Como estudar para concursos escutando música

Na preparação para os concursos públicos, qualquer detalhe pode fazer a diferença. Todos buscam métodos e dicas para melhorar a concentração e a absorção de conhecimento. Muitos dizem que estudar ouvindo uma música ao fundo ajuda. Será que isso é verdade? Se fizer uma busca com a pergunta título deste artigo no Google verá que há muitos textos sobre este tema. Estudei um pouco sobre isso enquanto escrevia o meu livro e gostaria de compartilhar com os leitores do nosso blog. Esclareço que grande parte deste conteúdo foi retirado do meu livro “Como Estudar Para Concursos”.

ONDAS ALFA

Inúmeros estudos já foram publicados provando que ouvir música atrapalha ou melhora a concentração e a atenção. Depende do tipo de música. Isso tem a ver com o estado que o seu cérebro se encontra no momento do estudo, principalmente os estados alfa e beta.

Quando começamos uma sessão de estudo, precisamos relaxar um pouco antes de começá-la. Se você começar a estudar ainda muito elétrico, no estado beta, vai aproveitar muito pouco do conteúdo.

Já foi provado cientificamente que a música barroca ajuda a conduzir seu cérebro para o estado de ondas alfa, que são as mais propícias para o estudo, porque aumentam seu poder de concentração e memorização.

Assim, se você estiver ouvindo uma música clássica ao fundo, preferencialmente a barroca, que possui como principais compositores: Bach, Handel, Vivaldi, Corelli e Couperin, será bom para os seus estudos.

Não sabe por onde começar? Ouça “As quatro estações” de Vivaldi, que certamente você já conhece, ou “Música Aquática”, de Handel. Cada uma dura mais do que 40 minutos, você pode deixá-las em loop. Ouvir Mozart também é indicado, apesar de já ser do período clássico. Se for de outro estilo, como Axé, Pagode, Rock ou MPB, prejudicará sua concentração.

Nunca estude ouvindo um idioma que você entenda. Se você fizer isso, sua concentração será muito prejudicada. Eu garanto, isso já está mais do que comprovado cientificamente. Nem vou fazer você perder seu tempo aqui explicando o porquê, só acredite em mim.

Quando a música não é barroca, ela atrapalha que você entre em alfa. Se for Iron Maiden, minha segunda banda favorita, você estará em “beta turbo master”. Não é à toa que quando passei para o AFRFB, logo coloquei Iron no talo e dirigi pela cidade berrando e cantando alto. Coisa de doido, eu sei, mas quem disse que você não ficará assim quando for aprovado? Nada de entrar em alfa no dia que isso acontecer, entre em estado “beta turbo master blaster advanced”. E nada como o Iron tocando “The Evil that Men Do” nessas horas.

Quando nosso cérebro entra em alfa, o aprendizado é melhor. É o chamado estado de vigília relaxada, em que o batimento cardíaco, a respiração e as ondas cerebrais estão sincronizados, com a mente concentrada e pronta para o aprendizado. Enquanto estamos acordados e não devidamente relaxados, nosso cérebro está no estado conhecido como beta, que é ruim para o aprendizado.

Pesquisadores demonstraram que quando estamos neste estado mental, obtemos no máximo 25% no nível de concentração. Esses estudos começaram com um búlgaro chamado Georgi Lozanov nos anos 1960. O Dr. Lozanov dizia que, após um relaxamento inicial escutando uma música barroca, somos capazes de atingir 95% ou mais no nível de concentração.

MEDITAÇÃO

Quer outra dica? Pratique meditação. Várias universidades comprovaram que ela melhora bastante a concentração nos estudos, a respiração e o sono e reduz o stress, dentre outros benefícios. Depois de somente um mês a praticando, o resultado já será nítido, comprovado por meio de imagens do seu cérebro. Não é balela para vender livro de autoajuda, é coisa séria mesmo, muito eficiente, e independe de sua religião.

Agora adivinhe qual é o estado que estamos quando praticamos meditação? É o alfa, claro, por isso seu cérebro passará a se concentrar melhor nos estudos, pois você saberá entrar e permanecer em alfa mais facilmente e por mais tempo.

Não precisa necessariamente frequentar uma aula de meditação, assista a vídeos que a ensinam no Youtube e pratique em casa se não tiver acesso a uma aula presencial. Contudo, realmente é indicado que faça uma aula pelo menos no primeiro mês, porque não é tão fácil aprender a se concentrar, por isso que ajuda tanto em nossa concentração no estudo. Há vários vídeos no Youtube e CDs com músicas para ouvir durante sua prática.

COMO OUVIR?

Voltando à história de estudar ouvindo música barroca, uma boa notícia é que você nem precisa estar ouvindo a música de fato, pois pode colocar o volume no mínimo, que faz praticamente o mesmo efeito. Obviamente, você deve evitar o som com volume alto; tem que ser bem baixinho, praticamente inaudível, mas o volume pode ser aumentado se houver barulho o incomodando.

Se estudar perto do micro, é só arquivar um monte de músicas em MP3 em uma pasta do seu disco rígido ou pen drive ou então colocar para tocar no Youtube e deixar tocando sem parar com volume baixo.

Enquanto escrevia o meu livro escutava Vivaldi bem baixinho pelo micro. Às vezes tentava colocar outro tipo de música enquanto escrevia, mas me desconcentrava totalmente, o que não acontecia quando ouvia música clássica. E olhe que nem sou fã desse tipo de música, meu negócio é rock mesmo.

A título de curiosidade, existem mais dois níveis de estado mental, que são o teta, que ocorre quando estamos em sono leve, e o delta, que ocorre quando estamos em sono profundo. Durante a fase teta é mais fácil nos lembrarmos dos sonhos, já na fase delta é muito difícil isso acontecer.

 


Estudar com Música - Método de Estudo

Livre para compartilhamento, desde que mencione este artigo com o respectivo link.

Espero ter esclarecido o questionamento inicial.

Um abraço do Alexandre Meirelles, bons estudos e muitas HBCs!

Dúvidas ou comentários? Escreva no campo de “comentários” logo abaixo. Fique à vontade para compartilhar tanto o artigo quanto a imagem nas redes sociais:

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *