como um ponto negativo.

Em suma, ser servidor público é ter estabilidade e renda o suficiente para colocar em prática muitas das suas vontades.

3) A motivação é a principal aliada da persistência

A motivação refere-se em psicologia, em etologia e em outras ciências humanas à condição do organismo que influencia a direção (orientação para um objetivo) do comportamento. Por outras palavras, é o impulso interno que leva à ação.

Dessa forma, para ter muito claro para você por que estudar para concursos públicos vale a pena é necessário, antes de tudo, estar motivado.

No entanto, como a própria definição do termo diz, motivação é um impulso interno que leva à ação, ou seja, para ser eficaz, ela deve vir de dentro de você.

É claro que existem alguns gatilhos para estimular altos índices motivacionais. Aqui no blog do Método de Estudo mesmo eu já indiquei uma série de livros instigantes e filmes motivacionais que são inspiradores e auxiliam a aumentar a motivação de quem estuda para concursos.

Não sou psicólogo, mas trabalhando há algum tempo com mentoria para concursos, posso afirmar que nada é mais motivador do que entender seus próprios anseios.

Como assim, Alex? Em meados de 2018, promovi o segundo encontro presencial com os alunos da Liga da Aprovação, ocasião na qual falamos muito sobre motivação.

Durante a reunião, propus para eles um pequeno desafio e, agora, também sugiro que você o faça, a fim de entender o que te motiva a estudar para concursos públicos e acreditar que vale a pena.

As poucas oportunidades me desanimam! E agora?

Esqueça essa ideia de que não há concursos públicos – você está se desmotivando por conta de uma inverdade.

De fato, diante do período de instabilidade econômica, as oportunidades são menores se comparadas a algumas décadas anteriores.

No entanto, há sempre uma boa oportunidade esperando por você. Assim sendo, pode não ter o concurso que você deseja, mas sempre há oportunidade similares, a nível federal, estadual e municipal.

Logo, pesquise, amplie seus horizontes – sem fugir da área desejada – e você verá que existem muitas oportunidades.

Logo, estude, entenda seus anseios, desafios e, principalmente, inspire-se na sua família e nos seus interesses. Assim ficará mais fácil encontrar a resposta de por que estudar para concursos públicos vale a pena.

Por fim, quero saber: quais são seus medos e interesses que te levam, diariamente, a estudar para concursos? Compartilhe conosco!

Conheça mais sobre a Liga da Aprovação e entenda como funciona o programa de mentoria. São cinco programas assessorados por mim, divididos em:

  1. Liga da Aprovação Fiscal e Controle: mentoria focada em quem deseja fazer concursos da área fiscal e controle – como Receita Federal e outros.
  2. Liga da Aprovação Policial: mentoria voltada para àqueles que irão prestar concursos da área policial, em geral.
  3. Liga da Aprovação Demais Áreas: mentoria voltada para aqueles que irão prestar concursos das áreas de Tribunais, INSS, Bancários (BACEN, BB, BNDES, CEF ets), Cargos Administrativos (Técnicos e Analistas do Executivo, Legislativo e Judiciário), Formações Específicas (Engenheiro, Médico etc), e outras carreiras, como Petrobras, CVM, Carreiras Militares, e muitas outras.
  4. Jornada da Aprovação: é um curso GRÁTIS, que vai ajudá-lo a se preparar  para qualquer prova, área, ou tipo de estudo, com conhecimentos gerais para um bom desempenho nos estudos.
  5. Pilares da Aprovação: um curso rápido, objetivo e focado em oito módulos com tudo o que você precisa saber para entender melhor as diversas áreas de concurso, como eles funcionam, quais materiais ou cursos adquirir, como organizar seu estudo e como administrar seus recursos financeiros para a árdua caminhada rumo à aprovação.

Você terá acessos a aulas online, espaço tira dúvidas, comunidade secreta no Facebook e descontos com os melhores sites e professores parceiros, além de cursos extras exclusivos para a Liga.

Acesse o site do Método de Estudo e conheça mais sobre os resultados que a Liga da Aprovação pode te proporcionar.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

assine a nossa newsletter

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Além disso, fique à vontade para compartilhar este artigo nas redes sociais:

Como estudar redação para concursos: aprenda a redigir as melhores respostas

Diversos concursos públicos têm provas de redação. Com isso, a banca pode avaliar os conhecimentos do candidato sobre o tema, a desenvoltura na hora de argumentar, a capacidade de escrever respostas coerentes e mesmo a habilidade com a linguagem formal. Por isso, é fundamental estar preparado e saber como estudar redação para concursos.

Muitas vezes, a pontuação da escrita é uma das mais importantes na prova. Por isso, saber como elaborar uma boa redação para concursos pode ser o caminho para o sucesso.

No texto abaixo, trazemos diversas dicas de como estudar redação para concursos e escrever um bom texto. Confira!

Como estudar redação para concursos: dicas para redigir as melhores respostas

estudar-redacao-para-concursos-publicos

Preparado para aprender como estudar redação para concursos públicos?

A seguir, você lerá dicas de redação para concursos que podem ajudá-lo a escrever redações coerentes, bem argumentadas e que vão agradar qualquer corretor. Confira!

Dica 1: Não ignore o conteúdo

Muitas vezes, as pessoas decoram tudo o que podem sobre como estudar redação para concursos, aprendem todas as normas gramaticais e são profissionais no uso da linguagem formal. Isso soma pontos, mas não é o suficiente para escrever a redação ideal.

No fim das contas, sua produção textual é sobre um conteúdo – e você precisa saber sobre ele. O problema é que, quando há uma redação para concurso, quase nunca se sabe o tema até que a prova esteja em sua mesa.

O que fazer se você não souber nada sobre o tema em questão? Use os textos de apoio. Eles estão lá para embasar seus argumentos e mostrar um ponto de vista, seja ele qual for.

Falando nisso, lembre-se de que você não é obrigado a dar sua opinião em qualquer circunstância: em questões argumentativas, o melhor a fazer é escolher o ponto de vista em que você consegue articular melhor seus argumentos no texto.

Dica 2: Siga um passo a passo

Mesmo que estude muito, às vezes só a ideia de produzir um texto já faz com que dê um branco em sua cabeça e você não saiba como começar, não é mesmo?

Então, uma maneira eficiente de como estudar redação para concursos é ter um passo a passo para redigir a redação para concurso. Por exemplo:

  • Comece com um brainstorm, anotando em poucos minutos tudo o que você sabe sobre o assunto pedido na prova. Depois disso, selecione as quatro ou cinco ideias mais interessantes para desenvolver no texto.
  • Elabore um rascunho com introdução, desenvolvimento e conclusão, sem se importar muito com possíveis erros. Essa vai ser a primeira versão do texto.
  • Revise seu rascunho, procurando possíveis erros de português e mesmo de coerência. Confira se você se manteve alinhado ao tema e se seus argumentos fazem sentido um com o outro.
  • Passe a redação a limpo, com letra legível, corrigindo o que precisa ser corrigido no rascunho.
  • Caso não tenha tempo para fazer nem um rascunho de sua redação, pelo menos esquematize quais ideias irá inserir em cada parágrafo de seu texto.

Dica 3: Aprenda a diferença entre introdução, desenvolvimento e conclusão

Alguns estudantes chegam ao dia da prova acreditando que, em uma redação para concurso, a diferença entre introdução, desenvolvimento e conclusão é apenas sua localização no texto. Cada parte de um texto exerce uma função diferente e você precisa saber disso para tirar uma boa nota. Observe:

Introdução

A introdução do seu texto é onde, resumidamente, você deve mostrar que entendeu o tema proposto e como você pretende desenvolvê-lo. Para fazer isso, normalmente você fala de uma ideia geral sobre o assunto, faz uma afirmação e depois introduz a posição apresentada na redação.

É importante lembrar que introduções devem ser breves e objetivas – mais do que 5 linhas já é longa demais.

Desenvolvimento

Agora, é hora de explicar melhor o que você disse na introdução. Existem diversas maneiras de fazer isso:

  • Se você disse que ia falar de X, Y e Z na sua introdução, essa é a hora de falar desses assuntos – de preferência, na mesma ordem em que foram apresentados;
  • Dê exemplos que provem seus argumentos;
  • Não tente esgotar o assunto para que o texto não fique longo demais. Muitas vezes, há um limite de linhas disponíveis;
  • Tente equilibrar o tamanho dos parágrafos – fazer um parágrafo com seis linhas e outro com duas pode deixar a impressão de que seus argumentos não têm o mesmo peso ou relevância.

Conclusão

Para encerrar a redação, você deve relembrar brevemente os pontos discutidos no texto, reafirmar a tese apresentada na introdução – ou seja, a sua posição quanto ao assunto – e abrir margem para novas ideias relevantes ao assunto e, até mesmo, formas de solucionar os problemas apresentados.

Com esses princípios básicos, você está pronto para escrever uma redação para concurso completa e bem fundamentada.

Dica 4: Faça o que foi pedido

A última dica de como redigir uma redação pode parecer boba, mas muitos concurseiros ignoram comandos simples que aparecem nas pautas de redação para concurso públicos. Alguns exemplos clássicos são:

  • Coloque um título;
  • Use tópicos;
  • Responda à seguinte pergunta;
  • Cite um dos textos de apoio.

Se qualquer um desses pedidos estiver na prova, faça. Não deixe de seguir as regras dadas pela banca ou pelo edital na hora de escrever sua redação. Prestando atenção nisso, você não perderá pontos por coisas básicas.

4 erros comuns em redação para concursos públicos

Cada estudante tem suas dificuldades particulares quando se trata de estudar redação para concursos: não costumam escrever muito, não conhecem a estrutura do texto, não sabem o que é um texto argumentativo, tem dificuldades de lembrar regras gramaticais, etc.

Apesar das particularidades, alguns erros são muitos comuns em redação para concursos públicos, qualquer que seja a área. Por exemplo:

1. Fugir do tema

É muito comum que os concurseiros não consigam manter sua linha de raciocínio alinhada ao tema o tempo inteiro. Consequentemente, começam a redigir uma redação falando de um assunto e terminam falando de outro.

Se o tema proposto é sobre proteção ao meio ambiente, não conclua falando sobre corrupção.

2. Não responder à pergunta da banca

Muitas vezes, a proposta da redação é uma pergunta. Assim, se o concurseiro ficar ansioso demais para colocar tudo o que sabe sobre o tema no papel ou sentir medo de cometer algum erro absurdo, acaba não respondendo á dita pergunta – o que é um bom motivo para uma nota baixa.

3. Escrever como se fala

Um erro comum de quem não costuma ler muito é confundir a linguagem falada com a escrita. Apesar de ambas pertencerem à mesma língua, os dois tipos são muito diferentes.

Várias vezes o que dizemos no dia a dia não pode ser redigido em uma redação para concurso. Acostume-se com a linguagem escrita formal colocando suas leituras em dia.

4. Não conhecer a estrutura textual

Saber a diferença entre um texto em tópicos, um discursivo, um dissertativo, um argumentativo etc. é muito importante para saber o que a redação está pedindo e responder da maneira certa.

Todos esses erros comuns podem ser corrigidos com informação e treinamento. Aprender como estudar redação para concursos depende de conhecimento e prática – que são, na maioria das vezes, fáceis de adquirir.

A redação para concurso público é uma prova temida por muitos, mas exige o mesmo estudo e atenção que todas as outras propostas da avaliação.

Leia muito, estude a gramática e pratique frequentemente para aprender a escrever melhor. Essa é só mais uma parte do teste – e você tem tudo para se sair bem nela!

Quer mais dicas de como estudar redação para concursos públicos? Venha para a Liga da Aprovação da Método de Estudo e melhore suas chances de ser aprovado em um concurso!

São cinco programas assessorados pelo expert Alexandre Meirelles, divididos em:

  1. Liga da Aprovação Fiscal e Controle: mentoria focada em quem deseja fazer concursos da área fiscal e controle – como Receita Federal e outros.
  2. Liga da Aprovação Policial: mentoria voltada para àqueles que irão prestar concursos da área policial, em geral.
  3. Liga da Aprovação Demais Áreas: mentoria voltada para aqueles que irão prestar concursos das áreas de Tribunais, INSS, Bancários (BACEN, BB, BNDES, CEF ets), Cargos Administrativos (Técnicos e Analistas do Executivo, Legislativo e Judiciário), Formações Específicas (Engenheiro, Médico etc), e outras carreiras, como Petrobras, CVM, Carreiras Militares, e muitas outras.
  4. Jornada da Aprovação: é um curso GRÁTIS, que vai ajudá-lo a se preparar  para qualquer prova, área, ou tipo de estudo, com conhecimentos gerais para um bom desempenho nos estudos.
  5. Pilares da Aprovação: um curso rápido, objetivo e focado em oito módulos com tudo o que você precisa saber para entender melhor as diversas áreas de concurso, como eles funcionam, quais materiais ou cursos adquirir, como organizar seu estudo e como administrar seus recursos financeiros para a árdua caminhada rumo à aprovação.

O que fazer para controlar a ansiedade pré-prova de concurso?

Você estudou muito para o concurso dos sonhos. Tem certeza que quer mais do que ninguém o cargo. Chegado o grande dia, o nervosismo bate – o que é natural. Assim, você deve saber o que fazer para controlar a ansiedade pré-prova.

Mas não se sinta triste ou fraco caso bata aquela ansiedade. Para se ter uma ideia, o Brasil, hoje, sofre uma epidemia de ansiedade

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o país tem o maior número de pessoas ansiosas do mundo: 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população) convivem com o transtorno.

No entanto, é importante buscar controlar a ansiedade, para que esse sentimento não faça com que você dê branco na hora da prova e coloque suas chances a perder.

Se você não sabe o que fazer para controlar a ansiedade pré-prova, este artigo é para você. Você pode se acalmar com algumas técnicas e atitudes. Confira!

1. Sua ansiedade é muito séria? Procure ajuda!

Se o tipo de ansiedade pré-prova que você sofre é aquele que te paralisa, deixa com a respiração difícil e, muitas vezes, gera crise de choro, só um profissional poderá te ajudar.

A ansiedade se torna patológica quando entra em um nível elevado e permanece por um longo período de tempo.

Listo aqui alguns dos sinais de que a sua ansiedade é excessiva e que, nesses casos, você deve procurar ajuda:

  • a ansiedade te paralisa;
  • traz limitações para sua vida diária;
  • gera sofrimento e incapacidade;
  • é prolongada;
  • você não consegue controlar sozinho.

O psicólogo é o profissional adequado para te ajudar a lidar com a ansiedade, identificando a causa do problema e determinando atitudes para que você se liberte de tamanha angústia.

2. Já pensou em fazer meditação?

Eu já pratiquei meditação e, inclusive, preciso voltar a incluí-la na minha rotina. 

A meditação é uma prática que reduz o estresse e a ansiedade, fortalecendo o sistema nervoso e imunológico, melhorando a memória, a autoestima e aumentando a capacidade de concentração.

Não sou nenhum profissional no assunto, mas recomendo que você procure por meditação no Youtube e aprenda, pelo menos, algumas técnicas simples.

Com a tecnologia, suporte para aprender essa preciosa técnica é o que não falta. Há alguns aplicativos especializados no ensino da meditação. São eles:

3. Antes de entrar na sala de aula, vá ao banheiro

Como eu já falei em outro artigo aqui no blog, antes de entrar na sala, vá ao banheiro – mesmo que aparentemente você não esteja com vontade.

Essa é  uma atitude que parece boba, mas que irá prevenir que você tenha seu raciocínio atrapalhado em um momento importante da prova por aquela vontade enlouquecedora de ir ao banheiro.

Além disso, há casos em que a ansiedade está tremenda que a vontade de fazer xixi só aumenta; isso não será tão sofrido se você tiver feito antes.

Aproveite este momento pré-prova para lavar o rosto e fazer breves alongamentos, que te deixarão mais disposto e acordado.

4. Leve água para a prova

Beber água durante a prova não só faz bem para a qualidade do seu raciocínio, como também te ajuda a controlar a ansiedade.

Para se ter uma ideia, um estudo feito pelas Universidades de East London e Westminster concluiu que estudantes que beberam água durante provas tiraram notas cerca de 5% melhores do que aqueles que não beberam, informou o site da BBC.

Com moderação, a água em pequenos goles de certa forma deixa seu cérebro mais ativo e é uma excelente pausa para respirar e recuperar a calma e a energia.

5. Evite atritos e faça programas mais leves

Para evitar que a ansiedade ataque antes da prova, dias e semanas antes fuja de qualquer atrito com pessoas do seu convívio.

Corte os assuntos de política, discordâncias de opinião, entre outros temas polêmicos que possam causar palavrões e choradeira.

Além disso, nem sempre todas as famílias dão 100% de apoio aos concurseiros.

Logo, se aos 45 do segundo tempo você ouvir críticas sobre seus estudos, que não irá passar, que concurso é fraudado, respire fundo e mantenha o foco no seu objetivo.

Quantos às saídas, prefira qualquer programa que seja mais leve e não aqueles que coloque sua saúde em risco (ou seja, suspenda peladas e esportes pesados). Nada de consumir bebida alcoólica exageradamente e alimentos pesados.

6. Exercícios físicos só com moderação

Você irá ouvir de várias pessoas que deve se exercitar, jogar bola e usar outras técnicas para eliminar o estresse.

No entanto, evite qualquer atividade pesada, como pelada, judô e qualquer outro tipo de exercício físico que exija muito do seu corpo.

Assim sendo, imagine só: você estudou, se preparou, está afiado e aí acaba perdendo a prova por um tornozelo torcido. É de um azar e tanto, né?

Portanto, busque alternativas menos arriscadas para aliviar o estresse e a ansiedade. Atividades leves como caminhadas, ioga e pilates são boas válvulas de escape, sem riscos de gerar machucados.

7. Estude na véspera, mas procure relaxar

Se você fará prova no domingo, não quer dizer que na sexta-feira e no sábado você deve abandonar os livros.

Estudar, com moderação, sobretudo seus resumos, fórmulas matemáticas e decorebas é uma boa nesse período.

No entanto, não se preocupe em estudar 8 horas líquidas por dia. Reserve, também, um tempo para espairecer.

Saia para tomar um suco, ver um filme, fazer uma caminhada ou qualquer outro programa leve na companhia da família.

Fazer uma atividade leve é importante para controlar a ansiedade pré-prova e não irá atrapalhar seu desempenho – isso, é claro, se você tiver estudado com seriedade por meses.

8. Faça seus rituais de fé

Seja lá qual for sua crença ou religião, reserve um tempo para fazer qualquer ritual que sirva para acalmar sua mente ou coração.

Reserve um tempo na véspera da prova e logo antes da prova para fazer suas orações, bênçãos e qualquer outro tipo de hábito relativo a fé que você tenha.

Isso, com certeza, te ajudará a melhorar sua espiritualidade e pode gerar impacto direto na redução da ansiedade.

9. Faça exercícios de respiração antes de começar a prova

A respiração está muito ligada à redução da ansiedade. Quando você está muito estressado e alguém lhe sugere que dê uma respirada mais fundo para se acalmar não é à toa.

Por isso, pesquise alguns exercícios de respiração, com inspiração e expiração contínuas, para que você faça antes da prova.

A respiração correta ajuda no controle da ansiedade de duas formas: a primeira é fisiológica, já que o estado de ansiedade ativa áreas do cérebro que estimulam a hiperventilação. 

Quando ansiosos,  inalamos o ar com mais rapidez e de forma mais rasa. Dessa forma, o esforço consciente para mudar isso ajuda a acalmar, pois o organismo volta a seu equilíbrio. 

Outro ponto está no fato da pessoa, ao tornar sua respiração consciente, traz sua atenção ao momento presente. Com isso o estado de ansiedade tende a ser minimizado.

Um acompanhamento pode te ajudar a controlar a ansiedade

Se você não sabe mais o que fazer para controlar a ansiedade pré-prova, procure ajuda de profissionais experientes e que podem te ajudar a colocar os sentimentos no lugar.

Eu mesmo já vivenciei várias angústias nas vésperas dos concursos em que fui aprovado e, para mim, é um prazer ajudar os novos concurseiros a terem sucesso.

Pensando nisso, estruturei um programa de mentoria que não só ajuda concurseiros com o conteúdo, mas na construção de uma mentalidade vencedora.

Os programas de mentoria da Liga da Aprovação irão prepará-lo em alto nível para todos os concursos que você está planejando estudar.

A Liga da Aprovação reúne diversos benefícios, como:

  • Seis meses de mentoria comigo;
  • Atividades ao final de cada módulo;
  • Descontos nos serviços de nossos parceiros e professores,
  • Tira-dúvidas individualizado e muito mais.

Em suma, com alguém te auxiliando e orientando, fica muito mais fácil controlar a ansiedade para o seu concurso!

Quero me inscrever e aproveitar as vantagens da Liga da Aprovação

Por fim, entenda que se você estudou o que era possível e fez sua parte, tem tudo para ser sua hora, basta se concentrar e colocar as ideias no papel.

Além disso, em caso de reprovação, não se deixe abater. Haverá oportunidades melhores que, com persistência, você irá alcançar.

Um abraço, Alexandre Meirelles.

Período pré-edital: como ter a melhor preparação nesta fase?

Todo concurseiro sabe que, para ser aprovado, principalmente nos concursos mais concorridos, a preparação deve começar bem antes do edital. Mas você sabe como se organizar no período pré-edital?

Estudar com antecedência permite que você dê conta de todo o conteúdo exigido e saiba a maioria das respostas.

Ao mesmo tempo, te dá tranquilidade para entender quais são seus “calos” e trabalhar toda as suas dificuldades para que elas não venham te atrapalhar durante a prova.

Em suma, o período pré-edital deve ser de muito estudo e otimização constante, para que você não perca tempo, dinheiro e agarre seu cargo na primeira oportunidade.

Para quem está começando a estudar para concursos públicos e ainda tem dúvidas de como estudar no período pré-edital, preparei este artigo com algumas orientações. Continue a leitura!

Antes de tudo, defina a sua área de estudos

Como já falei diversas vezes aqui no blog do Método de Estudo, ter uma área bem definida, ou seja, um foco para a sua preparação é muito importante. 

Afinal de contas, se você estudar para a área Fiscal, Policial e Bancária ao mesmo tempo, dificilmente ficará craque em algum conhecimento e não alcançará aprovação nenhuma.

Escolher uma área permite que você já avance na preparação pré-edital pelas disciplinas básicas de diferentes certames dessa área.

Na área Fiscal, por exemplo, temos as disciplinas de Contabilidade, Raciocínio Lógico, Estatística e Matemática Básica.

Se você escolhe uma área de antemão, fica muito mais fácil direcionar a sua estratégia de estudos e aproveitar melhor o seu tempo de preparo.

Para saber quais são as áreas de concursos disponíveis e como escolher uma delas, confira o artigo que escrevi em parceria com o mentor Fernando Mesquita sobre esse assunto.

Analise o último edital do cargo almejado

Além de definir qual é a área de concurso desejada e conhecer as disciplinas básicas, você deve ter em mente o cargo principal que você deseja.

Assim sendo, escolhido o cargo, procure pelo último edital de concurso público que foi veiculado para esse cargo.

A partir do último edital, você consegue definir pontos essenciais para a sua preparação no período pré-edital, como:

  • qual foi a banca que fez a prova;
  • quais são as disciplinas básicas;
  • quais são as disciplinas específicas;
  • estrutura da prova (para replicar em simulados);

Por exemplo, se você que a sua banca é o Cespe, poderá pesquisar especificamente o estilo de prova dessa banca.

Aqui no Método de Estudo, por exemplo, já escrevi artigos com o professor Marcondes Jr. só com dicas para provas de português do Cespe e FCC.

É a partir das disciplinas identificadas no último edital que você deve estudar. 

Pode ser, sim, que uma ou outra seja acrescentada depois do edital. No entanto até lá você estará craque em todas as outras e poderá usar a margem entre edital e a prova para aprender essas “surpresinhas”.

Faça um ciclo de estudos para o período pré-edital

Uma metodologia que defini para o estudo pré-edital, que ajudou muitos concurseiros, é o ciclo de estudos.

Você pode aprender como montar um ciclo de estudos completo lendo a parte teórica e a parte prática do artigo que montei sobre o tema aqui no blog.

O ciclo de estudo consiste em um esquema de dedicação de horas diárias às disciplinas do edital. Ele é vantajoso porque:

  • Você verá várias disciplinas por dia;
  • Será obrigado a estudar as disciplinas que não gosta ou as que sabe menos;
  • Reduz bastante o esquecimento, porque o mantém em contato com várias disciplinas de seu concurso de poucos em poucos dias;
  • O cérebro fica sempre “fresco” para receber novas formas de raciocínio.

Lembrando que você deve começar com 6 a 8 disciplinas no ciclo, priorizando as disciplinas mais cobradas da área.

Verifique o que está atualizado do último edital

O último edital do concurso desejado deve ser seu guia. No entanto, você deve ter a perspicácia de avaliar se algum conteúdo foi atualizado.

Vamos supor que o último edital exige uma lei específica publicada em 1999. Mas se você pesquisou e viu que ela foi revogada/substituída por uma nova, estude a atualização.

Resolva questões anteriores (e provas da mesma banca)

Estudar por meio de questões anteriores é um método muito eficiente, uma vez que, durante a resolução de exercícios você exercita mais o cérebro, amplificando a sua capacidade de memorização.

Principalmente quando se trata de questões de concursos da banca do seu certame, você vai pegando o “jeito” da prova e chega no grande dia muito mais treinado quanto aos enunciados e outras exigências da banca.

Além do mais, quando você resolve questões e provas anteriores, você percebe quais conteúdos são recorrentes e têm muita chance de serem cobrados novamente.

Além de baixar provas anteriores do seu concurso, você pode assinar sites especializados em disponibilização de questões para concursos. Alguns exemplos são:

Participe de uma mentoria de concursos

A preparação pré-edital envolve muitas dúvidas para quem está começando agora no universo dos concursos públicos.

Nessa etapa, buscar cursos e uma mentoria para concursos públicos não só te ajuda a absorver o conteúdo, mas também conhecer as melhores práticas de estudo.

Pensando principalmente em quem está começando a estudar, eu preparei um curso com quatro aulas gratuitas, chamado Jornada da Aprovação.

As aulas são ideais para qualquer área de concursos públicos e reúnem dicas imperdíveis para você alavancar seus estudos, principalmente na fase pré-edital.

Veja o que programamos para você:

  • Aula 1: Einstein Concurseiro – Mito dos gênios
  • Aula 2: 7 Pontos Chave
  • Aula 3: Ferramentas da Aprovação
  • Aula 4: Quero Ser Aprovado

Tem alguma outra dúvida sobre a preparação pré-edital? Compartilhe conosco nos comentários!

Um abraço, Alexandre Meirelles.